Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fluxo de consciência fílmico

Eu percebo em Don DeLillo, acima de qualquer influência literária anterior a ele, uma forte influência do cinema, do cinema em geral, cinema como narrativa, cinema como arte. Ele mesmo demonstra grande interesse e prazer pelo próprio, como percebi em Americana (foi aqui que descobri cineastas experimentais como Jonas Mekas e Shirley Clarke) e Running Dog (a trama gira em torno de um suposto filme pornográfico de Hitler).

Não me refiro, no entanto, a meras alusões ao cinema, como quando no seu primeiro livro ele compara uma festa monótona a um filme de Michelangelo Antonioni; eu me refiro ao seu estilo; leia Ivan Turguêniev e DeLillo ao mesmo tempo: o primeiro não dá um nome sem apresentar também um sobrenome e um patronímico e acrescentar não uma breve mas uma longa introdução ao leitor sobre o personagem; o segundo além de não lhe dar um nome, deixa a cargo do leitor descobri-lo e conhece-lo a ele e a sua história e, quando isso é impossível, inferir-lhe o resto. ''Isso fez com que uma expressão pensativa surgisse em meu rosto.'' O russo talvez escrevesse simplesmente ''Tornei-me pensativo.'' Ivan não parece imaginar a si próprio ou seu personagem num auto-retrato a óleo com uma expressão pensativa, mas DeLillo parece imaginar-se ou imaginar seu personagem durante um close-up com uma trilha sonora ao fundo evocando tensão.

São somente minhas impressões, é claro. Não estou fazendo uma crítica negativa ou positiva dos respectivos estilos, nem querendo determinar que um é superior ao outro, e a comparação entre os dois é, sim, totalmente aleatória. Sendo o cinema uma arte que tornou-se muito forte, capaz de influenciar, bem e mal, nossa visão de mundo, nossas reações semânticas e nossos códigos linguísticos não quero dar a entender que somente DeLillo sofreu essa grande influência. Todos ou, mais corretamente, a grande maioria desde o final do século XIX até nossos dias atuais sofreram-na e como disse Jorge Luis Borges em outro lugar ''Por que incomodar-se em ser contemporâneo se não lhe é possível ser outra coisa?'' Poucos escritores, no entanto, parecem admiti-la na própria fluidez do texto sem esconder-se atrás de uma bronzeada prosa titânica de centenas de anos atrás e ainda conceber algo do tamanho de Underworld.




Texto publicado originalmente no Skoob (13/03/2018)
vagas paragens
Enviado por vagas paragens em 07/04/2019
Reeditado em 23/04/2019
Código do texto: T6617987
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
vagas paragens
Gravataí - Rio Grande do Sul - Brasil, 25 anos
56 textos (793 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/05/19 12:05)
vagas paragens