Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A APRECIAÇÃO CRÍTICA DE MASSAUD MOISÉS SOBRE O ROMANTISMO EM PORTUGAL


[  I M A G E M  ]
http://www.overmundo.com.br/uploads/banco/multiplas/1297057198_introdlitportug.jpg

Trabalho universitário, para a disciplina Introdução à Literatura Portuguesa, do curso de Letras ( Português e suas literaturas ), da Universidade Federal do Piauí - UFPI -, 21 maio 2001.


UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ   --   UFPI
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS   --   CCHL
DEPARTAMENTO DE LETRAS   --   DL
DISCIPLINA:   INTRODUÇÃO À LITERATURA PORTUGUESA
ALUNO:   CLÁUDIO CARVALHO FERNANDES


A APRECIAÇÃO CRÍTICA DE MASSAUD MOISÉS SOBRE O ROMANTISMO EM PORTUGAL


Analisando os três momentos do Romantismo em Portugal [primeira, segunda e terceira gerações românticas], Massaud Moisés faz uma crítica quase que pessoal de cada um dos seus respectivos representantes. Dotado de grande erudição, conhecedor do assunto e com várias publicações na área de tal conhecimento, deixa transparecer, no entanto, as próprias preferências quanto a este ou aquele autor, ou, até mesmo, gênero [e estilo] literário, quando dedica espaços desproporcionais para a leitura de cada qual, além das diferentes ênfases na adjetivação dos mesmos.

Assim é que o crítico torna sua apreciação mais demorada e minuciosa exatamente em torno das figuras representativas da primeira fase romântica; mais precisamente centrada em Garret e Herculano, sua crítica parece não querer se gastar com Castilho (na primeira fase), os propriamente ultra-românticos (segunda fase) e mesmo com os representantes mais caracteristicamente ligados à poesia, denotando um pendor anti-romântico que se aprofunda na medida em que se dirige para tendências do aspecto realista no tratamento da arte e suas manifestações.

Massaud Moisés conduz seu texto de forma a deixar mais permanente aos olhos do leitor a impressão de autores que ele mesmo considera “ainda clássicos em muitos aspectos da obra que legaram”, ressaltando sempre, na análise individual, exatamente sua formação clássica. Ao referir-se aos que, então, mais poderiam ser tidos como representativos de tal fase romântica [porque os anteriores, da primeira geração romântica, seriam, ainda, clássicos renitentes], os ultra-românticos, utiliza adjetivos francamente desqualificativos como “descabelado, histérico e piegas”. E a partir de Camilo [ainda na segunda geração romântica, ou ultra-romantismo], já aponta fortes traços de uma outra perspectiva estética e literária. Portanto, analisa principalmente ex-clássicos e realistas incipientes ou futuros realistas, mas não se detém igual e tão percucientemente na apreciação dos propriamente românticos [como o já destacado Camilo e, na poesia, ao menos, Soares de Passos, e outros ultra-românticos, que levaram ao extremo a tendência sentimental e subjetiva do Romantismo].

Não há dúvidas de que o embasamento crítico de Massaud Moisés, quanto aos aspectos analisados, seja suficientemente sólido e plausível, mas, paralelo e concorrentemente a uma análise séria e que se pretende coerente, o crítico literário, parece, ficou por superar as próprias paixões, o que, aliás, é uma característica acentuadamente romântica.




Cláudio Carvalho Fernandes
Enviado por Cláudio Carvalho Fernandes em 02/11/2019
Código do texto: T6785200
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cláudio Carvalho Fernandes
Teresina - Piauí - Brasil, 55 anos
163 textos (3661 leituras)
15 áudios (726 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/11/19 14:12)
Cláudio Carvalho Fernandes