Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O SISTEMA IGREJÁRIO E OS DESIGREJADOS

ANALOGIA I

Nasci e vivi até os doze anos de idade num lugarejo que na época não havia se quer energia elétrica. Uma de minhas diversões favorita era a pesca à linha e caniço nas águas límpidas da estreita sanga que desaguava num afluente do rio Uruguai que, por sua vez ia à Bacia Platina, e por sequência ao Oceano Atlântico. Ali era possível ver nas partes mais profundas os peixes maiores, como se estivessem em estado de imóvel, alheios à agitação dos lambaris que formavam cardumes de acordo com seus tamanhos. Para mim se tornara inevitável não fazer uma analogia entre os peixes daquela sanga e os líderes do sistema igrejário de nossos dias. Comparo os peixes maiores que ficavam no fundo do riacho, em estado de calmaria, sossegados, aos pregadores que, deveras, apregoam a palavra de Deus. Estes pregadores verdadeiros, sinceros, dificilmente aparecem na mídia, permanecendo meio as escondidas, não por vontade própria, mas porque de contínuo procuram agradar ao Senhor, e não aos homens, pregando sempre o que Deus manda, e não aquilo que as turbas querem ouvir.  Já os pregadores que fazem uso dos meios de comunicação (imprensa, televisão, rádio, etc..), que invadem espaços, e não medem as consequências de seus atos, nada condizente com os frutos do Espírito Santo, são para mim como os cardumes de lambaris, irrequietos, habitantes de águas rasas, procurando sempre agradar as pessoas. Para corroborar com o que acabei de dizer vou lhes contar uma historinha: meu pai é daqueles que acredita que coisas boas não batem na porta de ninguém. Se alguém quer produto de qualidade tem que procurar minuciosamente, e usa o seguinte questionamento para dar sustentáculo a sua tese: Alguém já viu um médico receitar remédio de propaganda a algum paciente?
Em outras palavras meu progenitor diz que, se remédios que têm marketing farmacêutico, de fato, fossem bons, os médicos os receitariam aos seus pacientes. Até que o mesmo pega leve. O problema seria se o mesmo dissesse: Vocês já viram o mover do Espírito Santo em denominações que investem em marketing?
Continuarei fazendo uma analogia entre o riacho e o sistema igrejário. Eu costumava pescar com minhocas. O primeiro passo era colocar isca no anzol. O segundo era lançá-lo a água. Uma vez n’água ocorria uma coisa interessante. Os cardumes de pequenos lambaris, de imediato atracavam-se no anzol, levando-o, de um lado para o outro, arrancando pequenos pedaços da minhoca que o cobria, e quando conseguia atingir o fundo d’água já estava completamente sem isca, tornando-se impossível fisgar um peixe de porte consideráveis para os padrões do riacho.
Efésios 4/ 13-14: Desse modo todos nós chegaremos a ser um na nossa fé e no nosso conhecimento do Filho de Deus. E assim seremos pessoas maduras e alcançaremos a altura espiritual de Cristo.
Então não seremos mais como crianças, arrastados pelas ondas e empurrados por qualquer vento de ensinamentos de pessoas falsas. Essas pessoas inventam mentiras e, por meio delas, levam outros para caminhos errados.
Se colocarmos os anzóis no lugar das crianças, e os cardumes de lambaris no lugar das ondas, o verso 14 ficaria do seguinte modo: Então não seremos mais como anzóis, arrastados pelos lambaris, e empurrados por qualquer vento de ensinamentos de pessoas falsas.
Como descrevi logo acima quando o anzol atingia a água os cardumes de lambaris levavam-no, de um lado para o outro, cada um arrancando um pedacinho da minhoca que cobria o minúsculo gancho metálico que, quando chegava aos peixes maiores já estava completamente sem isca.
Ainda fazendo uma analogia entre as crianças e os anzóis, os cardumes de lambaris e os falsos líderes do sistema igrejário que fazem uso dos meios de comunicação para difundir seus ensinamentos. Podemos dizer que, assim como os cardumes de lambaris fazem com o anzol, arrastando-o, de um lado para o outro, estes falsos líderes fazem com o ser humano, levando-o, de um lado para o outro por ventos de ensinamentos.
1 Timóteo 6/ 3-5: Se alguém ensina alguma outra doutrina, e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade, é soberbo, e nada sabe. Mas delira acerca de questões e contendas de palavras, das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas, perversas contendas de homens corruptos de entendimento, e privados da verdade, cuidando que a piedade seja causa de ganho; aparta-te dos tais.
Hebreus 13/ 9: Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça....
É claro que nós não podemos exigir que uma pessoa desejosa de Deus, mas que pouco sabe a respeito das Escrituras, tenha a capacidade de discernir quais são as doutrinas estranhas, e quais são as verdadeiras, para assim se livrar dos cardumes de lambaris. É bom que se diga que, dentro dos templos os cardumes de lambaris se transformam em cardumes de piranhas devorando as pessoas financeiramente, psicologicamente, levando-as, a descrença, a duvidar de tudo que diz respeito às verdades bíblicas. Por isso, quando essas pessoas chegam ao fundo, isto é, aos pregadores que apregoam verdadeiramente o evangelho de Cristo, elas não conseguem crer, em decorrência das muitas manipulações, e artimanhas por parte desses líderes do sistema igrejário.
Mateus 23/ 13: Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que fechais aos homens o reino dos céus; e nem vós entrais nem deixais entrar aos que estão entrando.
Esses líderes marqueteiros do sistema igrejário fazem de tudo para impressionar, e não ensinar os povos, causando o mesmo efeito que os escribas e fariseus causavam nos dias de Jesus, ou seja, fecham aos seres humanos o Reino dos Céus, não entram e não deixam entrar aqueles que estão entrando.
E de que modo os mesmos impedem as multidões de entrarem no Reino?
Ora, por meio de falsidade, engano, impostura e tantas outras coisas semelhantes a essas. Meu pai se chama Moisés, e eu tenho um colega que tem o mesmo nome, e coincidentemente ambos me disseram, obviamente, em momentos diferentes, que vez por outra costumam ligar a televisão, nos canais que transmitem programas religiosos tidos como evangélicos. Segundo eles este ato tem a ver com o desejo de ver o cinismo estampado na cara dos tais supostos pregadores que certamente não conseguem enganar uma pessoa em seu juízo perfeito.
ANALOGIA II

