Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nenhum de nós vive à altura das próprias aspirações. Precisamos aprender como harmonizar nosso desempenho com nossos objetivos.

Um amigo meu costumava afirmar nos primeiros dias de janeiro: “Vou beber só mais esse restinho de ano.” Durante o tempo em que trabalhamos juntos, ele cumpriu à risca suas resoluções!

E você, também faz resoluções a cada Ano Novo? Ou já abandonou este hábito, pela experiência adquirida em anos anteriores?

Seja qual for sua experiência, ainda assim poderá se beneficiar ao traçar metas claras e desenvolver parâmetros simples para acompanhar seu progresso. Mas precisa ter a coragem de começar de onde você estiver...

Isso mesmo: Coragem. Reconhecer que seu desempenho está aquém do esperado em qualquer área é no mínimo um ato corajoso.

Comece identificando as áreas ou atividades em que a procrastinação torna-se mais evidente em sua vida. Finanças? Saúde? Relacionamento conjugal? Escolha da profissão?

Como a não constatação da verdade gera o benefício ilusório da dúvida, é mais fácil fingir que tudo está bem. Tal qual o doente que evita o diagnóstico médico, temendo pelo pior. Repete tantas vezes a si mesmo “Talvez eu não esteja tão mal assim...” que acaba acreditando.

A simples negação dos fatos não faz com que deixem de existir. A menos que tal pessoa reconheça a realidade de sua própria situação, nunca começará um tratamento eficaz.

Se quer progredir de verdade, pare de encenar. Não faça de conta que gosta de um trabalho que mal tolera. Deixe de gastar sua energia tentando manter as aparências. Desse modo, encontrará a motivação, a energia e os recursos para dedicar-se ao desenvolvimento de seu verdadeiro potencial.

A fim de melhor visualizar as diversas áreas de sua vida, escreva um parágrafo sobre cada uma, respondendo às seguintes perguntas:

Como está minha vida financeira?
Como está meu relacionamento conjugal?
Como está minha vida profissional?

Ao terminar o exercício, terá condições de encarar sua verdadeira realidade, sentir-se mais livre para edificar sobre um alicerce seguro. Será este o significado de “conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”?

Vamos nessa?

Opa. Antes de começarmos, pense em alguém de confiança com quem poderá partilhar suas resoluções, e combine como irá relatar seu progresso periodicamente. A simples lembrança de tal apoio te servirá de incentivo durante todo o período.

Me lembro muito bem quando iniciei a prática do violino. Por décadas, vinha alimentando o desejo de tocar esse instrumento – e fui relegando a idéia a segundo plano. Em outubro de 2006 finalmente comecei a ter aulas particulares. Em dezembro já estava tocando algumas de minhas músicas preferidas. Embora tenha tocado em público apenas uma vez, a vizinhança já sabe de cór meu pequeno repertório.

Desde que descontinuamos as aulas, percebo que minha capacidade estagnou, embora eu ainda pratique de vez em quando. (O simples fato de saber que teria que apresentar um novo exercício toda sexta-feira me servia de incentivo para treinar diariamente.)

O mesmo pode ser aplicado às suas metas. Assumido o compromisso de relatar a alguém seu progresso, seu empenho aumenta naturalmente.

Mantenha a meta diante dos olhos

Esta é uma área na qual o dito popular ‘O gado engorda à vista do dono’ se aplica perfeitamente. Um grande amigo meu mantinha na carteira algumas datas futuras bastante significativas na vida dos filhos, das quais gostaria de participar. Ele mantinha esse hábito a fim de lembrá-lo de nunca fazer algo que o privasse do privilégio de participar de tais ocasiões.

Como um mero desejo não se torna em meta a menos que o anotemos, sugiro que você antecipe algumas datas que ocorrerão em sua vida, e anote cada uma delas num local visível.

Qual será seu foco inicial?

Nas agências de emprego, as vagas mais procuradas (e menos encontradas) são para ‘qualquer coisa’, ‘de tudo um pouco’ e ‘o que aparecer’.

Quando pergunto a alguns alunos de idiomas o que desejam focalizar em seus estudos, de acordo com seus objetivos, alguns respondem: ‘Quero aprender tudo’.

Os que fazem ‘de tudo um pouco’ geralmente não tem a mínima qualificação necessária à maioria dos empregos. Quem atira em dois coelhos só tem uma garantia: desperdiçar a munição.

Dizem que a meta é um sonho com data marcada para acontecer. Lembro-me da meta que tracei – com a ajuda de minha mãe – de comprar uma casa própria. Eu sabia que precisava focalizar todas minhas economias neste sentido, e a casa foi comprada em pouco mais de um ano.

Por favor, nunca faça um curso apenas para ‘aproveitar uma bolsa’, se não tiver ao menos a intenção de se dedicar. Além de não aproveitar como deve a oportunidade, você poderá tirar a vaga de alguém, e desperdiçar um tempo precioso.

