Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lutando Contra a Depressão




Recentes pesquisas relacionam senilidade com vida rotineira. Fazer tudo sempre da mesma maneira entorpece a livre manifestação da inteligência tornando os movimentos mentais muito lentos pelo desuso, da mesma forma que o sedentarismo leva às restrições físicas. A mente, como o corpo, deve exercitar-se fugindo da rotina, criando novas atividades.

A rotina traz a depressão, o vazio e a tristeza, fracassando a capacidade de iniciativa e submergindo a pessoa no marasmo do tédio e na desconfortável sensação de inutilidade. Aproveita-se o tempo fugindo dela, rompendo com os hábitos, as mesmices, os preconceitos; ganhar tempo é ganhar vida pela renovação.

Ao agir mecânica  e rotineiramente, não se pensa no que se faz,  vive-se distraída e esquecidamente. É necessário criar o hábito de pensar, aperfeiçoar o que se faz e colocar novas atividades na vida. Não sejamos como Sísifo, o trágico herói mitológico condenado a realizar por toda a eternidade um trabalho inútil e sem esperança. Ele fora condenado pelos deuses a empurrar sem descanso uma enorme pedra até o alto de uma montanha de onde ela rolaria encosta abaixo para que o absurdo herói descesse em seguida até o sopé e empurrasse novamente o rochedo até o alto, indefinidamente, numa repetição monótona através dos tempos. O inferno de Sísifo é a trágica condenação de estar empregado em algo que a nada leva. Ele amara a vida e menosprezara os deuses e a morte. Por tal insolência fora castigado a realizar aquele trabalho inútil. Sua rebeldia poderia ter sido motivo de admiração pela insurgência contra o espectro da morte e o poder dos deuses, mas foi castigado por uma justiça duvidosa.

Não seríamos todos Sísifos?  Não estaríamos empenhados num grande esforço e sacrifício que poderiam não estar levando a nada como o sisifismo mitológico? Talvez nosso trabalho seja uma condenação e a vida uma tragédia rotineira, e Sísifo, num lampejo de consciência, tivesse reconhecido o peso de seu infortúnio representado pelo enorme rochedo da materialidade e da inutilidade; considerado que se assemelhara ao rochedo, e que seria necessário reverter aquele processo monótono, mudando a rotina absurda de dias, anos e séculos. Preso, no entanto, à mitologia, criado que fora para cumprir aquela finalidade pedagógica, nada pudera fazer. Ele prosseguiu no seu tormento para que pudéssemos superar o nosso. É um herói trágico e absurdo.

Para o homem existe a possibilidade de modificar a rotina tediosa e lançar ao longe o rochedo das misérias, da ignorância e da inconsciência; deixar de repetir os dias, os anos e as vidas sem variação alguma para construir um destino renovado. A pedra de Sísifo tem hoje outros nomes e é inútil o trabalho de erguê-la. Deixemos que o rochedo role ladeira abaixo e que ele prossiga como mito. Pensemos que poderemos superar aquele trabalho rotineiro modificando a vida, o presente, o passado e o futuro. Transformemos a vida renovando e aperfeiçoando os pensamentos, criando novas atividades e superando as condições pessoais.

Tudo deve mudar na vida, e mudar para melhor. Se não se pode alterar os desígnios de uma Vontade superior que determina um tempo para ela, a trajetória dos astros e o ritmo do Universo, há um amplo espaço de liberdade para se movimentar, desde os obscuros níveis da ignorância até as alturas inefáveis do conhecimento. Para mudar é necessário querer. E saber aonde se quer chegar. Querer é poder, literalmente, pode nada significar. Saber é poder.

Diante dos momentos difíceis que a vida apresenta, sentimos a necessidade de mudá-la, transformando-nos: hábitos, maneira de pensar, pensamentos. Por mais cultura que se tenha, percebe-se que algo falta: um conhecimento que habilite a ser artífice do destino; isto as escolas não ensinam. Ignorando os meios que poderiam tornar a vida melhor, corre-se o risco de ser, a cada dia que passa, uma pessoa pior. O fato de se querer muda-la não significa nada se não sabe como fazê-lo. Seria indispensável aprender a pensar e a mudar a natureza dos pensamentos que há na mente. Onde está esse conhecimento?

Muitos são os que andam em busca da panacéia universal, os que entregam seus problemas e intimidades a conselheiros duvidosos caindo no mutismo cético da desilusão. É possível que a resposta que buscaram ingenuamente por todas as partes estivesse escondida neles próprios.

 Saber é poder. E quando não se sabe, é necessário procurar quem ensine a caminhar na direção do conhecimento, pois ele não se dá em pertinência, deve ser conquistado. O que pretende respostas prontas, conhecimento sem esforço, solução imediata para os problemas pessoais, acaba por engrossar a caravana dos iludidos, sempre prontos a se alimentar com o pão amanhecido e duro da tergiversação.

Saber ou não saber, eis a questão. A prerrogativa de ser existe. E como se chega a ser o que não se é? Como se chega a saber o que não se sabe? O que se quer saber? O que se quer chegar a ser? Uns querem ser ricos, outros admirados. Uns querem ser doutores, intelectuais, reconhecidos. E todos começam não sendo nada. E quando chegam a realizar os sonhos mencionados – e são muito poucos os que o conseguem – percebem que aquilo era pouco, não era o que imaginavam. Tudo fica parecendo um brinquedo velho, sem graça, imprestável; e volta-se ao ponto de partida. As reflexões básicas de Hamlet adquirem uma nova dimensão: o que eu quero ser? O que eu quero saber? O que preencheria o vazio da minha alma?Nesse momento, a reflexão sensata leva o indivíduo a voltar para si e encarar a realidade; não aquilo que se esforça por aparentar, mas aquilo que realmente é: uma pessoa eventualmente ilustrada, mas pouco provida do conhecimento essencial, pois pouco conhece sobre si, as causas dos desacertos, tristezas, desentendimentos. Descobre que para ser o que não é deve se conhecer para vislumbrar o que pretende. Desenha-se na mente um processo de superação cujo paradigma é ele mesmo e não os outros; que deve buscar ser melhor ao invés de superior aos outros; saber com que recursos conta e o que deve ser aperfeiçoado em sua estrutura psicológica e espiritual. Ser ou não ser? Saber ou não saber? É possível que a reflexão profunda e sincera contenha em sua formulação a resposta.

A vida deve ter um significado. Não se pode deixar que os dias se esterilizem numa sucessão de fatos repetidos e sem importância. Para vencer essa rotina, será necessário assumir o governo dela criando uma autoridade e uma disciplina interiores que conduzam a pessoa para um contínuo aperfeiçoamento; será necessário viver fatos e experiências durante as horas, os dias, os meses e os anos que se constituam atos dignos de uma vida ampla e generosa na qual se possa experimentar a verdadeira sensação de existir.



NAGIB ANDERÁOS NETO
www.twitter.com/anderaosnagib

Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 02/05/2011
Código do texto: T2944555

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
372 textos (95233 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/07/19 01:15)
Nagib Anderáos Neto