Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OU ISTO OU AQUILO – QUEM VOCÊ ESCOLHE PARA SER O NOVO PRESIDENTE DO BRASIL? Cecília Meireles e a Política no Brasil

OU ISTO OU AQUILO – QUEM VOCÊ ESCOLHE PARA SER O NOVO PRESIDENTE DO BRASIL?
Cecília Meireles e a Política no Brasil


Se há algo em falta nas Eleições de 2018, mas que é muito importante, é a Poesia. Não há poesia no sisudo Bolsonaro; não há poesia no falso Haddad. Você pode ter um bom faro e até acionar o radar, mas a busca será inócua: poesia não haverá!
Lembrei-me da clássica poesia de Cecília Meireles. Poesia e poeta que fizeram parte de minha formação escolar na infância: OU ISTO OU AQUILO. Uma digressão: Hoje, poesias e poetas, ainda frequentam os livros didáticos? Ou este espaço foi substituído por genitálias e outras armas?
Voltando à nossa reflexão, estamos no Brasil do Ou Isto ou Aquilo. Nunca se viu a nação tão partida, tão dividida. Esta polarização excludente faz com que todos nos emburreçamos um pouco. E, o que é pior: transformemos amigos e irmãos, em inimigos.
Só o fato de chegarmos a este ponto, de ter que escolher entre dois polos excludentes, já deveria fazer-nos ligar o alerta. E este alerta deveria fazer-nos concluir que alguma coisa não está legal, não está bem. E isto está assim por obra e consequência de alguém, de algo, de algum malfeito, de alguma instituição, sistema, ideologia ou quejandos que se estabeleceu no “antes”.
Tudo tem suas premissas, seus pressupostos, suas bases. A raiz do desastre brasileiro na economia, na educação e no desenvolvimento está mais evidente do que se possa supor. Mas, partidarismos cegam! A nação está cega para o que ocorre ao seu redor.
Além disso, o fato de termos que nos render “ao menos pior” torna um tanto ridícula (embora, ainda assim necessária) a participação política destes tempos. De há muito sabíamos que era necessário participar. Ser omisso – não votando ou votando nulo ou branco – é fazer coro com os que não se importam com os rumos do país. Como se fosse possível viver bem, sem um bom sistema político e pessoas de bem no poder...
A poesia de Cecília Meireles estabelece, em primeiro momento, uma constatação de que não dá para fazer certas coisas ao mesmo tempo; de que a existência de algo significa, muitas vezes, a eliminação do seu contrário. E, em muitos casos, se fará necessário fazer uma escolha:


Ou se tem chuva e não se tem sol
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
quem fica no chão não sobe nos ares.


Refletindo sobre o atual momento político brasileiro percebemos que os cidadãos não estão necessariamente votando num determinado candidato, mas na ideologia que ele representa e, mais sério ainda: não estão votando no candidato, mas contra seu opositor. Ou seja: a política brasileira está paupérrima!
Parafraseando nossa Cecília, de saudosa memória e verve exemplar, poder-se-ía dizer:

Ou se tem Bolsonaro e não se tem Haddad
ou se tem Haddad e não se tem Bolsonaro!

Ou se calça a luva do verde a amarelo
e não se põe o anel do vermelho,
ou se põe o anel do vermelho
e não se calça a luva do verde a amarelo!

Quem sobe nos ares da democracia
não fica no chão da ditadura,
quem fica no chão da ditadura
não sobe nos ares da democracia.



