Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ver fotos de pessoas felizes nas redes sociais te alegra ou entristece? Pergunta feita para 40 pessoas

Dessas 40 pessoas, 33 são mulheres e 07 são homens, o que em porcentagem representa 82,5% de mulheres e 17,5% de homens.
Informo que trabalharei apenas com porcentagem. Para facilitar a análise fiz a divisão das respostas em 05 grupos, ei-los abaixo:
Grupo  1 - 32,5% responderam que ao ver foto de pessoas felizes nas redes sociais ficam mais tristes, pois comparam com suas vidas e, então, concluem que tem uma existência bem desestimulante.
Grupo  2 - Já 22,5% responderam que não ficam tristes porque sabem que a felicidade das pessoas é irreal.
Grupo 3 - Também nesta mesma porcentagem, ou seja, 22,5% responderam que são indiferentes, e não colocaram, portanto, em suas respostas a questão que envolve ser uma felicidade irreal a das redes.
Grupo 4 - Um total de 17,5% dos entrevistados informaram que ficam felizes ao verem a felicidade alheia, sem, também, assinalar o tópico da felicidade ser irreal.
Grupo 5 - E 5% forneceram outras respostas.

Análise das respostas:

Grupo 1  - Percebe-se, neste grupo, uma influência bem negativa das redes sociais no ânimo das pessoas. Neste grupo as respostas apontam para um elemento que é extremamente nocivo no que diz respeito ao ânimo existencial.
Trata-se da comparação.
Os componentes deste grupo frequentam as redes sociais, observam os bons momentos dos outros e fazem comparações com suas próprias vidas.
A comparação é injusta porque é observada apenas a parte feliz e os bons momentos alheios, o que, neste tema da comparação leva a considerar que a própria vida é feita somente de derrotas e fracassos, então, óbvio, há uma piora no ânimo que abre largo espaço para a tristeza e até a falta de sentido existencial, posto que este sentido está, neste momento, totalmente contaminado pela ideia materialista.
Toda comparação é, por si mesma, injusta porque se observa as coisas de degraus completamente diferentes, portanto, qualquer choque entre as realidades comparadas será sempre desigual e produzirá uma ideia completamente falsa do que se passa, semeando tristeza e desilusão.

Grupo 2 – As respostas fornecidas por este grupo foram bem curiosas. Afirmaram, os 22,5% que responderam a questão proposta que não se incomodam com fotos de pessoas felizes nas redes sociais porque sabem que essas fotos e os momentos vividos e postados nas redes são irreais, falsos e coisas do gênero.
As respostas fornecidas abrem campo para alguns questionamentos:
Será que se a felicidade alheia, segundo a concepção dessas pessoas, fosse real isso abalaria os ânimos e traria tristeza?
A indiferença é proveniente apenas porque elas consideram ser uma felicidade falsa a que os outros passam ao expor fotos e momentos felizes nas redes sociais?
Então, caso haja verdade na felicidade alheia isso as abala? E se abala, por qual razão abala?
Por que, como no grupo 1, estabelecem comparação, ou por que a felicidade alheia realmente as incomoda?
As respostas para os questionamentos acima poderão, claro, ter uma pitada de cada coisa. A ideia não é fechar questão, mas com profunda sinceridade mergulhar nos questionamentos que foram abertos e tentar respondê-los.
Claro que cada um trará a sua ou as suas próprias respostas.
E talvez as respostas tragam algum norte existencial para os que indicaram indiferença em face de uma falsa felicidade alheia.
Encontrar-se, saber o que sente e por que sente parece uma boa opção para a melhora na qualidade de vida. Mas para encontrar-se é preciso confrontar-se numa verdadeira busca por instrução.

Grupo 3 – O grupo 3 curiosamente teve a mesma porcentagem do grupo 2, ou seja, 22,5%. Este grupo respondeu que a felicidade alheia estampada nas redes sociais é indiferente para eles e nada mais acrescentaram, o que me parece ser, realmente, uma indicação de que são indiferentes à felicidade alheia postada nas redes sociais.

Grupo 4 – Já este grupo afirmou que fica feliz com a felicidade das pessoas que postam suas vitórias e bons momentos nas redes sociais. Um total de 17,5% das pessoas fizeram esta afirmação e nada mais indicaram que pudesse chamar a atenção.

Grupo 5 – Apenas 5% das pessoas deram outro tipo de resposta, algumas, aliás, sem qualquer nexo, o que inviabiliza a análise.








Wellington Balbo
Enviado por Wellington Balbo em 13/12/2019
Código do texto: T6818229
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Wellington Balbo
Bauru - São Paulo - Brasil, 46 anos
393 textos (136569 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 13/05/21 10:34)
Wellington Balbo