Em meados do século XIX iniciara-se o uso de fertilizantes químicos na agricultura. Hoje, a agricultura tida como convencional, faz uso de enormes quantidades de doses de inseticidas, fungicidas, herbicidas e adubos químicos altamente solúveis, fazendo com que os alimentos tenham baixo valor nutricional, sendo que o seu nível tóxico pode ser o responsável por muitas doenças que afetam o homem, numa escala crescente. Ademais, os agroquímicos contaminam o meio ambiente, ou seja, a água, o ar, a terra, a flora e a fauna. Já no que diz respeito às técnicas usadas para se obter o produto orgânico implicam no emprego de compostagem, da adubação verde, o manejo orgânico do solo, e da variedade de culturas, fazendo com que o alimento seja, sadio, limpo, com alta qualidade biológica.
É possível encontrar alimentos produzidos pelo sistema agrícola convencional, isto é, que faz uso de inseticidas, fungicidas, herbicidas, e adubos, nas mais simples quitandas, mercearias, assim como em grandes redes de supermercados, coisa que não ocorre com os produtos orgânicos. Estes produtos que se derivam de sistemas agrícolas baseados em processos naturais, e que, por isso, não agridem a natureza, mantendo, assim, a vida do solo intacta, só é possível encontrar em lugares específicos, e o preço é bem acima dos produtos produzidos com fertilizantes químicos.
Como acabamos de conferir o produto orgânico, apesar de ser sadio, limpo, e com alta qualidade biológica, não desfruta de grande popularidade, coisa que acontece com o produto produzido com fertilizantes químicos. Nós também podemos fazer uma analogia entre esses dois sistemas agrícolas e o sistema igrejário. Os produtos orgânicos, sadios, limpos, com alta qualidade biológica podem ser comparados aos pregadores sinceros, que de contínuo procuram pregar o evangelho simples, assim como Cristo ensinara. Estes pregadores, assim como os produtos orgânicos, não disfrutam de grande popularidade. Por isso, para encontrá-los é preciso procurar com extrema minúcia. Já os produtos cultivados com agrotóxicos e fertilizantes químicos podem ser comparados a grande maioria dos pregadores do sistema igrejário, ou seja, é possível encontrá-los em qualquer templo de esquina, em inúmeros canais de televisão (em alguns deles aparecendo mais chuviscos do que imagens), e em muitas estações de rádios, revistas, jornais, etc.... É claro que nem todos os pregadores que fazem uso dos meios de comunicação apregoam doutrinas errôneas. Uma pequena minoria prega, deveras, o evangelho verdadeiro. No entanto, a grande maioria tenta satisfazer os seus desejos carnais, fazendo de tudo para se tornar um pop star religioso, e para isso procuram agradar os homens e não a Deus, fechando, assim, a porta do Reino do Céu para os outros, não entrando e não deixando entrar os que estão querendo entrar.

