Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PALAVRA HOMÓFONA OU HOMÓGRAFA, NAS RIMAS?

Em Poética, particularmente na Poesia (que é a sua especificidade esteticamente mais apreciada) todo o conjunto textual é fundamentalmente assentado no ritmo, valendo-se de sons aliterados, assonâncias, e outros recursos. Um esforço intuitivo e de artesania, enfim, para que tudo fique redondinho quanto à sonoridade, soando e agradando aos ouvidos do poeta-autor e ao conjunto estético-sensitivo do poeta-leitor. No rigor técnico para efeito de andamento rítmico, não importa se a palavra em rimação – a que funciona para rimar – é homógrafa (mesma grafia), e sim o que consta como verdadeiramente importante é se o vocábulo tem o mesmo som, vale dizer, se é homófono. Afinal, a Poesia, originalmente, não nasceu para ser escrita e, sim, verbalizada. Por essa e outras razões é que os gregos não a grafavam, e, sim, cantavam-na em loas aos deuses, e deste singelo modo, louvavam a vida individual e em coletividade. Na Média Idade, surge o menestrel acompanhado (ou não) de um instrumento de cordas, cantando em rimas para fofocar a vida dos abastados nos castelos, especialmente através da figura do bobo-da-corte – o trovador medieval – que fazia versos contando o riso e a dor ao som do alaúde, o primitivo violão. Nas feiras de artesanato de todas espécies e estilos, em torno dos castelos medievais (que era o local onde circulava o dinheiro como moeda de compra e venda, bem como o escambo, a simples troca de objetos), o bardo medieval aprendeu que a arte poética dava algum dinheiro ao intérprete e desta sorte mitigou a (sua) fome, e sobreviveu honestamente cantando a desdita e o amor, já que a crítica aos da nobiliarquia resultava em prisão, desterro e até na condenação à morte do cantador que entrava em desgraça ante a nobiliarquia reinante em cada gueto territorial. Em regra, os cantadores eram homens do povo com facilidade de oratória, tudo assestado e assentado no ritmo da produção original da voz humana. A eterna arte “corria frouxa” nas camadas populares. Não foi certamente nos círculos de nobreza que nasceu o poema cantado pelos vates, e sim na arena pública proletária, protegidos pelos donos do poder de então, que passaram a ser conhecidos por "mecenas". Alguns até se galardoaram e sobressaíram na poesia culta dos saraus, nos recintos principescos, por gosto e gozo, mas não por ofício. E assim chegamos ao séc. XV, com Gutenberg, gravador e gráfico do Sacro Império Romano-Germânico, considerado o criador do processo de impressão com tipos móveis – a tipografia. É a partir daí, com a facilidade do registro lavrado da criatividade oral dos bardos em seus repentes satíricos ou a improvisação de raiz lírico-amorosa, que se foi popularizando a Poética, na velha Europa. Então, como querer sobrepor-se, na TROVA LITERÁRIA, em vez do som, a grafia do vocábulo? Negacear, negar, ou recepcionar, no nordeste brasileiro, a voz errada do povo e sua magia, como, por exemplo, a arte popular de Catulo da Paixão Cearense ou a de Patativa do Assaré, contemporâneos do século XX? Acatei a instigação sobre a temática dos bardos e sua oralidade, e a palavra fluiu fácil para a discussão neste século fluente de vocábulos presenciais e através da virtualidade, em todos os recantos do mundo, via computador, e a extraordinária condutora do Novo que a internet representa e testifica. O que, sem dúvida, é uma boa oportunidade para relembrar a história humana frente à palavra grávida de mistério e de metáforas, só para esconder esse próprio e peculiar mistério do homem frente a si próprio e seus estranhamentos.

– Do livro OFICINA DO VERSO – O Exercício do Sentir Poético, vol. 02, 2015/18.
https://www.recantodasletras.com.br/artigos-de-literatura/6279134
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 13/03/2018
Reeditado em 14/03/2018
Código do texto: T6279134
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
3221 textos (825436 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/18 07:34)
Joaquim Moncks