Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Entrevista Provisoria e o Tempo e Os Olhos Abertos

A hora nos convida para mais uma reflexão atenta acerca da vida polifônica do soberano Peca, a figura insegura e desequilibrada de Peca que conquistando uma onerosa atenção da imprensa.Nesse momento escrevo a décima oitava coluna sobre o soberano Peca em 'a entrevista provisória  e o tempo  e olhos abertos '

 Entretanto muitos jornalistas procuraram a  figura mas não alcançaram muito sucesso nesse empreendimento, em linhas bem detalhadas muito clara e esmiuçadas. A polifonia da vida  em termos gerais , essa divergência de opiniões chocam com essas meia-verdades.

Naturalmente essas meia-verdades abrem caminho para um jornalista um pouco mais ousado chamado Holofernes, em pouco tempo ; chegou em um outono bem frutífero e claro. Chegando num dromedário , um jornalista vestido ricamente  com um grau de exatidão.

Temerariamente , ele chegou num tempo cronológico e psicológico um pouco conflitante, um jornalista ficou meio desajeitado , com as claras eficientes respostas.

Realmente a figura de Holofernes de forma eficaz com muitas perguntas e desafios para o desajustado Peca em termos gerais  , Holofernes reconstrói uma ideia original de questionar  com perguntas   instigantes e alternativas nas respostas.

Exatamente agora surge a primeira grande pergunta de Holofernes para o desajustado, o jornalista ousado fala:- Qual a razão do soberania para você agora?

Visivelmente o desajustado Peca elementarmente providenciaram uma resposta também uniforme, e o soberano respondeu:- Holofernes é um perigo para nós diante de Deus desta forma , é muito arriscado  e perigoso.

Inicialmente surge um pensamento na cabeça do caro jornalista ' em razão de tremenda complexidade, ele usa um recurso para sair na tangente'. Assim uma visão conflitante reage a um fio de pensamento pessimista. Pairou um silêncio no ambiente capaz de ouvir uma sinfonia sombria parecida uma melodia digna de  Richard Wagner.

Simbolicamente era um enorme desafio elaborar perguntas para  os dois desajustados em uma pose bem colocada, no caso especial essas respostas detalhadas  em detalhes riquíssimos e inexatos.

Também Holofernes fez outras duas perguntas eficazes, a segunda: - Como vocês lidam com a posição nobre de sua tribo e a complexidade da função? e logo depois a terceira- Quem fez de você  soberano em termo geral?

Assim somente o soberano buscam dar uma resposta adequada  ao jornalista ousado e conflitante, ao entardecer daquele dia em suas tendas ricamente feitas sob medida , considerando que se tratando do soberano Peca.

Portanto o soberano Peca respondeu com certa ligeireza na oratória:- Bem nós em hipótese alguma escolhemos esse cargo funcional, optamos por aceitar , na medida que nosso pai nos pediu. Ironicamente nem tudo era tão fácil de forma fabulosa como você prescreve em sua matéria.

Raramente um jornalista fica sem resposta, Holofernes nada pode oferecer em contraponto, nessa clássica entrevista, algumas coisas saíram fora do script.

O jornalista ficou sem palavras para lavrar em sua matéria, ficou muito pensativo. O mesmo optou por não atacar de frente  em suas perguntas bem oportunas que ao tempo certo surtiriam efeito.

Variando seus métodos de forma extrema, ele quer de toda forma resgatar a ideia original de verdade ou meia-verdades  e até meso mentiras bem tracejadas em linhas tênues e complexas do soberano desajustado Peca.

Inicialmente a variação  sugeriu uma postura adequada a este tipo de desafio,semelhante a uma mudança radical como a realizada em certas músicas ou sinfonias.

Somente o jornalista define as ideias originais a trabalhar com os dois desajustados, bem ele imaginava assim.

O momento favorecia um novo olhar sobre os possíveis eventos que viriam acontecer, ele parecia despreparado mediante as perguntas anteriores.

Realmente , o jornalista Holofernes fez uma pergunta certeira para o  desajustado Peca, a pergunta foi essa:- Qual a razão de você morrer? Você pode me explicar isso em detalhes esse evento.

Inicialmente, mas o ousado soberano Peca resolveu essa dura parada, respondeu á altura:- A Santidade de Deus não pode ser ferida por ações hipócritas ou irresponsáveis e inseguras  advindas de nossas pessoas, tais ações sugeriram uma forma de punição mais conveniente.

