Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A SAGA DO CROSS DECK NOTURNO II

Esta saga é um simples exercício de ficção; qualquer semelhança com nomes e fatos da vida real é mera coincidência.

A DECOLAGEM DO HELICÓPTERO MAR-3012

O Mar-3012 foi o primeiro a decolar. Naturalmente, a situação no convoo foi visualizada  por mim e pelo meu copiloto. A decolagem em cross-deck noturno me preocupava (manobra nova e imposta) e, por isto, para não perder as referências visuais poucas que aquela decolagem oferecia à noite, ascendi, ainda no hover, sobre o convés de voo, para apenas 10 pés, ao invés de 15 como determinava o Manual de Voo. Eu sabia que mesmo mantendo alguma referência visual periférica, após a decolagem, iria enfrentar um novo problema: estar no ar, no inicio da decolagem, com pouca velocidade, sem estar aproado ao vento real, o qual estava entrando pela bochecha de bombordo (esquerda). Mas, havia ordem superior para se usar aquele tipo desconhecido de decolagem. E decolamos... Sabe lá Deus como! A decolagem foi feita com o máximo de cuidado, pois no pouco espaço do convés de voo existiam outras aeronaves estacionadas. A ré da ilha do NAeL Minas Gerais havia um Superpuma, com as pás fechadas. À minha direita outro Superpuma, com as pás fechadas e nos espotes 5 e 6, os helicópteros Mar N-3014 e 3007, respectivamente.
Devido a este posicionamento em gaveta, resolvi aumentar as minhas precauções na já crítica decolagem cross-deck noturna. Um pouco antes da decolagem, ainda no solo, informei à aeronave Mar N-3014 que manteria um voo reto-horizontal até que fosse informado que ela havia decolado, estabilizado seu voo e feito curva à esquerda, em razão das aeronaves terem recebido da Esquadra a inusitada ordem para os helicópteros ficarem às escuras o tempo todo e o 3012 ter necessidade também de fazer curva à esquerda, a fim de ir para o seu setor de busca antisubmarino.

A DECOLAGEM DO MAR N-3014

Ás 22:22h o CT Cleber iniciou sua decolagem. A única referência visual para manter seu hover era o círculo branco do espote número cinco onde ele estava e o próprio orientador de voo sinalizando. Mas, à medida que a aeronave ascendia para a altitude prevista de hover (15 pés, pelo manual), o circulo branco ia desaparecendo, o orientador ia desaparecendo... Isto se devia ao fato da atitude de hover do helicóptero SH3A ser de nariz alto!
O copiloto, CT Bruno, reportou 15 pés, instrumentos normais; o Cleber, no comando, ascendendo para o seu hover, ainda tentou estabelecer alguma referência visual com o navio, através da visão periférica... Mas só distinguiu uma luz fraquíssima, no convés.
O que o CT Cleber não percebeu é que tudo já estava preparado para o ataque da desorientação espacial. A dúvida de onde estava, como estava, já se instalara em sua cabeça. O conflito, gerado pela rápida perda das referências visuais, estando o helicóptero ainda subindo para o hover, sobre o convés de voo (e rodeado de obstáculos), fez com que ele decidisse sair dali. E este, temeroso de bater nas outras aeronaves que estavam no convés decidiu iniciar a sua decolagem por instrumento, naturalmente, que é o que lhe restava. Puxou o coletivo e introduziu uma ligeira atitude de nariz baixo, a fim de sair de cima do convés de voo. O CT Bruno reportou subida normal, cantando a altitude de cinqüenta pés. Informou em seguida, setenta pés e, nesse instante, pela sua visão periférica, ele viu um clarão de luz vermelha, que para ele representava o navio se afastando lateralmente para a direita. O CT Bruno reportou que iria içar o trem de pouso (a fim de não ficar sem alarme áudio em altitudes abaixo de 100 pés, conforme o Manual de voo). O CT Cleber fez mais uma vez a varredura dos instrumentos e, ao perceber o afastamento lateral do navio, se preocupou, primeiramente, em checar se a aeronave não estaria perdendo altitude, olhando o indicador de subida (climb), e observou uma razão positiva de subida. Continuando sua varredura observou que sua proa era de 047°, ao invés de 060°. Não observou a velocidade indicada, mas viu no radar-altímetro a indicação de 70 a 80 pés. Sentiu que a asa esquerda da aeronave estava baixa, o que comprovou ao olhar a VGI. Aliás, esta sensação de desconforto ele sentiu com a observação do afastamento lateral do navio para a direita, além do que, tinha a sensação de que a aeronave estava subindo.
Logo após o CT Cleber ter introduzido a correção de asa, ele reportou que iria tirar as luzes (conforme uma nova determinação da Esquadra) e, ao mesmo tempo, informou: altitude, 50 pés! Imediatamente o CT Cleber puxou o coletivo todo para cima, até o esbarro, olhando o radar-altímetro (indicador de altura verdadeira) e o indicador de subida e descida (que indicava uma razão de descida entre 0 a 300 pés/min). O CT Bruno reportou 20 pés... E o radar-altímetro estava indicando 20 pés sobre a superfície do mar, observado pelo Cleber... Mas a aeronave continuava a descer!
Eligio Moura
Enviado por Eligio Moura em 27/04/2019
Reeditado em 07/05/2019
Código do texto: T6633705
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Eligio Moura
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1186 textos (26956 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/06/19 05:48)
Eligio Moura