Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SEXO, AMOR, EROTISMO E PORNOGRAFIA DE FLÁVIO GIKOVATE

Sexo, Amor, Erotismo e Pornografia - Parte 2
:: Flávio Gikovate ::


A VIDA SOCIAL IMPÕE LIMITES AO HOMEM

Freud acreditava, diferentemente do que tenho defendido, que o amor era uma manifestação sofisticada, mais intelectualizada, do impulso sexual. Ele chamava esses processos de sublimação, ou seja, a transformação de um impulso mais grosseiro em algo mais sublime, mais especial. Essa transformação era o efeito da nossa razão sobre o fenômeno mais físico, mais animal, da sexualidade. Eu costumo dizer que nós somos criaturas especiais, dotadas de características próprias dos macacos. Porém, temos um “computador”, que é a nossa razão, que nos faz criaturas especiais e únicas. Os impulsos do “macaco”, depois de modificados pelo “computador”, tornam-se mais requintados; transformam-se em produtos sublimados.

A verdadeira história da evolução da nossa espécie e a passagem de um modo de vida primitivo, nômade, para as organizações sociais complexas em que vivemos hoje ainda estão longe de serem conhecidas. A verdade é que foi uma história difícil, cheia de sofrimentos internos e externos. Os sofrimentos externos derivaram do fato de que a Terra não era um local tão apropriado para a nossa espécie. Tivemos de aprender a nos defender dos outros animais, do frio rigoroso, da escassez de alimentos etc.. Se hoje temos casas confortáveis, alimentos preservados para consumo durante o inverno e condições objetivas de combate às doenças e às dores, essas são as conquistas das quais podemos nos orgulhar. O planeta está muito mais adequado às necessidades humanas do que a selva original que aqui encontramos.
Para conseguirmos avançar na conquista do meio externo, tivemos de nos agrupar em núcleos sociais cada vez mais complexos e organizados. Esses grupos impuseram severas limitações à expressão da nossa natureza instintiva, ou seja, nossa natureza mais animal. Muitos dos desejos que surgiram e ainda surgem espontaneamente, graças à nossa biologia, tiveram de ser proibidos. A palavra que se usa em psicologia para isso é repressão.

A repressão, quando muito forte, tira o desejo até da nossa consciência e cria, assim, uma outra parte da nossa subjetividade, que é chamada de inconsciente. O inconsciente contém os desejos que a nossa razão consciente não aceita. E não aceita por causa da repressão, que inicialmente é externa – social – e depois se transforma em interna – pessoal. Por exemplo, se fico com raiva do meu pai e sinto desejo de matá-lo, eu mesmo me censuro por isso, e reprimo o desejo para o inconsciente.
Passamos então a ter um mundo interior dividido: uma parte dos nossos desejos se esconde de nós mesmos, porque os consideramos inaceitáveis. Tudo isso é fruto de uma “domesticação” que o homem teve de impor a si mesmo para viver em sociedades complexas. Os impulsos agressivos estão entre os que mais tiveram de ser reprimidos, do contrário a violência seria causadora da desagregação do grupo.

Sabemos, por experiência própria, que o processo de repressão da agressividade não é perfeito. Sabemos também que boa parte dos nossos desejos violentos são conscientes – ou seja, aceitamo-los, mas não os exercemos, seja por medo, seja por não os acharmos adequados. E mais: vez por outra, eles vencem as barreiras internas e se exercem sob forma de agressões físicas ou verbais. Em algumas pessoas, o controle agressivo se dá de modo mais eficaz; em outras, é bastante precário.
A verdadeira história da evolução da nossa espécie e a passagem de um modo de vida primitivo, nômade, para as organizações sociais complexas em que vivemos hoje ainda estão longe de serem conhecidas.