OS AGENTES CANCERÍGENOS

Um de meus tios mora numa cidade do interior, e lá, entre outras coisas, se cultiva a batata inglesa. Na região Sul e Sudeste do Brasil são comuns os abusos na utilização de agrotóxicos, também denominados de pesticidas ou defensivos agrícolas nas lavouras de batatas, e as pulverizações atingem o número de trinta, chegando a ser feitas por ciclo. De acordo com meu tio, o agrotóxico que fica alojado nas folhas se desprende com a água da chuva e penetra no solo, e consequentemente na batata, fazendo com que este alimento se torne um agente cancerígeno. Nós também podemos fazer uma analogia entre esse fato e o sistema igrejário. Os pesticidas ou defensivos agrícolas podem ser comparados às simpatias ou macumbas evangélicas, o deus mágico, e tantas outras heresias, postas em ação de modo consciente por muitos líderes religiosos cristãos, sem temor algum do Senhor.
João 8/ 36: Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.
Jesus Cristo liberta as pessoas. Muitos dos seguimentos do sistema igrejário aprisiona-as, fisicamente e mentalmente. Isso sem falar a respeito das artimanhas dos mesmos para tomar os minguados salários do povo, e do deus mágico apresentado como servo e não senhor, e que é incapaz de realizar aquilo que apregoam os seus sacerdotes.  Este conjunto de fatores se transformara em agentes cancerígenos que o sistema religioso catalogara como sendo os desigrejados. É claro que os desigrejados são agentes cancerígenos para o sistema igrejário, não para estes grupos aparentemente desconectados fisicamente, mas unidos em Espírito.
1 Coríntios 5/ 3: Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente.....
É possível sim uma conectividade espiritual à distância, e a Física Quântica prova isso na prática. Mas por que os desigrejados são agentes cancerígenos, ou seja, uma doença incurável no âmago do sistema igrejário?
Ora, porque sem membros os líderes religiosos perdem a funcionalidade.
1 Coríntios 1/ 19-20: Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos inteligentes. Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?
Sem as turbas nos templos acaba a funcionalidade dos teólogos, dos inteligentes intelectualmente, e assim o comércio de livros, DVDS, CDS, entre outras coisas acaba, prejudicando o sistema financeiramente. Por isso, os desigrejados constituem-se em agentes cancerígenas ao sistema igrejário.

