Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A LÍNGUA É DO POVO E NÃO DA GRAMÁTICA

A LÍNGUA É DO POVO E NÃO DA GRAMÁTICA

                      Rangel Alves da Costa*


Após o Ministério da Educação recomendar, através do Programa Nacional do Livro Didático para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), a publicação e distribuição do livro “Por uma vida melhor”, da coleção Viver, Aprender (editora Global), da professora Heloísa Ramos, defendendo a validade do falar coloquial, com erros de pronúncia, em desacordo com a chamada norma culta, o mundo pareceu que ia desmoronar.
É que os defensores da língua, aqueles mesmos que não sabem nem um terço das exigências lingüísticas para se falar ou escrever corretamente, aparecem na mídia afirmando que é inadmissível ensinar a alunos falar e escrever de modo que não seja culto. Já a autora e o Ministério da Educação defendem o livro com o argumento de que reconhecem as variedades da língua portuguesa e a linguagem dos diversos grupos sociais.
Os doutores da língua, os cultores e impregnados estudiosos que agora se academizam demais, esquecem que o povo não tem culpa de eles terem complicado excessivamente o estudo e aprendizagem da língua. Bem antes disso, há mais de um ano, eu já havia publicado um texto intitulado “Fale assim mesmo!”, onde defendo o falar, ainda que eivado de erros, do povo. Eis parte do que escrevi à época:
“Já imaginaram quantas palavras deixaram de ser ditas simplesmente porque quem deveria pronunciá-las não o fez por medo ou vergonha? Já pensaram quantas mensagens ficaram somente no vão das ideias porque não foram expressadas? Quantas e quantas palavras únicas, frases ou enunciados maiores não saíram da boca porque esta, temendo falar errado, não disse o que deveria?
Até hoje não me conformo com essa frescura de dizer que esta ou aquela pessoa fala errado, não sabe falar direito, tem fala de caipira ou de matuto, não abre a boca pra não tropeçar no português. Linguisticamente falando, não há nada mais preconceituoso do que isso.
Preconceito porque, ao justificar através das normas cultas da língua, nada mais fazem do que esquecer que as palavras, a linguagem e o que se tem como culto na língua nasceram precisamente de palavras despidas de qualquer cobrança relativas a ela; nasceram daquilo que o primitivo dizia e o outro entendia, sem ser bonita ou nada, certa ou errada, mas apenas palavra; nasceram da necessidade dos povos em se expressar e não do convencionalismo para se expressar de determinado modo, porque assim seria mais bonito e sinal de inteligência. Foi a gramática que promoveu essa discriminação toda, e que até hoje tenta erroneamente balizar o que seja um falante inteligente, menos inteligente ou burro, na mais pura expressão do termo.
Ora, se estou com sede pido ou peço um copo dágua, não mato a sede com a hipéborle; se estou com fome vou coisar as panela, cunzinhar quarqué coisa, encher o bucho e pronto, não preciso esmolar na onomatopéia; se estou cansado me aprochego num tamborete, me aderreio numa cadeira ou me amoito na rede, mas não vou descansar na derivação parassintética; se estou enjoado é porque estou imburrado mermo, e não com locução pronominal indefinida.  Se os outros entendem o que se fala, onde estará, então, o erro?
O erro deve estar no surgimento da gramática, com o sânscrito de Panini, por volta do séc. IV a.C., ou com os gregos, no séc. V a.C. Pelo seu conceito logo se vê que seria um instrumento para dificultar a liberdade da língua: é a exposição metódica das regras que ensinam a falar e escrever corretamente a língua; é o conjunto de regras, observadas em um ou mais idiomas, relativas aos sons ou fonemas, às formas dos vocábulos e à combinação destes em posições; é um ramo da lingüística que estuda a relação das palavras dentro da frase ou oração. Sintetizando, é o conjunto de regras usadas em uma língua.
Quando a gramática requer para si o poder impositivo de dizer que o que você fala está errado é porque quer limitar a todo custo o poder de expressão que todos possuem. O pior é que até os conceitos gramaticais são difíceis de serem aprendidos e falados. Veja só que inteligência do homem, que criou a etimologia (etimo: origem; logia: estudo) com os seus prefixos, sufixos e radicais, para impor regras gramaticais como: fonética, ortografia, crase, tonicidade, curva melódica, parônimos, hipônimos, hiperônimos, polissemia, neologismo, preposição, conectivo, adjunto adnominal, verbo transitivo direto e indireto, pleonástico, substantivação etc. Quer dizer, criam verdadeiros monstros e querem jogar a culpa em quem apenas quer falar como sabe.
Nem os próprios estudiosos da gramática se entendem sobre a necessidade de se impor isso tudo ao povo. Já imaginaram um estudante do sertão nordestino que chega na escola com fome e a desqualificada professora exige que diga o significado de ósculo, de abnegação ou de circunlóquio? Ou que diga onde está o erro na seguinte frase: Pedro e João está com fome e sede. É, pois, um absurdo que situações como tais possam ocorrer.
Vamos colocar as coisas no seu devido lugar. Se digo nóis vai ali, ela me falou-me, a situação tá pecuária, os bicho vão tudim morrer de fartura de tudo, vou no rio, a gente queríamos, as coisas é assim mermo etc., será que o outro não está entendendo o significado do que quero dizer, o sentido das minhas palavras? Mas não, é burro quem for na cidade, porque o certo é ir à cidade. Ora, santo Deus, se eu sei o quero falar é você, professor ou qualquer outro sabidão, que vai me dizer como eu deva dizer? É preciso respeitar a língua dos outros, pois língua é liberdade, como ensina Luft.
Em Portugal, por exemplo, mesmo após a unificação ortográfica, algumas palavras são escritas de modo diferente do que se observa no Brasil (acto, ato, direcção, direção). Daí se vê que nem mesmo os lingüistas e lexicólogos se entendem. Ademais, outras vezes o que fazem é simplesmente matar certas palavras, colocando-as em desuso, porque assim desejam. Sinhá não existe mais, agora é senhora; moçoila virou sinônimo de coisa feia, agora é adolescente; só matuto diz vosmicê, e nem os doutos usam vossa mercê, pois agora é na base do excelência, do ilustre, do preclaro. Outro dia uma senhora do interior cismou que não estava mais desquitada, simplesmente porque o direito aboliu tal expressão, ou seja, divorciou da língua.
Por essa e por outras, fale sem medo, diga o que quiser e como souber, não tenha medo das suas palavras, não fuja da vontade de expressar o que bem entender. Ora, você não ouviu o que eu disse, pelas palavras que usei não sabe o que pretendo, o que quero, o que desejo?  Então por que essa cara, se ouves o que não deveria do seu próprio espelho?”
Na verdade, antes de exigirem o ensino da língua somente a partir da norma culta, deveriam lutar por uma educação de qualidade, que é o primeiro passo para a boa formação cultural do País. Ademais, só pode e deve exigir aquele que também cumpre com suas obrigações. E o Brasil, que não passa de uma capengagem educacional, pode exigir excelência tanto no ensinar como no aprender?




Poeta e cronista
e-mail: rangel_adv1@hotmail.com
blograngel-sertao.blogspot.com

 
   
Rangel Alves da Costa
Enviado por Rangel Alves da Costa em 25/05/2011
Código do texto: T2991663
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Rangel Alves da Costa
Aracaju - Sergipe - Brasil, 55 anos
9520 textos (249460 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/01/19 11:23)
Rangel Alves da Costa