Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Livros Para Homens Livres



Havia na estante a coleção completa do Tesouro da Juventude a me olhar desafiadoramente, com o seu
Livro dos Porquês e suas folhas cheirosas e brilhantes. E o resumo de grandes obras literárias, iniciação juvenil, verdadeiras janelas abertas para o mundo. Lobato, o mágico, com a Gramática da Emília, Reinações de Narizinho, Os Doze Trabalhos de Hércules e a mitologia ao alcance de todos. Havia a coleção arrumada das Seleções até o último exemplar do mês e O Pequeno Príncipe, presenteado pelo professor de latim, quando fiquei encarcerado no quarto, por causa de uma hepatite devastadora.

Havia o rádio e os relógios decompostos, os quais eu jamais fizera funcionar novamente. E Stefan Zweig, falando de um país de um futuro que não chegava nunca, sepultado entre Fouché, Maria Antonieta, Maria Stuart, Caleidoscópios e Calvino.

Havia Huberto Rohden, com sua idealizada perspectiva de um cristianismo sem templos ou sacerdotes, e Goethe, naquela edição castelhana, com suas páginas finíssimas - presente de papai num seis de setembro inesquecível -, com o seu Werther, eternamente à procura do amor impossível. E a série inumerável dos livros do mês, os quais mamãe devorava avidamente, na fuga da rotina: Cronin, Amado, Clarice, Balzac, Victor Hugo, Humberto de Campos, Guimarães Rosa, bíblias desgastadas, e o missal que eu nunca li. E havia os dicionários, ah! os dicionários, uma vida e uma solidão naquelas estantes multicoloridas e promissoras, cânone familiar e singelo, garimpos de cultura.

Mas não havia a pessoa do Pessoa, e nem a Emily Dickinson, construtora de Naturezas, nem as flores de Baudelaire, e o sábio astrônomo de um americano chamado Walt Whitman, ou o Emerson, com a sua poesia filosófica, ou canto telúrico de Neruda. E não havia o Borges, com os seus espelhos e labirintos, e nem o argentino González Pecotche, com a sua Logosofia evolucionária e humana, construtora de culturas, ideais e destinos.

Havia ali uma promessa, plenitude e vazio; livros adormecidos, espaços a serem preenchidos, pensamentos e ideias enclausuradas em páginas comprimidas pelo esquecimento, à espera do toque mágico da mão curiosa, o olhar atento e inquiridor do aprendiz, que poderia libertá-los do silêncio e do sono, e torná-los, redivivos, fachos luminosos nestes obscuros caminhos criados pelo homem moderno.

Havia livros feitos por homens e para homens livres.

Nagib Anderáos Neto
www.nagibanderaos.com.br



Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 28/08/2015
Código do texto: T5362043
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
371 textos (94996 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/06/19 06:52)
Nagib Anderáos Neto