Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lectio Divina – Aula 6 – Sagradas Escrituras

Texto de Victor da Silva Pinheiro

Lectio Divina – Aula 6 – Sagradas Escrituras
 
Comunidade Doce Mãe de Deus, Missão Bessa, da cidade de João Pessoa, capital do estado da Paraíba, Brasil.
 
 Contemplar é uma ação divina no homem, que é o tema dessa última aula da lectio divina. Contemplar é um abandono nas mãos de Deus. É entrega, é sacrifício com misericórdia. Lembrei o poeta português Luís Vaz de Camões, que diz sobre o amor: “É um estar-se preso por vontade; (...) É cuidar que se ganha em se perder.” Como ouvi numa ópera, como se Deus estivesse falando para mim, o seguinte: “Eu Sou divino; Eu Sou o esquecimento; Eu Sou o amor.”  Contemplar é desbravar terras hostis. A lectio divina é a contemplação das graças de Deus. É ir para os párias, os marginalizados. É conviver, aprender e ensinar a esses párias, marginalizados. A contemplação é o que dar sentido a lectio divina. No Evangelho Segundo Lucas, capítulo 10, versículo 42, Jesus diz: “... Maria, com efeito, escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.” Essa Maria era a irmã de Marta e Lázaro, aquele mesmo que Jesus ressuscitou. Essa passagem é a parte final em que Jesus vai visitar essas irmãs; Marta, que cuida da casa, e Maria, que se predispõe a ouvir a Sabedoria. Jesus quis dizer que podem nos tirar a família, a liberdade e até a vida, mas não nos podem tirar a Sabedoria. Às vezes, pela falta de prática contemplativa, não percebemos a divindade no dia-a-dia. Quem tem prática e experiência contemplativa ver Deus tanto na selva de pedra, que é a civilização, como ver na selva natural. O episódio das irmãs Marta e Maria nos quer dizer que mesmo com a lida diária, com o trabalho de todo santo dia, devemos dedicar um momento no dia para a religião, e com a prática contemplativa, ver a divindade para além do bem e do mal. Pois, como disse o filósofo Nietzsche: “Aquilo que se faz com amor, faz-se sempre para além do bem e do mal.” E João Evangelista diz: “Deus é amor.”  A vida interior é aplicar a palavra divina no dia-a-dia. A vida contemplativa vai ti transformar em uma nova criatura. E, dependendo de sua evolução, reconhecerás o homem como imagem e semelhança de Deus. Devemos silenciar as vozes do mundo, e ouvir a voz do silêncio. O uirapuru, um pássaro da floresta amazônica, só canta uma vez no ano, e só canta quando toda a floresta silencia. É quando através dos 5 sentidos, começamos a perceber a divindade até no momento mais rude e terreno das nossas vidas. Assim sendo, chegarás ao sexto sentido e verás as coisas como elas realmente são. Só há amadurecimento da fé se há comprometimento. Treinamento é bom e necessário, mas mais importante é a vontade, que é um desejo mais apurado. Foi através de uma vontade sublime que Jesus fez o que fez. O primeiro passo é arriscar, se abandonar em Deus, e desbravar terras hostis. Deus não cabe na nossa cabeça. O que conhecemos de Deus é uma faísca, pois Deus habita num lugar em que a razão não consegue compreender. Então, entra em cena a imaginação, a intuição, que nos ajuda a roçar a divindade. Se eu falo a verdade, e você me contraria, não contraria a mim, mas contraria a divindade. Pois, Jesus disse aos seus discípulos no Evangelho Segundo Mateus, capítulo 10, versículo 20: “Por que não sereis vós que falareis, mas o Espírito de vosso Pai é que falará em vós.” A verdade não muda, o que muda é o mensageiro, a cultura, ou o jeito de falar. O que muda é a cor da carta, não o conteúdo.  Uma espada é formada no fogo extremo e no frio extremo; e é assim que se forma nosso caráter: na perseguição, na dor, na tribulação e na bondade, no pequeno Céu. Nosso caráter vai ser formado no bônus e no ônus. Nosso caráter vai ser formado na tempestade e na bonança. Onde na tempestade, os raios são como estalos de sabedoria que surgem e trazem luz. É como a voz de Deus que surge em meio a trovoadas, que nos chama a atenção. Jesus além de dizer que nos amou, morreu por nós. E diz na escritura: “... e ele nos amou ao extremo!” Contemplar é ter uma vida interior. Além de refletir, temos que praticar. Para iniciar a lectio divina, é aconselhável ler os evangelhos e os salmos. Pois, se partimos logo
para outros livros do Antigo Testamento, fica difícil contextualizar-lo sem ter experiência na lectio divina. Pois, requer um maior aprofundamento, amadurecimento.
 
Autor: Victor Da Silva Pinheiro

Site de registro:

www.recantodasletras.com.br/autores/vitorgeo10 (Livros, Áudios, Poesias, Crônicas Filosóficas, Crônicas Cristãs)

Outros Sites:

www.vitorgeo7.blogspot.com (Poesias, Crônicas Filosóficas, Crônicas Cristãs)

Facebook: Victor Da Silva Pinheiro (Vídeos, Fotos, Poesias, Crônicas Filosóficas, Crônicas Cristãs)
Vitor da Silva Pinheiro
Enviado por Vitor da Silva Pinheiro em 02/11/2018
Reeditado em 15/01/2019
Código do texto: T6492654
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vitor da Silva Pinheiro
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 35 anos
52 textos (619 leituras)
8 áudios (116 audições)
3 e-livros (55 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/06/19 10:30)
Vitor da Silva Pinheiro