Escolher um Presidente e saber que no dia seguinte metade do povo brasileiro vai estar chorando é algo cruel. Não se pode estar confortável numa situação dessas. Não há o que comemorar num quadro como esse.
Esses políticos desgraçados transformaram a política brasileira num verdadeiro FLA X FLU, em que é impossível dar empate. E poucos percebem que os que provocaram tal estado de coisas, estão pouco se lixando para o povo. O povo está sendo usado como massa de manobras, e não se dá conta de que se tornou bucha de canhão dos que ocupam o poder.
Se o poder é do povo e dele emana, brasileiras e brasileiros, é hora de assumirmos o controle do país. Parte disso começou a acontecer nas eleições proporcionais que acabamos de viver no último dia 07/10/2018. Precisamos continuar nesta empreitada em prol da Democracia plena.
Mas, outra questão deve estar bem clara em nossas mentes. A ditadura não é privilégio da direita. Às esquerdas são mestres em implantar a ditadura também. E, não tente classificar uma como pior do que a outra: ambas são horrendas e nefandas. Basta olhar para Hitler e Lênin, Alemanha e Rússia, e ver isso.
Estas opções diacrônicas da política brasileira, quando se percebe que há um conjunto de fenômenos sociais e culturais que se desenvolveram nos últimos anos e desembocaram numa política mal resolvida, num mal-estar generalizado, faz surgir novamente líderes messiânicos que se apresentam como “salvadores da pátria”, e reeditam distorções que outrora já nos foram caras.
Interessante notar que existe um sentido pejorativo do pronome demonstrativo “aquilo” quando utilizado para pessoa. Esse sentido depreciativo aparece, por exemplo, no seguinte caso: “por favor, aquilo não pode ser chamado de pai!” Utiliza-se o “aquilo” no lugar de “aquela pessoa”.
A pergunta então é: quem é o “aquilo” da política brasileira? Já que estamos numa campanha polarizada em que as escolhas se afunilaram e temos que escolher entre o “isto” ou o “aquilo. Quem for, será o maior contribuinte para a falta de poesia. Óbvio que para os eleitores de Bolsonaro, é o Haddad; e para os eleitores de Haddad, é o Bolsonaro.
Em tempos tão midiáticos, os políticos utilizam-se fartamente das redes sociais para divulgar suas ideias, principalmente quando não tem tempo razoável de tevê. Como nem sempre esta aparição é positiva (e os medidores de citação estão funcionando à mil), são utilizadas, por adversários e por correligionários, alcunhas, para referir-se ao seu candidato ou para o candidato adversário.
Dezenas de alcunhas circulam nas redes sociais e Bolsonaro é, de longe, o campeão. É assim que, Bolsonaro vira “o mito”, “bozonaro”, “capitão”; Lula vira “molusco” “#LulaLadrão”; Haddad se transforma no “capiroto”, “Fernando Andrade”, “Prefeitão”; para nos atermos a estes personagens ainda em evidência.
No intermédio de sua poesia, Cecília Meireles, como que num tom de desabafo e lamento, se expressa:

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

E, aqui, para mim, está o nó górdio da política brasileira atual: significativa parte dos cidadãos são empurrados para dois extremos que não os representam, nem os satisfazem. É claro que temos uma parcela de vermelhos que se enquadram muito bem nos ideais petistas e, também, uma parcela de fascistas que encontraram em Bolsonaro um aliado de última hora, mesmo que ainda não se saiba se o capitão terá coragem de dar o autogolpe como já propalado.
Eu, particularmente pactuo com ideais expressos pelos dois segmentos. Mas, a política brasileira se endureceu e longe está de demonstrar qualquer ternura. Como também rechaço programas, ideias e tendências em ambos os movimentos políticos, expressos nos candidatos que avançaram para o segundo turno. E quando percebo isso, faço coro com Cecília: “É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo em dois lugares!” E com isto, estou dizendo que o Brasil precisa urgentemente de uma terceira via política, que fuja dos fanatismos reinantes em nossos dias e agregue valores sociais, políticos, culturais que foram incorporados ao Brasil neste alvorecer do Século XXI.
Só para exemplificar, sou simpático aos valores da família defendidos por Bolsonaro; ao empreendedorismo e livre iniciativa de seu programa; ao investimento em segurança; à criminalização dos bandidos; à uma educação desatrelada da ideologia de gênero; à liberdade de imprensa; à prática política sem o fisiologismo atual; dentre outros.
Quanto às defesas da esquerda brasileira, sou à favor da inclusão; do livre acesso à informação; da taxação das grandes riquezas; da redistribuição de renda; de programas que incentivem a ascensão social e que minimizem e, se possível, eliminem os disparates, as desigualdades; dentre outros.
Devo salientar todavia, que tais programas e benefícios elencados no parágrafo anterior fazem parte de programas de esquerda, mas, nem sempre são aplicados, ou são aplicados para iludir, para preparar o território para se chegar ao poder, onde uma elite vive nababescamente na igualdade da luxúria, enquanto o povo vive sofridamente a igualdade da miséria.
Recomento ao leitor, se ainda não o fez, a leitura do instigante livro de George Orwell, “A Revolução dos Bichos”. Trata-se de uma fábula moderna que nos ajuda a identificar líderes déspotas e regimes opressores, que operam através de técnicas de alienação e manipulação psicológica da população. Um livro sobre porcos disfarçados de homens.
No âmbito de Bolsonaro e Cia sou contra a toda e qualquer ditadura. No âmbito de Haddad e das esquerdas sou contra a toda e qualquer ditadura, também.
Ainda em relação à Bolsonaro, não concordo com o uso da força e da violência para coibir a criminalidade, embora entenda que um indivíduo que se aventure a portar uma arma para praticar o crime deva estar muito consciente das consequências que possam advir.
Ainda em relação ao Haddad, em particular, e ao petismo, de forma geral, discordo veementemente, da corrupção sistêmica que se tornou metodológica para a implantação de suas ideias; da cartilha trotskista de tomada de poder à qualquer custo; da doutrinação sem vergonha feita descaradamente nos segmentos menos privilegiados que se iludem com migalhas, quando na verdade são simples e imbecis marionetes em suas mãos; do aparelhamento das repartições públicas para o exercício de influência nos mais diversos escaninhos da sociedade; do uso contínuo da mentira como estratégia para promover confusão e tornar verdade o que não é, seguindo o mentor-mor, Lula, de quem sabemos ser ele filho, tornando-se assim, Haddad e todos os petistas seguidores dessa metodologia diabólica, irmãos, filhos do mesmo pai; do enriquecimento ilícito que alcançaram, locupletando-se da coisa pública; da contaminação do governo com a sociedade pelo viés dos conchavos de gabinete; da forma como “empoderou” a nação brasileira, principalmente os menos favorecidos, criando um clima unilateral de lutas por direitos sem a contrapartida do cumprimento dos deveres, que levou à manifestações imorais, à aberrações contrárias a qualquer princípio de boa convivência social, com manifestações públicas onde a falta de decoro, o desrespeito ao próximo e a valorização do comportamento desviante;  dentre outras coisas muito graves.
Saliento, principalmente para os adeptos de argumentos rasos, que não vou entrar na discussão da pessoa dos candidatos, nem agora nem em outro momento. Existe uma prática comum de se abandonar a discussão das ideias para atacar a pessoa. Não vou entrar nesse terreno pantanoso. Se este ou aquele candidato é isto ou aquilo é problema dele. Em comum, infelizmente, para mim que sou cristão e prezo pelos valores do caráter e da moralidade cristã, o fato de a maioria dos políticos neste país possuir senões que os comprometem. Questões morais, espirituais, relacionais, de ética etc. Então, entrar nesta discussão é inviabilizar o debate político sério, edificante, producente.
Voltando à poesia de Cecília Meireles, no bloco seguinte ela, de novo, apresenta questões que demandam escolha:

Ou guardo o dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e gasto o dinheiro.
 
De volta ao debate, a questão da insegurança de se ter que fazer escolhas que eliminam possibilidades. “Quem poupa tem!”, diz o adágio popular. Mas na hora de comer um docinho, mesmo com o fantasma da diabetes rondando, muitos não resistem. Como eu também não resisto à esta paráfrase:

Ou guardo o dinheiro e não compro os votos,
ou compro os votos e gasto o dinheiro.

A Lava-Jato, Operação da Polícia Federal iniciada à partir de denúncias sobre lavagem de dinheiro, se tornou a maior investigação sobre corrupção e lavagem de dinheiro no Brasil.
No início, foram descobertas as ações de doleiros na prática de lavagem de dinheiro. O mais famoso deles, Alberto Youssef. Em seguida, foram apresentados seus desdobramentos, que incluíam empreiteiras, funcionários da Petrobrás, operadores financeiros e agentes políticos. Três partidos estavam na linha de frente dessa máquina corrupta de fazer dinheiro: PT, PMDB e PP.
Está aí a explicação da hegemonia política do PT no país, com quatro eleições seguidas para Presidente do Brasil. Não se muda a política se não for vencida a corrupção. Por isso o Brasil muito deve, em honra e respeitabilidade, a homens da envergadura de um Sérgio Moro e um Deltan Dallagnol.
Diga-se de passagem, porém, que nem todo dinheiro oriundo da corrupção é gasto para se perpetuar no poder. A prática do uso de laranjas; de transferir patrimônio, como imóveis por exemplo, para o nome de familiares; de se ter contas em paraísos fiscais; do uso de empresas offshore, abertas em territórios onde há menor tributação, para lavagem de dinheiro e esconder os reais proprietários, dentre outras, revela isso. Em tempo: há também quem invista em compra abusiva de joias da H. Stern...
Esse tempo, de uma política do “Ou isto ou Aquilo”, é bestializante. Compromete a dignidade humana, as escolhas sensatas, a busca de soluções mais condizentes com as necessidades prementes. Temos que nos contentar com o “menos pior” ou nos submetermos a assinar um “cheque em branco” e torcer para que o receptor não seja abusivo em relação à nossa generosidade de ocasião. O Brasil merecia coisa melhor! Mas, não dá para assistir o país se desintegrando no fogo da imbecilidade (ou vamos ter que continuar fazendo saudações à mandioca e ensacando vento para guardar energia?) lamentavelmente exemplificado na “fuligenização”(desculpem-me o neologismo) do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista (Rio de Janeiro, RJ) instalado no Palácio de São Cristóvão.
Voltemos à poesia em destaque, já que o Brasil está pouco poético nestes tempos. Cecília assim descreve em seu verso seguinte:

