Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A BÍBLIA E A HOMOFOBIA

Homofobia: repulsa ou ódio aos homossexuais.

De acordo com pesquisa da Hello Research, 49% dos brasileiros são contra a união homoafetiva.  “Podemos observar que quanto menor a classe social e o acesso à informação, maior a resistência em apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo”, disse o diretor executivo da Hello Research, Davi Bertoncello (fonte: revista Exame, 11 de maio de 2015).

A discriminação contra os gays trouxe ao longo dos séculos inúmeros problemas a pessoas inocentes, cujo único “pecado” era desejar alguém de sexo igual a elas. Durante a Santa Inquisição, milhares de homossexuais foram torturados e mortos em fogueiras ou enforcados. A relação homossexual é crime em 73 países (maioria deles muçulmanos); 13 preveem pena de morte (todos muçulmanos).

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% dos alunos homossexuais dizem ser vítima de “bullying” nas escolas. Muitas crianças e jovens chegam a abandonar os estudos por causa das piadas, xingamentos e agressões físicas. De acordo com pesquisas, adolescentes homossexuais são propensos a tentar o suicídio duas a três vezes mais do que os héteros, porque não suportam viver em uma sociedade que condena severamente seu modo de ser. A cada dois dias, um homossexual é morto no Brasil. Geralmente o único motivo do criminoso é a orientação sexual de sua vítima, diferente da maioria.

A maioria das famílias não aceita um filho homossexual. Muitos gays são expulsos de casa ou fogem do lar por causa da rejeição. Existem pais que tentar “curar” o filho gay levando-o a um psicólogo ou a um padre ou pastor.

Entretanto, não se cura o que não está doente. Cientistas alertam: homossexualidade não é doença, mas uma orientação sexual. Anos de estudos comprovaram que o esforço de pais para suprimir as tendências homossexuais de seus filhos foi praticamente em vão. Só o que conseguiram foi trazer mais sofrimento, angústia e sentimento de culpa a eles e a seus filhos.

A psiquiatra e escritora Regina Navarro Lins, autora de diversos livros sobre amor e sexualidade diz: “Não existe o ser humano natural; o comportamento é modelado pela cultura. A forma como amamos e praticamos sexo é construída socialmente.”

Em diversas sociedades antigas, o amor entre iguais era aceito sem problema ou tolerado e em algumas, como na Grécia, visto como o amor ideal que mais aproximava o homem a Deus. Só o lesbianismo era reprovado, pois a função principal da mulher era gerar filhos, o que só terminou há pouco tempo, com o advento da pílula anticoncepcional.

Os que são contra a homossexualidade, apresentam várias justificativas. As principais são:

É contra a natureza.

Trata-se de um preconceito e de ignorância científica. “Um preconceito comum a toda sociedade é a ideia de que os padrões de comportamento adotados correspondem a leis naturais. Assim, pessoas com língua, costumes ou estilo de vida diferentes desses padrões tendem a ser vistas como desnaturadas, aberrantes ou, pelo menos, moralmente degeneradas (...). Esse sentimento é certamente um dos fatores que anima o linchamento moral sofrido pelos homossexuais em tantas sociedades.” (Vida Íntima – Enciclopédia do amor e do sexo, Aldo Pereira – Abril Cultural. Editor Víctor Civita).

Deus não aprova.

Ora, se Deus fosse contra as relações homoafetivas, por quê criaria os homossexuais? Apenas pelo prazer de vê-los sofrer com o preconceito da sociedade? A maioria dos homossexuais já nasce homossexual, dizem os melhores cientistas. Basta ver como a maioria dos gays já mostra a tendência na primeira infância. Não se trata de escolha, e sim de orientação sexual que já foi determinada antes do nascimento.

Acabaria com a família tradicional.

Impossível. Todas as pesquisas mostram que o número de héteros é maior que o de homossexuais. Em todas as sociedades, o número de homoafetivos fica entre 10 a 14% da população. Ou seja, ao que tudo indica os héteros sempre serão a maioria.

É impossível entender a repulsa contra o amor entre homossexuais sem conhecermos a Bíblia.

