Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Vida dos Pensamentos



O tempo de vida é exíguo, não determinado, limitado, embora possa ser ampliado, expandido, pela intensidade do que se viveu, aprendeu, sentiu, experimentou.

Aproveitar o tempo é uma questão de opção, escolha, como viver. O tempo como sendo a própria vida em sua essência é uma bela definição, assim como a literatura como uma forma de felicidade. É necessário escolher bem o que se vai viver ou ler para não experimentar a angústia do tempo perdido que não volta mais, é irrecuperável.

É possível que a melhor forma de aproveitar o tempo seja utilizar a inteligência para criar, pensar, o que passa, inevitavelmente, pela literatura, quando se começa a falar consigo mesmo através das personagens ou o
poema lido em voz alta, quando o conto do autor se transforma num entreouvir-se, pois a poesia não é mais que uma reflexão, um voltar os olhos para si mesmo e falar o que se quer ouvir, conversar consigo mesmo.

Nada é tão maravilhoso quanto a arte; sermos ou transformarmo-nos no que sonhamos, como o roteiro de vida que planejamos, sendo diretores, artistas e roteiristas da própria vida, da existência.

Escrever, como ler, são atos mágicos; como viver, recordar e aprender. As palavras, metáforas vivas, pensamentos materializados, estão ali, na leitura e na escritura sagrada, que qualquer homem pode realizar, escrevendo a própria vida e o destino, à semelhança de Deus, que escreve homens e Universos.

Para o pensador González Pecotche, o pensamento tem um corpo, uma alma e um espírito. O corpo é a palavra escrita, a alma a falada e o espírito a impronunciada, essência oculta do pensamento que transcende a materialidade e transita na eternidade, consubstancial com o espírito humano, que é divino.

O conhecimento – pensamento sutil – pode construir ou destruir, ampliar ou reduzir. Assim também a palavra, com suas luzes e sombras. Metáfora viva ou morta, humana ou desumana, podendo nos fazer ascender às alturas do conhecimento ou mergulhar nas trevas da ignorância.

A palavra, como o pensamento, pode unir ou desunir, construir ou destruir, eternizar-se ou sucumbir no esquecimento sob as lápides que sepultam o efêmero, a ignorância e as tradições.

Que sejam as palavras, expressões vividas de nossos pensamentos, instrumentos criados por nós para urdir a paz e o entendimento, o conhecimento e a evolução, para que possamos viver neles e ali nos encontrar e reconhecer no futuro.



Nagib Anderáos Neto
www.nagibanderaos.com.br
nagib.anderaos@sobloco.com.br
Nagib Anderáos Neto
Enviado por Nagib Anderáos Neto em 04/08/2019
Código do texto: T6712366
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor Nagib Anderáos Neto www.nagibanderaos.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nagib Anderáos Neto
São Paulo - São Paulo - Brasil
402 textos (97034 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/11/19 02:54)
Nagib Anderáos Neto