DIFERENÇAS ENTRE DESIGREJADOS

Quando um grande número de pessoas catalogadas como ovelhas, no sentido de fácil manipulação, se integra ao rebanho controlado pelo sistema igrejário, grupos distintos se formam. O primeiro grupo é formado por aqueles que têm certo carisma. É bem verdade que existem alguns seguimentos do sistema que exigem certo grau de estudo para se subir ao púlpito. No entanto, grande parte do sistema não exige. Por isso, é muito fácil uma pessoa dotada de carisma deixar de ser ovelha e se tornar pastor.
 Uma vez no púlpito começa ocorrer uma submissão ou então um embate doutrinário, ou ainda um jogo de interesses. Na maioria das vezes a situação fica insuportável, fazendo com que haja um rompimento entre os líderes de um seguimento trazendo como consequência outra ramificação, expandindo, assim, os limites do sistema igrejário. Segundo dados do “Empresômetro”, ferramenta do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) que monitora a abertura de empresas de todos os tipos no país, surge uma igreja a cada duas horas, atingindo o número de aproximadamente doze igrejas por dias. Os registros creditados ao sistema igrejário superam condomínios, comércios, clínicas, restaurantes e drogarias, somente ficando atrás das associações. É bom que se diga que estes dados já têm algum tempo.
Vamos conferir agora a origem e as características do segundo grupo.
Marcos 4/ 14-15: O que semeia, semeia a palavra; e, os que estão junto do caminho são aqueles em quem a palavra é semeada; mas, tendo-a eles ouvido, vem logo Satanás e tira a palavra que foi semeada nos seus corações.
O segundo grupo é composto por pessoas que, por vontade própria ou por insistência de outras passam a frequentar esta ou aquela outra denominação, mas como a palavra semeada em seus corações é roubada por Satanás, essa agregação está sempre em contínuo estado de rotatividade, ou seja, sempre tem gente saindo do grupo, e automaticamente da igreja, e gente entrando.
Marcos 4/ 16-18: Outras, como a semente lançada em terreno pedregoso, ouvem a palavra e logo a recebem com alegria. Todavia, visto que não têm raiz em si mesmas, permanecem por pouco tempo. Quando surge alguma tribulação ou perseguição por causa da palavra, logo a abandonam.
O terceiro grupo é formado por aqueles que ouvem a palavra, e de imediato a recebem com alegria. Mas como diz o versículo, não tem raiz em si mesmo, por isso permanecem alicerçados na palavra por pouco tempo, e quando aparece algum tipo de tribulação ou perseguição por causa da palavra, sem delongas abandonam a palavra, e consequentemente o sistema igrejário.
Marcos 4/ 18-19: Outras ainda, como a semente lançada entre espinhos, ouvem a palavra; mas quando chegam às preocupações desta vida, o engano das riquezas e os anseios por outras coisas, sufocam a palavra, tornando-a infrutífera.
Este agrupamento ouve a palavra. Porém, existem outras coisas concorrendo com a palavra, as quais são: às inquietudes no que diz respeito às coisas desta vida, a crença ilusória de que as riquezas matérias são a solução para tudo, e o desejo de atingir certos objetivos incompatíveis com a palavra. Este conjunto de fatores faz com que a palavra torne-se infrutífera. Este grupo acaba se dividindo em dois. Uma parte abandona o sistema, e tenta cumprir sua vontade a respeito dessa vida, e angariar riquezas matérias, e outras coisas mais, por meio de suas próprias forças. A outra parte tenta atingir os mesmos objetivos, só que via púlpito. Esta parte faz um mal tremendo ao evangelho de Cristo, uma vez que se tornam falsificadores e mercadores da palavra de Deus.
2 Coríntios 2/ 17: Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus.
Vamos conferir este versículo em outra tradução.
2 Coríntios 2/ 17: Ao contrário de muitos, não negociamos a palavra de Deus visando lucro; antes, em Cristo falamos diante de Deus com sinceridade, como homens enviados por Deus.
As levas de pregadores voltadas para as preocupações desta vida, e que vivem alicerçados na ilusão das riquezas matérias, e que colocam em primeiro lugar as coisas do mundo, ao invés das coisas de Deus, agem de modo contrário ao agir do apóstolo Paulo, ou seja, falsificam e mercadejam a palavra do Senhor.
Mateus 25/ 14-18: Porque isto é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens. E a um deu cinco talentos, e a outro, dois, e a outro um, a cada um segundo a sua capacidade, e ausentou-se logo para longe.
E, tendo ele partido, o que recebera cinco talentos negociou com eles, e granjeou outros cinco talentos. Da mesma sorte, o que recebera dois, granjeou também outros dois. Mas o que recebera um, foi e cavou na terra e escondeu o dinheiro do seu senhor.
Este agrupamento que se constitui na quarta parte que acaba se dividindo em duas, tem o espírito do servo que enterrara o talento do seu senhor.
1 Pedro 1/ 23: Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre.
O apóstolo Pedro, assim como o Senhor Jesus Cristo, faz uma analogia entre a palavra de Deus e uma semente, e como acabamos de conferir as ações do quarto grupo aprisiona a fluidez da semente, impedindo-a, de germinar.
Isaías 55/ 10-11: Porque, assim como desce a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador e pão ao que come, assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei.
Como acabamos de conferir a semente da pregação continua viva no coração dessas pessoas, pronta para fazer o que agrada Deus, e prosperar naquilo para que fora enviada. Para isso acontecer, muitas vezes basta sair da velha rotina.
A residência de meus pais fica próxima de uma pequena porção de mato, isolado no meio de dois bairros, na cidade de Porto Alegre, pertencente a uma igreja católica. Como o pai gosta muito de plantas, vez por outra o mesmo adentrava aquele capão, extraía terra, e a colocava em dois, três vasos, e em seguida plantava nestes vasos, pequenas mudas de plantas. Dias depois minúsculas sementes começavam a germinar naquela terra posta nos vasos, e as pequenas hastes passavam a servir de ornamentos as mudas plantadas por meu pai naqueles vasos. As minúsculas sementes a muito já estavam naquela terra. O que as impedia de germinar era a estagnação da terra em questão. Porém, quando meu progenitor a revolvia, e a colocava nos vasos estas sementes vinham a germinar não muitos dias depois. O mesmo pode ocorrer com o quarto grupo, que acaba se dividindo em dois. Uma simples mudança de rotina pode desencadear o processo de germinação da semente ou da palavra do Senhor em seus corações.
Mateus 25/ 19-28: E muito tempo depois veio o senhor daqueles servos, e fez contas com eles. Então se aproximou o que recebera cinco talentos, e trouxe-lhe outros cinco talentos que granjeei com eles.
E o seu senhor lhe disse: Bem está servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. E, chegando também o que tinha recebido dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis que com eles granjeei outros dois talentos.
Disse-lhe o seu senhor: Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste; e, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros. Tirai-lhe, pois o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos.
Como acabamos de ler a quarta parte que se divide em duas corre sério risco de morrer antes dá semente germinar, ou então Cristo voltar antes deste feito, tirando a palavra dessas pessoas e dando-a, a outros.
Dito isso vamos retornar a “Parábola do Semeador”.
Mateus 13/ 23: Mas, o que foi semeado em boa terra é o que ouve e compreende a palavra; e dá fruto, e um produz cem, outro sessenta, e outro trinta.
O quinto grupo é composto por um número bem reduzido de pessoas. Eu as chamo de peixes grandes, que habitam em águas profundas. Em outras palavras são os pregadores que, deveras, pregam o evangelho de Cristo. Estes pregadores raramente aparecem na mídia. Por isso os mesmos não virão até você, é você que tem que procurá-los.

