Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Monteiro Lobato: Um Construtor do Brasil



Nasci dois meses após a morte de Monteiro Lobato. Desde muito pequeno, via-o todo esparramado nas prateleiras das estantes lá de casa, numerosos volumes daquela encantadora coleção de livros, antes de aprender a ler, através dos olhos e vozes de meus pais, a me transportar para aquele maravilhoso mundo das Reinações de Narizinho, Matemática da esperta Emília, Poço de Petróleo do Visconde de Sabugosa, o carinho de tia Nastácia, a sabedoria da Vovó Benta, as aventuras de Pedrinho. Ali comecei a aprender História, Gramática, Mitologia, Aritmética e Geografia; a desenvolver um raciocínio crítico através daquela inesquecível boneca de pano, Emília, alter ego de Lobato; e o gosto pela leitura, que tantas alegrias me deu no transcorrer da vida, e também pelo da escritura.

No início da década de 50, adaptada por Tatiana Belinky e dirigida por Júlio Gouveia, na nascente televisão brasileira, a TV Tupi canal 3 apresentava o Sitio do Pica-Pau Amarelo. Naquele tempo, a televisão era realmente educativa. A TV antes do VT. E minha admiração pela obra do grande escritor era tão grande, que acabei sendo atraído para o Teatro Escola São Paulo, o Tesp, de Tatiana e Júlio, e me tornando ator infantil, sendo o Pedrinho daquele Sitio por três anos, no inicio da década de sessenta. No ginásio do Santa Cruz não me chamavam pelo nome, senão por Pedrinho, tal era a minha identificação com o personagem.

O tio Candinho do Biotônico Fontoura patrocinou o seriado, que atravessou a década de 50 e o início da de 60. Velho amigo de Lobato, teve o grande mérito da iniciativa por difundir a grandiosa obra de literatura infantil no começo da televisão brasileira.

A personagem Emília, encarnada pela inesquecível Lúcia Lambertini, fazia o merchadising da mágica poção do Tio Candinho: Bio-tônico- Fon-tou-ra.

Com a modernidade, as crianças se afastaram dos livros, e Lobato ficou um pouco esquecido. Sou grato a ele por me ter despertado o gosto pela cultura; educador incomparável, ajudou muito na formação de gerações de brasileiros; difundiu exemplarmente a cultura, o humanismo, o nacionalismo. O Brasil deve muito a este espírito generoso e empreendedor.

É com um sentimento de profunda gratidão e emoção que elevo a minha voz contra a mediocridade da administração pública cultural do país, a taxar de racista uma de suas principais obras. O obscurantismo moral, intelectual e espiritual, que permeia o triste espetáculo de nossa política e administração públicas, não deixou de ser apontado no passado por Lobato, um grande brasileiro.

Um país se faz com homens e livros, como muito bem foi dito. Infelizmente, nossa política cultural é orientada por pequenos homens inimigos do povo e dos livros, da cultura e da liberdade de pensar.

Já que Lobato não está aqui para se defender, temos a obrigação de fazê-lo. Ele deveria ser nome de Faculdades, Fundações, ruas, avenidas, aeroportos, e não os políticos populistas, ditadores implacáveis, sempre a conspirar contra o povo, inimigos da cultura e da educação, apedeutas espirituais, ocupantes de cargos públicos para beneficiar-se e a seus amigos e parentes.

Salve Lobato! Um grande brasileiro!

A cultura é nossa! Ela é mais importante que o petróleo!

 

 

Nagib Anderáos Neto

www.nagibanderaos.com.br

 

 

 




 

Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 08/06/2015
Código do texto: T5270796
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
371 textos (95051 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/06/19 03:37)
Nagib Anderáos Neto