Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mentalidade esquerdista

Os esquerdistas são fanáticos. Lutam para implementar um sistema de governo totalitário inspirado nos ideais comunistas (mas jamais reconhecem o legado comunista que os inspiram e os norteiam; se o fizessem, teriam de se explicar ao público porque se inspiram no comunismo, e para tanto teriam de, se desdobrando, inventarem mentiras, correndo o risco de se contradizerem se cobrados por pessoas insugestionáveis, insubmissas, dotadas de senso crítico e bom-senso). Defendem uma ideologia igualitária totalitária. São incapazes de ver o mundo real, de conhecê-lo, de estudá-lo, de compreendê-lo. Querem transformá-lo. Vêem o mundo que a ideologia lhes mostra, um mundo fictício, concebido pela sua perturbação mental, que lhe revela um mundo compartimentalizado em classes, que, desde a criação do universo, se agridem mutuamente, e não vêem o mundo real. Revestem a sua noção de realidade, falsa, distorcida, com palavreado intelectualóide, que nem mesmo eles, se cobrados a respeito do que dizem, seriam capazes de explicar, pois não têm consciência do que eles mesmo dizem, e tampouco percebem que o que dizem não diz respeito à realidade do mundo em que vivem; o que do mundo dizem é apenas o que dizem do mundo, não havendo nenhum contato entre o mundo real e o que eles vêem, de tão imersos estão em seu próprio mundo fictício, engendrado pela sua mente doentia, produto de algum distúrbio mental, que os fazem incapazes de lhes revelar o mundo real, o qual não conhecem, e não podem conhecer; e os aspectos dele quando alguém lhos revela eles os acolhem como anomalias, que os ameaçam em sua segurança, a qual conceberam, em imaginação, para o seu mundo fictício, mundo este que só existe na cabeça deles, mundo que podem moldar como bem o desejarem. O mundo real põe os esquerdistas inseguros, e nele eles sentem-se ameaçados, daí o desejo deles de promoverem uma revolução, para a consecução da transformação do mundo real no mundo da imaginação deles, doentia, inspirada pela ideologia comunista. Mas como irão transformar o mundo, se não o conhecem, e tampouco desejam conhecê-lo? Não sei se é correto dizer que os esquerdistas não desejam conhecer o mundo real. Ao dizer isso, dou a entender que eles têm consciência de que a concepção que fazem do mundo é fictícia e que existe um mundo real para se conhecer, mundo este cuja existência negam; eles já deram provas de que o mundo que concebem em imaginação é o mundo que acreditam se tratar do mundo real, portanto, não podem conceber a hipótese de desejar conhecer o mundo real, pois o mundo real, segundo eles, é aquele que a imaginação deles, doentia, concebeu como real; tenho a obrigação, portanto, de concluir que eles, segundo eles, já conhecem o mundo real (que é o mundo fictício por eles concebido), e não mentem, como muita gente presume, quando dizem que acreditam na existência do mundo fictício (que tomam como real) engendrado pela mente deles, perturbada; acreditam, piamente, que conhecem o mundo real; não conseguem conceber outro mundo além daquele que, inspirados pela ideologia socialista, sua imaginação doentia lhes revela. Perderam a capacidade de perceberem o mundo real, ou com tal capacidade não nasceram. E só há dois meios de se salvar os esquerdistas, restituindo-lhes a consciência do mundo real: Submetendo-os à lobotomia, nos casos mais simples, recuperáveis; e, nos casos mais extremos, extraindo-lhes o cérebro necrosado e substituindo-lhos por um cérebro saudável, forte, que resista ao canto das sereias da ideologia comunista.
Ilustre Desconhecido
Enviado por Ilustre Desconhecido em 06/05/2019
Reeditado em 07/05/2019
Código do texto: T6640123
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Ilustre Desconhecido
Pindamonhangaba - São Paulo - Brasil
633 textos (9077 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/19 11:25)