Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ARGUMENTOS CONTRA A INSPIRAÇÃO DIVINA DA BÍBLIA - 5º Profecias falhas

Muitos acreditam que as profecias seriam a prova inconteste de que a Bíblia tem a assinatura de Deus. No entanto, segundo os críticos, é uma forma de enganar os fiéis, porque ao lermos a Bíblia, vemos que nenhuma se realizou. Primeiro, vamos nos deter nas profecias sobre Jesus.

Todo exegeta sabe que só é possível entender um texto se conhecermos o seu contexto, isto é, se conhecemos as circunstâncias que envolvem esse texto. O mesmo critério se aplica a uma profecia.

Vamos tomar a mais famosa profecia sobre Jesus: do nascimento através de uma virgem. Cristãos costumam recorrer a Isaías 7,14 para mostrar que o nascimento de Jesus de uma virgem foi profetizado muitos séculos antes dele vir ao mundo: “Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus conosco.”(na Bíblia evangélica, está “Emanuel” que é o mesmo que “deus conosco”).

No entanto, há um erro de tradução na suposta profecia acima. O original hebraico diz que uma “almah” conceberá. Ora, a palavra “almah” significa mulher jovem, que ainda não teve filhos, e não “virgem”. Se o autor quisesse se referir a uma virgem, ele grafaria “betulah”, que significa virgem, em hebraico. Agora, preste atenção nesse trecho: “Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal”.

A palavra sinal se refere a algo que vai acontecer no espaço de poucos dias, talvez meses. Se o autor da profecia quisesse se referir a um evento que aconteceria somente oito séculos depois (nascimento de Jesus) ele teria escrito “predição” que se refere a um evento que está localizado em um futuro muito distante.

Ora, conhecendo o contexto da profecia, sabemos que Isaías entende “sinal” como algo que vai acontecer em poucas semanas ou meses, e não como uma predição, que seria algo que aconteceria após muitos anos. Podemos ter certeza de que Isaías se refere a eventos que aconteceriam num curto espaço de tempo observando os seguintes versos:

“Ele será nutrido com manteiga e mel até que saiba rejeitar o mal e escolher o bem.” (Isaías 7,15). Fica claro que o menino que vai nascer não tem nada a ver com Jesus, que é um ser perfeito, filho de Deus (segundo a Bíblia) e que portanto, já saberia distinguir entre o bem e o mal mesmo quando criança.

“Porque antes que o menino saiba rejeitar o mal e escolher o bem, a terra, cujos dois reis tu temes, será devastada.” (Isaías 7,16). Quem são os reis que Acaz teme?

Os reis que Acaz teme vivem no tempo do profeta Isaías e, claro, do rei Acaz. Se a terra dos reis que Acaz teme será devastada “Antes que o menino saiba rejeitar o mal e escolher o bem” (ou seja, antes que se torne adulto), então fica evidente que a profecia não é sobre Jesus.  Compreendendo agora o contexto da profecia, podemos afirmar sem medo de errar que a mulher da profecia não se refere à Maria, mãe de Jesus, mas a uma mulher jovem que estava vivendo na época de Isaias e do rei Acaz.

Conclusão: se de fato Isaías escreveu a tal profecia, definitivamente ela não se referia a Jesus. Segundo os especialistas, os padres da Igreja primitiva fizeram remendos nas escrituras para ligar a suposta previsão de Isaías ao texto de Mateus 1,18: “Eis como nasceu Jesus Cristo: Maria, sua mãe, estava desposada com José. Antes de coabitarem, aconteceu que ela concebeu por virtude do Espírito Santo”.


Outra profecia que não se cumpriu: Jeremias (42,15) profetiza: “...então, escutai a palavra do Senhor, sobreviventes de Judá. Eis o que disse o Senhor dos exércitos, Deus de Israel: obstinando-vos em partir para o Egito, a fim de lá habitar, sereis atingidos no Egito pela espada que temeis, pela fome que vos aterroriza, e lá morrereis. Quantos se obstinarem em ir para o Egito perecerão pela espada, fome e peste, e nenhum escapará ao flagelo que contra eles lançarei.” Essa também falhou, porque muitos judeus viveram no Egito em paz depois dessa “profecia”, e muitos moram lá até os dias de hoje.

Um deus que sabe o futuro não permitiria que em seu livro houvesse profecias falhas. Portanto, a Bíblia não é a palavra de Deus.
Se quiser saber mais sobre profecias erradas da Bíblia:
bibliadocetico.net/profecias.html
Fernando Bastos
Enviado por Fernando Bastos em 30/09/2016
Código do texto: T5777115
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Fernando Bastos
Guaramirim - Santa Catarina - Brasil, 59 anos
86 textos (15860 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/03/21 19:10)
Fernando Bastos