UM PACTO DE AMOR E AMIZADE


Dizer que quem vê cara não vê coração,
Que a primeira impressão é a que fica,
Que pelos santos se beija os altares...
Será que quando se olha para alguém
Está apenas olhando sem se aprofundar?
Até creio, pois não é todo mundo que
Olha alguém fitando nos olhos, porém
Quando se olha profundamente e os olhos
Mergulham na alma podemos confiar
Que dali nascerá no mínimo uma sincera amizade.

Amizade, daquelas que não nos deixam
Sofrer, que se não puder evitar sofrerá junto,
Amizade daquelas que não nos diz sim
Apenas por ser amigo, pois um não entre amigos
É construtivo quando necessário...

Será que a alma de alguns está realmente
Refletida no olhar? Será que é assim que vamos
Ter a certeza a convicção? Se os olhos são espelho d’alma
Bastar-nos-iam olhos nos olhos para mergulharmos
No mais íntimo da pessoa que nos jura amar,
Porém, isso quem realmente nos dirá é o tempo
Assim, desta maneira quando se observa com o coração
E percebe-se que mesmo com o passar dos anos
A rotina não destrói, não deixa dúvida, nem cansaço
Então somos capazes de jurar que o sentimento
É profundo aí se concretiza a confiança e se pode
Reconhecer com todas as letras que realmente
Existe um pacto de amizade e amor.



Brasília, 05/07/2010