Utilize as perguntas a seguir para pensar sobre sua própria vida. Estão alistadas sem qualquer ordem em particular. São apenas diretrizes gerais...

1. Nível Intelectual
Seu conhecimento e habilidades estão aumentando? O que você consegue fazer hoje que não conseguia um ano atrás? O que deseja ser capaz de fazer daqui a um ano?

Quando você leu um livro pela última vez?
Uma pesquisa recente feita nos EUA revelou que 56% dos graduados não haviam lido sequer um livro por inteiro após a formatura. Tal fato me faz lembrar daquele manual de direção que costumamos devorar às vésperas do exame de direção, para depois o abandonarmos às traças. Creio que se a carteira de habilitação fosse exigida dos insetos, as traças seriam os primeiros a obtê-la.

É verdade que em algum momento da vida, aprendemos a ler. Mas... estamos lendo? E quanto aos nossos filhos, estão vendo nosso exemplo de leitores?

Nos últimos anos da vida de meu pai, ele redescobriu a Bíblia. Ficou tão entusiasmado que qualquer motivo era razão para nos indicar sua leitura. De todas as vezes que fiquei ‘de castigo’ lendo alguns capítulos, nunca li realmente. Enquanto ‘passava os olhos’ pela página, meu pensamento continuava lá fora, no campinho. De tudo o que ‘li’ nessa época, me lembro apenas de uma palavra: João. Também, pudera, estava escrita no topo da maioria das páginas.

Minha mãe, por outro lado, simplesmente lia. Mas o fazia de forma tão consistente que imagem mais forte que me recordo dela é com um livro na mão, no fim do dia.

E a mania acabou pegando. Meu irmão, minha irmã e eu somos ávidos leitores. Lemos até embalagem de sabão em pó. Recentemente, minha filha de 6 anos estava lendo uma redação que fez na escola – de cabeça para baixo. Bem-vinda ao mundo da leitura!

Sabia que o que escolhemos ler afeta profundamente tanto nosso intelecto quanto nosso caráter? Por isso, seja tão cuidadoso na escolha dos livros quanto na escolha dos amigos. Ambos deixarão suas marcas.

Imagine que daqui por diante você consiga ler um livro por semana. Nos próximos 10 anos, leria 520 volumes. Neste mesmo período, estariam sendo publicados no mundo todo 3.650.000 livros. Ou seja, você teria lido menos de 0,02% do total.

Assim, que tal ser mais seletivo (a) no modo como decide investir seu tempo? Pode começar perguntando a alguns amigos que você admira quais os livros que mais influenciaram a vida deles.

O mesmo se aplica aos programas televisivos. Um minuto da sua atenção vale uma fortuna aos anunciantes do horário nobre. Já pensou o que poderia ser feito com tempo tão precioso de milhares de pessoas ‘antenadas’ como você?

Você costuma escrever? Gosta de pesquisar? Pratica algum passatempo, a fim de fazer a higiene mental? Quanto tempo gasta em frente à televisão? Sente-se à vontade para conversar sobre Português e Matemática, ao menos com um aluno do Ensino Fundamental?

2. Vida Espiritual

Em que, ou em Quem você realmente acredita? Suas ações em público e em particular estão de acordo com sua crença?
Você faz suas orações regularmente? Elas são uma conversa verdadeira, ou uma repetição de palavras?
Você tem fé em quê?
Medita sobre o rumo que sua vida está levando? Dedica-se a algum trabalho voluntário? Participa de algum grupo de estudos? ‘Participar’ inclui exercer alguma atividade, vai além de ‘freqüentar’...
Qual é seu nível de consciência? Qual é seu lugar no universo?
Qual é o seu senso de realização pessoal?

3. Saúde Financeira

Você sabe quanto tem no bolso neste momento?
Mantém um registro de seus gastos diários?
Costuma ir ao mercado com sua lista de compras?
Tem alguma reserva para períodos de emergência?
Conhece os princípios básicos de armazenamento doméstico?
Com quanto você conseguiria viver, se cortasse todos os gastos supérfluos?
Você tem um planejamento financeiro mensal? Anual?
Se tem dívidas, em quanto tempo planeja se livrar delas?

4. Relacionamentos

Se for casado (a)...
Você partilha momentos a sós com sua esposa/marido? Costumam passear de mãos dadas? Há quanto tempo você não faz a ela/ele uma surpresa?
Que tal dar uma melhorada no visual?
Você costuma falar bem do seu cônjuge, estando entre amigos (as)?
Quão transparente é o relacionamento de vocês?
Vocês planejam em conjunto como utilizar a renda familiar?
Se quiser receber uma informação reveladora, arrisque perguntar:
“O que posso fazer para me tornar um marido/uma esposa melhor?”

