Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Resenha: John Wick 3: Parabellum

Quem assiste o filme John Wick 3: Parabellum imagina que só assistirá violência e mais violência, ou seja, cabeças cortadas, corações arrancados etc. E é tudo verdade. John Wick é um filme para entreter um público de cabeça cansada. Eu digo cabeça cansada não no sentido pejorativo, pois nem todos que descansam a cabeça (assistindo filmes de violência ou não) são pessoas menos reflexivas.

O filme traz à baila um aspecto bem interessante no que diz respeito ao “espaço sagrado”. Quem já estudou um pouquinho sobre religião sabe que espaço sagrado é um assunto antigo e muito estudado pelos teólogos e filósofos. A palavra religião vem do latim religio, que é formado pelo prefixo “re” (de novo, outra vez) e o verbo “ligare” (ligar, unir, vincular). Mas, afinal, quais são as partes vinculadas? São justamente o sagrado e o profano. O profano representado pelas coisas da natureza e do homem; e o sagrado, pelos deuses ou um lugar separado da Natureza.

Todas as religiões do mundo instituíram para si espaços invioláveis. Na religião judaica, por exemplo, quando Iawheh institui um espaço para o povo habitar – Terra Prometida – e, além disso, o lugar onde o templo fora edificado e, nele, posto a Arca da Aliança (um receptáculo onde ficava guardado os textos sagrados). Através da sacralização as religiões criaram a ideia de espaço sagrado. Os céus, o Monte Olimpo, o Templo de Israel, as igrejas modernas etc. Todos são espaços dedicados ao ritual religioso. Não é diferente com o Hotel Continental onde assassinos do mundo inteiro estão imunes a qualquer retaliação, vingança ou morte enquanto estiverem hospedados.

Um código de ética foi quebrado após John Wick assassinar o chefe da máfia Santino D'Antonio. Jowh Wick profanou o espaço sagrado dos assassinos e passou a ser perseguido pela Alta Cúpula (uma espécie de divindade entre os assassinos) sob a recompensa de 14 milhões de dólares.

Para se redimir Johw Wick vai em busca da Alta Cúpula e, para isso, caminha dias e dias pelo deserto. Um detalhe para o deserto. Sempre utilizado pela religião como figura simbólica do lugar de encontro com a divindade. Jesus passou 40 dias jejuando no deserto (Mt 4).

Jonh Wick no seu retiro espiritual consegue um encontro com a divindade da Alta Cúpula. O todo-poderoso da Alta Cúpula pergunta-lhe: Por que você deseja permanecer vivo? A resposta de Johw surpreende: “preciso viver para manter viva a lembrança da minha esposa”.

Ou seja, mais uma vez o sagrado sendo lembrado em um filme tão sangrento e “irreflexivo”. Sagrado não é só o espaço dedicado ao culto religioso. É também, sobretudo, o lugar das lembranças. Quantas vezes já não choramos quando lembramos dos conselhos de uma pessoa falecida? Um conselho de mãe? Ou quem sabe a lembrança do primeiro beijo? Pois bem, as nossas emoções, lembranças e momentos também são LUGARES SAGRADOS. O sagrado também se manifesta na vida íntima das pessoas.
cmocelin
Enviado por cmocelin em 21/09/2019
Reeditado em 11/10/2019
Código do texto: T6750678
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Carlos Mocelin). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
cmocelin
Colombo - Paraná - Brasil, 38 anos
7 textos (147 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/11/19 04:07)
cmocelin