Assim o desafio  estava apenas começando, o desajustado soberano Peca tentou de alguma forma resolver seus dilemas particulares em forma conflitante e hesitante. O jornalista se foi para seu lugar em um outro caminho frio e sombrio.

E as muitas dúvidas existenciais prevalecentes em sua vida cheia de polifonia musical surgia uma nova mentalidade existente somente entre os membros da Corte.

O momento exige do rei Peca e  também dimensiona  as realidades conectadas a todos acontecimentos necessários a riquíssimo repertório de experiências acumuladas naturais.

Timidamente o nome indica muitas interpretações coerentes e concernentes a sua polifônica vida como um pessoa bem ocupada com os problemas externos e extremos do viver.

E a quantidade de tempo o qual passou governando pode indicar caminho a um repertório nobre e adequado a sua necessidade como um governante.

Mediante a nobre necessidade de dar uma forma de continuidade a um longa e nobre dinastia com doses de humor e sabedoria também com a necessidade de governar de acordo com seus interesses.

Portanto a visão do soberano Peca é estratégica e sólida , em primeira mão é ampliar as alianças e dimensionar os caminhos possíveis  de uma compreensível e fácil leitura e de boa interpretação.

O jovem Peca  também descobre basicamente que o poder em sua essência somente é uma forma de lidar com as demandas ainda escondidas no meio do povo.

E as explicações oferecidas pelo soberano Peca são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas.E as muitas dúvidas existenciais prevalecentes em sua vida cheia de polifonia musical surgia uma nova mentalidade existente somente entre os membros da Corte.

O momento nos convida a  continuidade a série " Vilões da Bíblia " e a subcategoria " soberanos rebeldes ", nesse momento escrevendo  a décima sétima coluna sobre  o monarca Peca  em  'os olhos abertos e o reino  e  justiça'.

Sinuosamente escrever um fio biográfico é um desafio enorme  para quem redige em estruturas nominais , um ensaísta definiu todos somente os desafios de sua escrita.

O soberano Peca ouviu as reclamações advindas dos negociantes que assim poderiam escolher vender outras mercadorias bem necessárias onde poderia vender com alto valor.

Legalmente o soberano Peca usa a harpa como forma de alongamento mental e de autoconhecimento particular e exato nas devidas proporções , bem um músico também é um sonhador dizia o músico espanhol Javier Ruibal com extrema razão e mentalidade das eras.

Havia um pensamento norteador existente e também ampliada naquela forma de cultura advinda de uma tradição ou forma de pensamento bem declinante.

O soberano Peca associou seu nítido conhecimento a musicalidade da existência , o  músico Javier Ruibal tem poucas opções usa aquilo pelo qual deseja com fluidez salvar ou oferecer uma lúcida redenção a um povo que esqueceu algo que lhe valia muito.

Significar traduz como um entendimento profundo sobre o nome de uma  pessoa em questão de forma mais cabal possível, cada realidade revela uma realidade conectada aquele ponto de vista , categoricamente  introduz   uma mentalidade real.

Ato após ato deve ser considerado desse sujeito configura uma consolação á compreensão do intérprete no caso o biógrafo que observa tudo de forma privilegiada.

Basicamente o soberano Peca relembrou de todas as formas de mensagens existentes e esclarecedoras de certos eventos em sua longa vida cheia de polifonia e policromia.

E cada realidade evocada espelha uma realidade com luz antiga ou com luz nova, ser soberano é registrar e guardar essas realidades no coração e na mente.

Realmente cada forma de lembrança forjada e episódica amplia a conexão com seu amplo passado e com amplo presente e com doses de um futuro possível.

Temerariamente o soberano dedicou assim um tempo para os desafios concretos da existência como uma partitura musical onde as notas obedecem uma sequência.

O momento convida o monarca retrata um passado em sua vida em prol de um presente possível,  ressurge assim com uma mensagem os enormes riscos de um cativeiro ainda não planejado para o futuro de uma nação em enormes conflitos entre a atualidade e a tradição envolvente advinda do passado.

Sinuosamente escrever um fio biográfico é um desafio enorme  para quem redige em estruturas nominais , um ensaísta definiu todos somente os desafios de sua escrita.
JessePensador
Enviado por JessePensador em 14/11/2019
Reeditado em 15/11/2019
Código do texto: T6795051
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 35 anos
899 textos (8715 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/19 03:12)