Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Esquecimento e o Trono

O momento nos convida  a série " Vilões da Bíblia " e dando continuidade a subcategoria " soberanos rebeldes ", nesse momento escrevo a   décima nona coluna sobre o soberano Oséias em 'o esquecimento e o trono'.

E entre ouvir e narrar adequadamente prefiro sempre narrar como condição de uma existência potencializada por obras de Arte que celebrem a vida e suas polifonias.

Sinuosamente  o soberano Oséias nunca entrou em escolinha ou algo do tipo, bem que conhece a cidade de Samaria e seus muitos meandros.

Quando Knausgard escreve  uma verdadeira epopeia da banalidade, um romance que parte da matéria biográfica do próprio escritor e espalha sua narrativa por 3,5 mil páginas em que nada de muito maior acontece a não ser as fraquezas e incertezas de um homem comum e brutalmente honesto no striptease de seus defeitos.

Usualmente essa escrita tange o aspecto nominalmente confessional, e em nossa exposição o soberano alcança um lugar especial conforme as muitas lembranças ou pensamentos sobre da polifonia da vida.

Essencialmente  na construção simbólica do museu imaginário a percepção traduzida em dúvidas e incertezas existenciais que permanecem no mundo das lembranças. O museu imaginário pronto começa uma exposição de abertura com as  peças extraordinárias.

Categoricamente o ensaísta recorre também a um conjunto ínfimo de lembranças que insistem em retornar em busca de acenar verdades estilhaçadas ao vento, tal ensaísta como um rouxinol feliz canta sua doce canção.

Inicialmente o escritor norueguês insiste em revelar todos os detalhes da vida cotidiana em sua exaltada série ' Minha Luta '. Mesmo assim. Contar a intimidade de sua família não pegou bem. No entanto, como todo livro polêmico, a obra virou best-seller na Noruega. Knausgard não assistiu a essa reação toda. Enquanto escrevia, não leu as resenhas, não viu televisão. "Estava tentando me proteger ".

Monumentalmente o soberano Oséias também tentou ser no mínimo a esquecida numa esquema chamado recorte da memória onde ele não poderia estar.

Essencialmente  na construção simbólica do museu imaginário a percepção traduzida em dúvidas e incertezas existenciais que permanecem no mundo das lembranças. O museu imaginário pronto começa uma exposição de abertura com as  peças extraordinárias.

Naturalmente ele ressalta sempre nesse rememorar  que por razões de trabalho,  o soberano Oséias que ele como um narrador não a representa , ele muda a performance da atuação, altera partes importantes de sua narrativa.

Temerariamente a voz narrativa tende a recriar um tipo de ambiente comum e natural , a figura ilustre da Casa Real.  O  soberano  Oséias certa forma opta por ficar cercado pelo torpe esquecimento das pessoas e da nobreza quando estava no palácio em sua terra natal , uma opção estranha ou bem aventurada infelicidade.

O canto possui uma sonoridade digna de uma Quinta Sinfonia de Beethoven segue uma sonora existência sem parecer uma polifonia concretista ou um uma pintura impressionista realizada por Van Gogh em sua estada na França.

E seu longo aprendizado no campo de batalha renasce em sua lembrança sofisticada , como diz o bom Ondjaki, ' o passado sempre volta', porém para a figura de Oséias recriou uma nova mentalidade cultural e social.

E seu longo aprendizado no campo de batalha renasce em sua lembrança sofisticada , como diz o bom Ondjaki, ' o passado sempre volta', porém para a figura de Oséias recriou uma nova mentalidade cultural e social.

O momento convida o monarca retrata um passado em sua vida em prol de um presente possível,  ressurge assim com uma mensagem os enormes riscos de um cativeiro ainda não planejado para o futuro de uma nação em enormes conflitos entre a atualidade e a tradição envolvente advinda do passado.

Temerariamente o soberano dedicou assim um tempo para os desafios concretos da existência como uma partitura musical onde as notas obedecem uma sequência.

Realmente ser um soberano agregava um conjunto de dúvidas existenciais a pessoa que vinha exercer a função em questão, como no caso unir interesses particulares e visões de mundo.

O momento pedia boas caminhadas possíveis para um soberano como Oséias agisse de acordo suas necessidades num longo processo de construção e imaginação pessoal.

Naturalmente as explicações oferecidas pelo soberano Oséias são de fato inadequadas interpretações  ao contexto que estavam assim inseridas como forma de opinião disfarçadas.

O momento exige do rei Oséias e  também dimensiona  as realidades conectadas a todos acontecimentos necessários a riquíssimo repertório de experiências acumuladas naturais.
JessePensador
Enviado por JessePensador em 23/11/2019
Código do texto: T6802124
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
JessePensador
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 35 anos
1012 textos (9718 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/20 11:57)