Os fenômenos amorosos foram se tornando mais fortes e mais importantes só de alguns séculos para cá. É provável que, no passado, as pessoas permanecessem vinculadas a seus parentes – pais, irmãos, tios, primos etc. – de forma tão intensa que sentiam pouca necessidade de aconchego por meio de ligação com uma pessoa que não fizesse parte do grupo familiar. Essa ligação também existia, mas era escolhida pelas famílias, de acordo com as regras de conveniência de cada sociedade. Ou seja, as pessoas se casavam com criaturas que eram escolhidas por outras pessoas, e é provável que, com o tempo, se afeiçoassem a elas e, inclusive, passassem a sentir amor por elas.
Qualquer tipo de encantamento amoroso que surgisse fora das regras da vida social era violentamente reprimido. Isso só mudou nas últimas décadas: agora as pessoas podem se unir ao parceiro que quiserem, e se separar daquele por quem não têm mais interesse.

As histórias dos amores impossíveis, que estavam em oposição às regras, povoam nossas bibliotecas, sendo a mais famosa a de Romeu e Julieta, de Shakespeare. A luta é travada entre a emoção querendo se impor e a regra social querendo prevalecer e indo contra aquela união que a contraria. Esse tipo de repressão é hoje coisa do passado, apesar de ainda existirem alguns resíduos em certos grupos sociais. Pessoas casadas que se apaixonam por outras pessoas, por exemplo, podem se divorciar para realizar seu desejo romântico; ainda esbarram, porém, com fortes oposições, principalmente as de seus próprios filhos, que, não raro, se sentem prejudicados.

Nenhum dos impulsos humanos é mais difícil de ser “domesticado“ do que o instinto sexual. O amor necessita de um objeto definido, e a "domesticação” consiste no indivíduo não se fixar em um objeto proibido; já a nossa agressividade é sempre uma relação, ou seja, se a pessoa não for provocada, não tende a agir com violência. Dessa forma, as normas da vida em sociedade, quando respeitadas, geram quantidades pequenas – e, portanto, suportáveis – de provocação. Mas o desejo sexual está presente em nós o tempo todo! Não temos, como os outros mamíferos, um período de cio e outro de repouso desse instinto. Ao menos nos homens, o desejo se manifesta principalmente em função do estímulo visual: olhar moças e mulheres de todas as idades provoca o desejo dos homens de todas as idades, e em qualquer época do ano.
A repressão, quando muito forte, tira o desejo até da nossa consciência e cria, assim, uma outra parte da nossa subjetividade, que é chamada de inconsciente.

As mocas e as mulheres sabem que provocam o desejo dos homens e se excitam e se envaidecem com isso. Por essa razão, estão sempre querendo aprimorar cada vez mais a sua aparência física. Conseguem atingir os objetivos com facilidade, pois provocam cada vez mais o desejo dos homens. E vejam a complexidade da questão: quanto maior o grupo social, mais os homens estão expostos a mais mulheres que lhes são atraentes. Dessa forma, à medida que a civilização se sofistica e se expande, mais vezes por dia homens e mulheres se encontram e fazem surgir a faísca do desejo.

Já vimos, também, que o sexo, na sua origem, não tem relação com uma só figura, especial e única, como acontece com o amor. Dessa forma, somos estimulados sexualmente por praticamente todas as pessoas do sexo oposto. E isso acontece mesmo quando estamos sentimentalmente envolvidos e satisfeitos. A mulher enamorada não tem intenção de ter outros parceiros sexuais, além do amado. Porém, continua gostando muito de provocar o desejo de outros homens. Dessa maneira, é um pouco hipócrita quando diz que se veste e se arruma tanto só para agradar ao homem que ama. No caso dos homens, o desejo visual transborda muito claramente as fronteiras do amor. Concluímos, logo, que a fidelidade, quando existe, é fruto de uma regra que a pessoa se impôs, e não da natureza da nossa espécie.
Então para onde vai tanta energia que não pode se expressar, sob pena de desorganizar toda a vida em sociedade?



Flavio Gikovate
Enviado por Milton Roza Junior em 27/05/2008
Reeditado em 03/09/2011
Código do texto: T1007878

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Flávio Gikovate site: www.flaviogikovate.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Milton Roza Junior
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 52 anos
97 textos (88941 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/19 13:23)
Milton Roza Junior