Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CARNAVAL DE PERNAMBUCO TEM MUITO MAIS MANIFESTAÇÕES DO QUE APENAS BLOCOS

Brincar, participar e viver o Carnaval de Pernambuco é algo muito maior e mais prazeroso do que ouvir contar ou simplesmente ver e escutar nos noticiários da TV ou ler em jornais e revistas. Aliás, hoje, se informar através da imprensa não é o que há de melhor. Infelizmente, os diversos veículos de comunicação denominam “todas” as agremiações carnavalescas de “blocos”. Ora! Isso é prova de desconhecimento. É querer reduzir as nossas manifestações e deixar a festa superficial, pobre, limitada.

Jornalistas, radialistas, apresentadores e comentaristas precisam saber que Pernambuco é um celeiro cultural. O nosso Carnaval tem blocos, sim! Mas a festa de Momo nesta “terra dos altos coqueiros” tem muito mais – e diferentes – manifestações culturais e ritmos. Temos La Ursas, clubes, troças, caboclinhos, maracatus de baque virado e solto, tribos de índios, afoxés, ursos, bois, bonecos e escolas de samba, sem esquecer as tradições de muitas cidades do Interior, como os cavalos marinhos, papangus, caiporas, caretas, grupos de coco e de ciranda. Tudo isso é folia, ferve e se mistura no Carnaval... só não tem como virar apenas "blocos".

É um erro afirmar “o bloco” do Homem da Meia Noite, o “bloco” da Pitombeira dos Quatro Cantos ou o “bloco” da Burra do Rosário. São agremiações com características distintas. O Homem da Meia Noite é Clube de Boneco, a Pitombeira é troça e a Burra do Rosário é Clube de Frevo.

O bloco lírico é diferente: originário dos anos 1920, nos bairros centrais do Recife, o seu abre-alas é o flabelo (diferente de estandarte, utilizado por clubes e troças); as suas orquestras são de pau e corda e não de metais; tocam marchas e são acompanhados por corais de vozes femininas; desfilam com abajures, se organizam em alas, damas de frente e cordões.

Blocos são diferentes de clubes, muito mais antigos (surgiram nos anos finais do século XIX), e de troças (comumente nascidas a partir de uma história pitoresca ou de uma brincadeira entre amigos). Estas são agremiações mais simples, que desfilam durante o dia e se caracterizam pela irreverência e descontração. Até mesmo o horário de ir às ruas para alegrar o povo é um diferencial de cada um.

Vejam quantas diferenças! É preciso mostrá-las e nominá-las aos foliões-novos e, principalmente, aos turistas, para que não retornem aos seus locais de origem e espalhem por lá que as nossas manifestações e ritmos carnavalescos são apenas "blocos". Por favor, não deixem que o restante das nossas manifestações fiquem nas sombras e no anonimato.

Alexandre Acioli
Jornalista e folião nato, graduado nas ruas e ladeiras de Olinda (PE), e com mestrado profissional no Clube de Alegorias e Críticas O Homem da Meia Noite.
ALEXANDRE ACIOLI
Enviado por ALEXANDRE ACIOLI em 26/02/2014
Reeditado em 28/02/2014
Código do texto: T4706929
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2014. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ALEXANDRE ACIOLI
Recife - Pernambuco - Brasil
70 textos (89430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/06/19 17:24)