Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Paraoara!

 
Fechas os olhos.

Já oprime levemente as narinas

Aquele pitiú pesado na pedra.

Vês o rio moreno.

Tua pele é uma pupunha a ser comida com café preto à tardinha.

No rio de tuas veias pororoca um sangue caboclo

Tão forte, tão curupira que transborda a face ribeirinha

Lavada de urucum.

És todo farinha d’água.

És tipití,

És pato-no-tucupí.

És um requebrado de carimbó!

po-po-po-po-po-po-po-po-po

Não. Hoje o sol não mergulha no mar:

Deita-se por trás de Marajó
 
Harley Dolzane
Enviado por Harley Dolzane em 15/01/2006
Código do texto: T99042
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Harley Dolzane
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
56 textos (7793 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:28)
Harley Dolzane