Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

11 DE SETEMBRO, TODAS AS PALAVRAS



                        11 DE SETEMBRO, TODAS AS PALAVRAS

                             Maria Teoro Ângelo

     Todas as palavras foram ditas sobre o atentado terrorista contra os Estados Unidos. Falou-se sobre a violência, sobre a angústia diante da morte, sobre o perigo de toda espécie de radicalismo, sobre o fanatismo religioso, sobre a insegurança do mundo e uma possível guerra nuclear.
     Todas as palavras foram gastas nos jornais, nas revistas, no rádio, na televisão, na internet sobre a fortaleza norte-americana, agora tida e vista como vulnerável, atingível, tocada e destruída. E o perigo da guerra biológica e as previsões de Nostradamus e a cultura violenta que os americanos exportam para o mundo através dos filmes e dos jogos de computador.
     Todas as palavras para reviver o grito dos inocentes através dos celulares, das janelas em fogo, despencando para a fuga , soterrados pelo colosso em chamas, encarando a face da morte sem perdão que avançou sobre eles com suas garras ígneas e ferozes.
     Todas as palavras ocuparam todos os espaços: as igrejas, as escolas, os bares, o trabalho, as esquinas como reflexão sobre o fato que nos pegou de surpresa naquela manhã de setembro. As consequências econômicas no mundo, este mesmo mundo que agora é alvo potencial de qualquer coisa semelhante ao horror que vimos e revimos tantas vezes.
     Todas as palavras foram usadas para lembrar Davi e Golias, a prepotência americana e a ironia do ataque iniciado com facas de cozinha. A possível volta do macarthismo que caçará ,desta vez, não os amigos do comunismo, mas os simpatizantes do mundo árabe e da religião islâmica.
     Todas as palavras foram proferidas, num primeiro momento, para conter ou suscitar a sede de vingança contra o inimigo invisível, suposto, suspeito, que não se define em fronteiras geográficas, mas é formado por minorias suicidas, bombas humanas espalhadas por todos os cantos. Depois a guerra declarada ao Afeganistão, a caça ao mentor, sua captura e morte e a insegurança pela certeza de que outros suspeitos também invisíveis continuam andando por aí.
    Todas as palavras para lembrar Hiroshima e Nagasaki e todas as guerras  e todas as barbáries cometidas desde que o mundo é mundo. O teocentrismo,  pensamento medieval que ainda existe, o horror à modernidade, o jeito de pensar que choca o ocidente, o direito de matar em nome de um deus, as cenas que não queríamos ver e vimos e revimos e revimos.
   Todas as palavras foram gritadas querendo a reparação do mal. As pessoas assumindo posições críticas ou depondo como testemunhas oculares do acontecimento. Lembrou-
-se de Jonathan Swift, escritor inglês, que odiava a humanidade como um todo e que tão bem soube ironizá-la em “As Viagens de Gulliver” onde mostra as tolices que desencadeiam uma guerra. Falou-se sobre o interesse econômico por trás dos conflitos, a vingança dos humilhados. Falou-se sobre o certo e o errado, o bem e o mal.
   Todas as palavras deverão continuar a serem ditas para mostrar que a morte de seres humanos não justifica nenhuma causa, seja de que lado for. Todas as palavras para evitar o preconceito que pode advir cada vez mais forte e cruel contra os estrangeiros e contra as religiões.
   Todas as palavras deverão ser pronunciadas pelos líderes mundiais para proclamar a paz. Todas as palavras para que se formem modelos mais efetivos na cabeça das crianças. Todas as palavras para que a luta pela preservação do planeta não seja um paradoxo diante da luta para destruí-lo. Que os homens vivam como irmãos. Que Deus é um só e a Terra é o único lugar que temos para viver. Que sobre um povo, uma cultura, uma religião não pese a responsabilidade pela ação de alguns de seus integrantes.
    Que todas as palavras sirvam para melhorar o mundo, que não nos calemos diante da injustiça e da violência, atributos inerentes aos seres humanos e que levam a toda sorte de desgraças.
Nota do autor: ( Texto publicado em 01 de outubro de 2001 e revisado em 11 de setembro de 2011)
   
Lillyangel
Enviado por Lillyangel em 12/09/2011
Código do texto: T3214382
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre a autora
Lillyangel
Ituverava - São Paulo - Brasil
84 textos (10788 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 14/05/21 23:41)
Lillyangel