Toda pessoa que nasce num lar cristão aprende que a Bíblia é a palavra de Deus, isto é, seus autores foram inspirados pelo próprio Criador. Assim, o que nela está escrito é bom e correto. E o que a Bíblia fala sobre os homossexuais? Há dois trechos explícitos contrários à homossexualidade: o primeiro no Antigo Testamento, em Levítico 20,13, onde Deus afirma que um homem que deita com outro homem é uma abominação, e ambos devem ser mortos. O segundo em Romanos 1,24, onde o apóstolo Paulo afirma que efeminados não conhecerão o Paraíso, e as mulheres e homens que se entregam a “paixões vergonhosas” contrários à Natureza divina devem ser mortos.
Entretanto, segundo os maiores especialistas em história das religiões, essa lei em Levítico, que manda matar homossexuais, não foi dada por Deus, mas pelos sacerdotes judeus. Para os dirigentes israelitas (judeus), relações entre pessoas de igual sexo representavam um perigo para seu povo, por um motivo bem simples: não gera descendentes. E a nação de Israel precisava crescer. Mais gente, mais mão de obra no futuro e mais soldados para o exército. Então, para eliminar a prática, criou-se uma lei punindo homossexuais com a pena de morte, essa que está em Levítico 20,13. E, para que ela fosse efetivamente respeitada, os sacerdotes alertaram o povo que a lei havia sido dada por Deus, pois sabiam que se atribuíssem a ordem a eles próprios, as chances de atingirem seus objetivos seriam menores.

É importante dizer que a lei contra a homossexualidade pertence à mesma categoria de leis bíblicas que pune igualmente de morte o filho desobediente (Deuteronômio 21,18), quem trabalha no sábado (Êxodo 31,15), os adúlteros (Levítico 20,10), quem oferece sacrifícios a outros deuses (Êxodo 22,20), o estrangeiro que se aproxima do santuário (Números 3,38), quem rejeita a sentença do sacerdote (Deuteronômio 17,12), o casal que faz sexo quando a mulher está menstruada (Levítico 20,18), etc. O esquema era sempre o mesmo: alertavam o povo que o autor da lei era Deus, porque era garantia de que o povo a respeitasse melhor. Reflita um pouco e seja sincero: você acredita que um Deus bom e misericordioso seria o mandante de leis que mandavam matar inocentes por apedrejamento, empalação, forca e na fogueira?

Antes da Bíblia, existiram dezenas de reis legisladores que alegaram terem sido orientados por uma divindade na tarefa de divulgar suas leis e doutrinas. Encontramos esses secretários de Deus em praticamente todas as culturas conhecidas: suméria, fenícia, chinesa, babilônica, egípcia, grega, etc. Os estudiosos descobriram que em épocas remotas, quando um rei ou legislador queria transmitir uma lei ou ensinamentos morais, dizia ao povo que o autor não era ele, mas um deus. Por quê? Porque dava mais credibilidade e autoridade ao que pretendia divulgar. Os homens bíblicos, dizem os especialistas, seguiram essa tendência. Como as pessoas daquele tempo (parece que não mudou muita coisa) eram pouco cultas e facilmente manipuladas, não foi difícil convencê-las de que estavam vivendo sob a jurisdição de um deus, e que seriam severamente punidas caso se negassem a seguir aquelas leis.

Portanto, senhoras e senhores, ninguém pode justificar sua repulsa ao amor entre pessoas do mesmo sexo alegando que Deus é contra, contrário à Natureza ou acabaria com a família tradicional. Jesus, que para os cristãos é filho de Deus ou o próprio Deus encarnado, não disse uma única palavra contra o amor entre homossexuais. Falou que devíamos nos amar uns aos outros, como ele nos amou. Mas parece que muitas pessoas estão mais propensas a odiar e impedir que os outros sejam felizes, do que seguir o que Jesus recomendou.

Faço um apelo a vocês. Se não gostam, não precisam ter amigos gays, mas em nome da compaixão e da liberdade de cada um de querer ser feliz, não atrapalhem a felicidade deles. É o mínimo que vocês podem fazer.
Fernando Bastos
Enviado por Fernando Bastos em 10/06/2018
Reeditado em 10/06/2018
Código do texto: T6360305
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Sobre o autor
Fernando Bastos
Guaramirim - Santa Catarina - Brasil, 59 anos
86 textos (15860 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/03/21 19:15)
Fernando Bastos