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo . . .
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Realmente vivemos assim. A gente vive escolhendo o dia todo e todo dia. A vida é feita de escolhas. O que somos hoje é decorrente das escolhas do passado. O que seremos amanhã, como pessoas e como nação, dependerá das escolhas que fizermos hoje. Nem sempre temos as opções que gostaríamos. Mas, não podemos nos omitir. Caso contrário, corremos sérios riscos de ver o país entrando numa rota de colisão com o seu povo.
Na política, existem cidadãos posicionados convictamente em campos diferentes da onda ideológica. Mas há, também, os eleitores de última hora. Há os apoiamentos dos candidatos derrotados e, também, dos partidos que não seguiram em campanha própria. Sabe-se lá se isso funciona e como funciona, mas acontece! Tanto existe um movimento de última hora, que ninguém, em nenhum momento, poderia imaginar que o ex-juiz federal, Wilson Witzel (PSC) fosse para o segundo turno e chegasse com grandes chances de vencer.

Ou Bolsonaro ou Haddad: ou Bolsonaro ou Haddad. . .
e vivo escolhendo a campanha inteira!

A situação está tão crítica que tem levado pessoas e instituições a se posicionarem de forma imprópria. Percebe-se um certo desespero no fazer política e viver política no Brasil hoje.
É o caso de igrejas e templos sendo utilizados para prática política inconsequente e injustificável diante dos valores cristãos.
É o caso de Luciano Hang, dono da Havan, uma rede de lojas, que pressionou seus funcionários a votar no candidato do PSL, Jair Bolsonaro, para não correrem o risco de serem demitidos em caso de vitória de Haddad, por ter que fechar lojas.
Temos sabido de violências praticadas de ambos os lados nos embates de rua da campanha e muito mais.
Ou seja, em passado recente engendrou-se uma metodologia de arrasa quarteirão, em que se faz necessário desconstruir pra se reinar no caos imperante.
Cecília Meireles exacerbou a indecisão reinante em seu mundo interior, mas, também no país da sua época, no verso:

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.

Vivemos dias difíceis e já não se sabe se vale a pena fazer isto ou aquilo.
Se uma criança brasileira não precisa estudar pra ser Presidente da República, jogador de futebol, ou übermodel, onde vamos parar? E muitos brasileiros estão buscando o caminho mais fácil para o enriquecimento. É só checar o quantitativo de meninos e meninas aliciados anualmente pelo tráfico nas comunidades brasileiras...
Aí, então, ficamos meio que assim, como se pronunciou Cecília: “Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranquilo.” E o verso dela diz tudo sobre a realidade brasileira de hoje, mas, vamos ir um pouco mais além...

Não sei se voto, não sei se anulo,
se me posiciono ou fico em cima do muro.

O fato é que os dias são maus. E isto é bíblico. Mas nenhuma sazonalidade pode me levar à inatividade. O amanhã não nos pertence. Só a Deus! Então não podemos ficar de braços cruzados à espera de um milagre ou pregando um neossebastianismo, reeditando a crença da volta de algo que nunca mais será como dantes, pois o mundo mudou, vivemos outros tempos e outras eras.
Estou, como finaliza sua poesia, a poeta:

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Em linguagem mais explícita:

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é Bolsonaro ou Haddad.

Pra ser bem sincero: nenhum dos dois me representa. Como já disse, há pontos favoráveis e desfavoráveis em cada um. Não gostaria de estar vivendo este momento: de ter que escolher o “menos pior”, mas, sem alternativas, terei que fazê-lo. Que Deus ilumine cada brasileiro e que façamos a escolha que representará uma luz na escuridão!

Josué Ebenézer
Nova Friburgo, 12 de outubro de 2018.
(07:37:17)
Jess
Enviado por Jess em 12/10/2018
Código do texto: T6474020
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de Josué Ebenézer e o sítio Recanto das Letras). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jess
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
169 textos (17861 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/11/19 05:12)
Jess