Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Utopia


Em 1516, Thomas More (1478-1535) – célebre escritor e pensador inglês -, escreve sua obra mais famosa: Utopia.
Em seu livro, conta More que Utopia é uma ilha encravada no continente europeu onde existe a sociedade ideal. Todos trabalham, não há falta do necessário, as crianças estudam, há respeito entre os habitantes, o governo é justo. Em Utopia, hospitais são pouco utilizados porque seus habitantes são saudáveis e entendem a perfeita relação entre corpo e mente, há tolerância religiosa e todos se consideram habitantes de uma mesma família, enfim, são felizes.
Nos dias de hoje, em realidade, já há alguns séculos, a palavra Utopia tomou sentido pejorativo tornando-se sinônimo de fantasia, algo inalcançável e que não há possibilidade de existir.
Com as injustiças que grassam no mundo, se observamos apenas a superfície das situações, ficamos a pensar que a obra de More, e a ilha chamada Utopia, são ficção científica. Sociedade ideal? Uma fantasia. O mundo está cheio de velhacos que vivem a lei dos espertos. Mas é preciso mergulhar mais a fundo, estender a visão um pouco mais para ver que a sociedade está mudando, e para melhor. A ilha de Utopia não é mera ficção, caro leitor. Nossa sociedade já foi pior, mais injusta e cruel, mais corrupta e ignóbil, são os livros de história que nos contam isso.
Precisamos acreditar na possibilidade de modificação da criatura humana, necessitamos de sonhar em conjunto para que a sociedade ideal se concretize. Se passarmos a considerar que tudo vai de mal a pior, corremos sério risco de nos enredar nas teias da permissividade para com a corrupção, violência e injustiça, em triste pensamento: “Se todos fazem, se todos roubam e desrespeitam, por que apenas eu tenho de respeitar e ser honesto?”
Sem contar que, a realidade se mistura à fantasia, muitas vezes a fantasia se torna realidade porque houve alguém disposto a lutar por essa “Utopia”. No início do século XIX quem poderia sonhar que a escravidão acabaria, ou mesmo que o homem seria capaz de voar, diminuindo a distância entre os continentes. Há algumas décadas impossível conceber que as mulheres alcançariam sucesso profissional, para a sociedade de outrora, a mulher era um ser sem a mesma capacidade do homem, aliás, há alguns séculos as mulheres, segundo os teólogos, nem alma possuíam. No começo do século XX, se alguém falasse que faríamos contato com o mundo todo com apenas um clic de mouse, seria chamado de maluco, ou na melhor das hipóteses de utópico. Criaturas visionárias, que enxergam além desse estreito horizonte, não raro são chamadas de fantasiosas, é comum ouvirmos frases do tipo: “O que ele diz é muito bonito; perdoar, compreender, tolerar são excelentes medidas que tomamos em nosso dia a dia,  no entanto, funciona apenas na teoria, porque na prática é diferente”. A mediocridade não consegue conceber algo que vá adiante de suas idéias e preconceituosas convicções, por isso há tanto desprezo pelos ideais que podem trazer a melhoria. Muito simples falar que uma idéia é Utopia, no sentido de fantasia, do que arregaçar as mangas e procurar transformar aquela idéia em realidade.
Portanto, caro leitor, a sociedade ideal, baseada na ilha de Utopia é possível de acontecer, aliás, depende apenas de nós.
Vamos adiante e afirmamos que, a sociedade ideal acontece em nossa casa mental, na forma como nos relacionamos com o mundo exterior e nosso mundo íntimo. Se almejamos a paz, que trabalhemos por ela. Se queremos um bom relacionamento no lar, no ambiente profissional, no recinto religioso, que lutemos por ele, procurando dentro de nossas possibilidades melhorar o lugar onde vivemos, porquanto, cedo ou tarde, a sociedade ideal descrita por More acontecerá, pois tudo caminha para a evolução e progresso.
Pensemos nisso.


Wellington Balbo
Enviado por Wellington Balbo em 28/10/2007
Código do texto: T713304
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wellington Balbo
Bauru - São Paulo - Brasil, 42 anos
364 textos (111737 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/12/17 01:40)
Wellington Balbo