BOA SEMENTE FORA DO SISTEMA

É claro que existe boa semente fora do sistema, e a partir de agora vamos nos reportar a três delas contidas na Bíblia.
Números 11/ 24-29: E saiu Moisés, e falou as palavras do Senhor ao povo, e ajuntou setenta homens dos anciãos do povo e os pôs ao redor da tenda.
Então o Senhor desceu na nuvem, e lhe falou; e, tirando do espírito, que estava sobre ele, o pôs sobre aqueles setenta anciãos; e aconteceu que, quando o espírito repousou sobre eles, profetizaram; mas depois nunca mais.
Porém no arraial ficaram dois homens; o nome de um era Eldade, e do outro Medade; e repousou sobre eles o espírito (porquanto estavam entre os inscritos, ainda que não saíram à tenda), e profetizavam no arraial.
Então correu um moço e anunciou a Moisés e disse: Eldade e Medade profetizam no arraial.
E Josué, filho de Num, servidor de Moisés, um dos seus jovens escolhidos, respondeu e disse: Moisés, meu senhor, proíbe-lho.
Porém, Moisés lhe disse: Tens tu ciúmes por mim? Quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta, e que o Senhor pusesse o seu espírito sobre ele!
Eldade e Medade haviam decidido não juntar-se aos demais escolhidos, mas isso não lhes impedira de receber a porção do Espírito que estava sobre Moisés. No entanto, o que chama mais atenção neste caso é a atitude de Josué.
A sorte de Eldade e Medade fora que o mesmo ainda não havia assumido o lugar de Moisés. Se não fosse esse fator sabe-se lá o que teria acontecido com os dois.
 Lucas 9/ 49-50: João disse: — Mestre, vimos um homem que expulsa demônios pelo poder do nome do senhor, mas nós o proibimos de fazer isso porque ele não é do nosso grupo.
Então Jesus disse a João e aos outros discípulos: — Não o proíbam, pois quem não é contra vocês é a favor de vocês.
Que coisa triste, os próprios apóstolos proibiram o servo de Cristo de fazer o bem e expulsar demônios em o nome de Jesus, tudo porque o mesmo era, vamos dizer um desigrejado, mas fiel aos ensinamentos do Senhor Jesus.
É bom que se diga que João Batista não criara um sistema, nem Cristo, uma vez que todo o sistema é corrupto. Porém, os apóstolos por conta própria criaram um sistema, e quem se inserira neste sistema? Judas Iscariotes!
Este assunto não vem ao caso no momento, mas sim a atitude de Josué, e dos apóstolos. Tanto Josué, assim como os apóstolos, com exceção de Judas é claro, serviam a Deus, no entanto, desencadearam uma ação preconceituosa contra, vamos dizer assim, os primeiros desigrejados. Portanto, se você é um desigrejado não se espante se por ventura fores atacado por um ou outro pregador, deveras, verdadeiro, assim como verdadeiros servos de Deus fizeram no passado.







Fragatta
Enviado por Fragatta em 13/01/2018
Código do texto: T6225354
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fragatta
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 47 anos
17 textos (5036 leituras)
3 e-livros (112 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/18 03:57)
Fragatta