Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CURIOSIDADES SOBRE CLONIX>>>>>>>>>(RETIRADO DE INTERNET)



SOU UMA PESSOA CURIOSA POR NATUREZA(CULPA DO MEU  PAI E DE MINHA AVÓ QUE VIVIAM A INCENTIVAR À PESQUISA QUANDO EUERA MENINA).
HOJE me DEPAREI COM UM TERMO QUE DESCONHECIA _ CLONIX.

DE PRONTO PERCEBI O QUE ERA E ATÉ PARTICIPEI DE UMA COMPOSIÇÃO POÉTICA COM DOIS COLEGAS.

A CURIOSIDADE FEZ-ME IR ATRAS DE MAIS CONHECIMENTOS E O QUE AQUI PUBLICO SÃO PARTES DA MINHA PESQUISA COM A DEVIDA FONTE .

DESTINA-SE A CURIOSOS COM EU. BEIJOS DA DENISE

Poetrix é uma linguagem criada por Goulart Gomes, poeta baiano. Pode ser considerado um haicai moderno, porém com regras mais soltas que este. P. ex. O Poetrix possui regras que devem ser seguidas em sua criação, quais sejam: - deve ter, no máxino, trinta sílabas gramaticais. - deve ,sempre, ter, um título. De preferência não repetindo termos usados no corpo do texto. -deve versar sobre temas contemporâneos ou urbanos, sob uma ótica nova - deve conter figuras de linguagem como : metáforas,metonímias, prosopopéias, hipérboles, etc... - deve buscar a concisão e a facilidade de leitura, além da interação entre autor e leitor -neste tipo de poema são permitidos : clonix, duplix, triplix,multiplix, que são formas de parodiar e complementar o poema, sem caracterizar o plágio ou cópia.
http://jardimdepoesia.blogs.sapo.pt/arquivo/138182.html

Lunar (Poetrix)
Espelhando
luzes
lua se dissolve
na noite.
 
Como
um Sonrisal.

Ricardo Mainieri
 
Lunar (Clonix)
Efervescente
raios
lunares se dissipam
no ocaso.
 
Como
um Alka-Seltzer.

Andréa Motta
Posted by jardimdepoesia at maio 8, 2004 12:02 PM
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


No Grupo Poetrix existem dois exercícios de Intertextualidade, chamados Cirandas e Clonix. Nas Cirandas, os autores enviam poetrix acerca de determinado tema previamente estabelecido. Os clonix são poetrix feitos a partir de um outro, já existente, de um outro autor, sempre havendo referência ao mesmo.
Um clonix, nunca pode vir desacompanhado do poetrix que o originou. Não precisa nem explicar o motivo. É só ler o belo exemplo da Eliana e Lilian e, como diz no Segundo Manifesto Poetrix: "Vamos privilegiar a inteligência do leitor! Que ele morda, mastigue, engula e faça a digestão. Que se vire!
"MÃE
a teu colo sempre volto
quando a tristeza me mima
(Eliana Mora)
MÃE
a teu colo sempre volto
quando há tristeza menina
(Lílian Maial)

http://www.casadobruxo.com.br/textos/plagio.htm
http://poetrix.vilabol.uol.com.br/dasflores.htm
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.phtml?cod=16421&cat=Artigos&vinda=S

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
   O plágio tem ganhado vários nomes que tentam disfarçar sua tipificação penal. Além dos já citados acima, temos o tal "clonix", que, como o nome sugere, é uma cópia de alguma outra obra literária.

http://www.poetisarevoltada.hpg.ig.com.br/diga_nao_ao_plagio.htm

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Toda vanguarda será retaguarda: se não podemos ser eternos, sejamos pós-modernos; se não somos pós-doutores, sejamos pós-autores. Todas as ideologias estão mortas, todos os sujeitos fora de lugar.
Viva o Minimalismo e vamos flanar! O poetrixta desfolha a bandeira: descerrar é melhor que dissertar.
Nada se cria, tudo se copia, concluíram Bakhtin e Chacrinha. Então, vamos hiper, intra e intertextualizar, sejamos dialéticos, digitais e dialógicos. Queremos a inter/ação, queremos o simulacro, a paródia, o pastiche, o duplix, o triplix, o multiplix, o grafitrix, o clonix, o concretrix! Viva a ciberpoesia!
Fazer poetrix não é fatiar uma frase em três partes. Viva a insubordinação gramatical, a desobediência civil! Abaixo as orações coordenadas e subordinadas!
Fora do título não há salvação.
Não mais que trinta sílabas para dizer o máximo.
E viva o canibal! Viva o caeté que comeu sardinha e viva o Cabral!
Vamos privilegiar a inteligência do leitor! Que ele morda, mastigue, engula e faça a digestão. Que se vire! Abaixo os derramamentos da poesia fast-food! Dizer muito, falando pouco. Concisão e coerência. Exploremos os significados polissêmicos das frases, a riqueza semântica das palavras, valorizemos as metáforas.
Queremos o salto
o susto
a semântica
a leveza
a rapidez
a exatidão
a visibilidade
a multiplicidade
a consistência
Queremos o Século XXI! Vamos acordar o Novo Milênio!
O poetrix é um projétil que se aloja na alma. O poetrix é um vírus em nossa memória discursiva. É a suprasíntese.
Viva Bakhtin, Kristeva
http://www.palavreiros.org/poetrix/poetrix.html
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Denise Severgnini
Enviado por Denise Severgnini em 25/12/2005
Código do texto: T90446

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Denise de Souza Severgnini http://www.denisesevergnini.recantodasletras.com.br) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Denise Severgnini
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil, 57 anos
11345 textos (916688 leituras)
16 áudios (8882 audições)
311 e-livros (34109 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:21)
Denise Severgnini