Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Livro do Rei Davi

O Livro do Rei Davi
(Prefácio)

Paulo Camelo

Em 1947, um poeta, na sua humildade, pensando não ter mais o que escrever, o que louvar, falava em se aposentar dos afazeres da pena, das letras, das canções. E eu, naquele ano, estava ainda sendo gerado. Se sua intenção se consumasse, como poderia eu tê-lo conhecido e ter tomado ciência de toda a poesia ali condensada e lapidada? E como ficaria o mundo, sem a poesia que seria gerada depois como o foi, sei eu)? Quem teria a idéia de apresentar “Formas Vivas do Meu Pensamento”? E a quem seria entregue o Prêmio Literário Cidade do Recife em 1990?
Embora eu houvesse conhecido Adauto Barreto em fins da década de 1970, só em 1989 tornamo-nos mais íntimos, quanto eu tive a honra de ajudar na composição eletrônica de seu livro “Andar... Andar... Andar...”, uma narrativa de suas andanças pelo Velho Mundo, já para ele tão conhecido através de livros de História e Geografia devorados e degustados ao longo daqueles 80 anos vividos, e bem vividos.
Conquanto só nos víssemos em ambiente de trabalho, tornamo-nos amigos, e começamos a trocar (trocar?) idéias, e eu aprendia com sua experiência, com o seu ecletismo literário de sonetista, memorialista, cordelista e outros “ista” com que a Literatura o prendou.
Pensava eu que conhecia sonetos, quando fui apresentado a 62 peças originais, em redondilha maior e sem rima. Anômalos? Qual o quê? Uma verdadeira obra de arte literária, que não poderia ter outro nome que “Formas Vivas do Meu Pensamento”. E mais uma vez tive a honra de participar na composição de um livro seu.
Mas o ciclo da vida, no seu moto-contínuo, tirou de nossa presença o poeta, sonetista, cordelista, memorialista Adauto Barreto. Porém ainda restou-nos sua poesia.
E, sem mais esperar, sou apresentado ao “Livro do Rei Davi”, 4 dezenas de sonetos inspirados nos primeiros Salmos daquele Rei, pertencentes às Sagradas Escrituras. E a mim se revelou mais um lado, mais um ângulo de visão de Adauto Barreto: o religioso.
Lindos na sua apresentação, fiéis à forma poética escolhida, fiéis também ao conteúdo bíblico, os sonetos do “Livro do Rei Davi” mostram-nos que Adauto Barreto ainda vive entre nós. Por lógico, não na forma material de animal respirante e andante. Mas na imaterialidade de sua poesia. E, em fidelidade aos sonetos tão belamente elaborados com base nos Salmos de Davi, tomei eu a ousadia de homenageá-lo, transcrevendo, em forma de soneto, o último Salmo, em louvor ao Senhor Deus.
O Salmo 150

Minha vida se enche de alegria
e feliz louvarei o meu Senhor,
que mostrou seu poder no firmamento
e encheu a minh’alma de fervor.

E eu convido os irmãos de todo o orbe
a também O louvar pelas façanhas;
toquem harpas, trombetas, violões,
façam hinos, entoem mil canções,

com orquestra de cordas e de flautas,
violinos, tambores retumbantes,
e, com danças, expressem seu louvor

ao Senhor nosso Deus, que nos deu vida
e, de sobra, legou-nos poesia.
Louvarei para sempre o meu Senhor!

07/02/1995
Paulo Camelo
Enviado por Paulo Camelo em 05/04/2005
Código do texto: T9957
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulo Camelo - www.camelo.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Paulo Camelo
Recife - Pernambuco - Brasil, 68 anos
909 textos (260147 leituras)
36 áudios (10732 audições)
6 e-livros (1672 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:37)
Paulo Camelo

Site do Escritor