Se for solteiro...
Lembre-se que seu corpo é um templo, não um centro de visitantes.
Procure torne-se um amigo verdadeiro
Associe-se a pessoas que vivam padrões semelhantes aos seus

Em todo caso...
Sua roupa é muito curta? Muito comprida? Está muito fora de moda?
Você ri escandalosamente? Interrompe quando outros estão falando? É egoísta demais? Interessa-se apenas por seus próprios assuntos? Vive reclamando da vida? Você já se olhou no espelho hoje? Até mesmo uma forca pode se tornar mais atraente, se estiver bem pintada...

5. Saúde Emocional

Quais qualidades deseja desenvolver?
Você fica descontrolado com facilidade?
Se considera otimista ou pessimista?

6. Saúde Física

Escolha algum esporte ou exercício físico que melhor se adapte à sua condição física e circunstâncias. O importante é que você consiga alterar sua circulação sangüínea regularmente. Desta forma, eliminará o colesterol da forma mais natural possível.

Você dorme e se levanta cedo? Algumas pessoas se consideram ‘noturnas’. Ainda assim, nas primeiras horas da manhã o fluxo de idéias é mais propenso a ocorrer, e sua capacidade criativa pode ser ativada mais facilmente, tornando uma pessoa mais produtiva.
Você fuma ou bebe? Gostaria de saber como mudar esse hábito?
Como vai sua dieta alimentar? Ao trocar um pouco do ‘fast food’ por uma alimentação mais natural, seu bolso e sua saúde vão agradecer...

7. Vida Social

Com quantas pessoas você se relaciona? A quantas costuma telefonar? Como anda sua caixa postal? Conserva alguma amizade por mais de uma década?

Para manter contato com os integrantes da sua lista de emails, de vez em quando mande uma breve mensagem a todos de uma vez. Basta enviar o email para você mesmo(a), colando os emails dos amigos no campo CCO (com cópia oculta). Assim, todos receberão seu recado, sem que você divulgue o endereço de uns para os outros. Muito cuidado para não tornar essa prática freqüente, ou seus amigos acabarão ignorando sua insistência.

Outro atributo que conta pontos em sua vida social é a pontualidade. Li, num artigo de Seleções do Reader’s Digest, ‘O Terrível Hábito de Chegar Atrasado’, que algumas pessoas costumam chegar atrasadas porque pensam que são mais importantes que as outras. Esta pode muito bem ser uma mensagem implícita que enviamos àqueles que deixamos esperando. O problema é que eles também podem acabar se cansando.

8. Vida Profissional

Como você se sente quando está terminando seu período de folga semanal? Animado (a) para retornar ao trabalho, ou gostaria de folgar ao menos mais um dia?
Em quanto tempo você retorna os emails e telefonemas? Tem planos para progredir no trabalho? Está se especializando na profissão, ou sua experiência é apenas uma repetição de tarefas ano após ano? Gostaria de ter a si mesmo como patrão? E como funcionário?

Antecipe a realização da meta pela visualização
Quando comecei a estudar piano, freqüentemente me visualizava fazendo uma apresentação em público. Em meu pensamento, o público gostava muito da apresentação.

Dentro de alguns meses, tive aquele sonho realizado por duas vezes, e senti algo parecido ao que havia antecipado com o poder da imaginação.

Aliste suas razões para mudar

Tente viajar no tempo mentalmente. Você imaginava estar, na sua idade, exatamente onde está agora? Queria seguir esta profissão? Ter esse tipo de casamento? Estar nessa condição física?

Se as respostas forem em sua maioria negativas, você tem bons motivos para mudar.

Já pensou no que deixará de ganhar, sentir, conhecer, usufruir, se permanecer exatamente onde está?

Alguns afirmam que o inferno é aqui. Outros, que é apenas um estado de inquietação. Acredito que em parte seja um estado mental, com base na idéia de que não se atingiu o pleno potencial. Aquela velha história do “eu poderia ter sido”, “eu deveria ter me dedicado mais” ou o sentimento do adolescente que vive repetindo “eu deveria estar na 7ª série, mas repeti um ano...”

Mas o inferno por completo mesmo deve ser um sentimento de limitação permanente em seu progresso. Saber que não pode mudar do ponto onde se encontra.

E o que seria o ‘céu’?

Para ilustrar, tive o privilégio de participar do Comitê Organizador dos XV Jogos Pan-americanos Rio 2007, como um dos coordenadores do Programa dos Observadores.

Nossa credencial tinha um símbolo chamado ‘infinito’ (que mais parecia um ‘8’ deitado) o qual nos permitia agendar visitas a qualquer instalação esportiva. Uma vez lá dentro, tínhamos acesso a praticamente todos as áreas, desde o aquecimento ao campo de jogo, passando por todas as cabinas de apoio.

Obviamente tal liberdade trazia consigo uma grande responsabilidade. Não poderíamos utilizar a credencial em benefício próprio – apenas durante as visitas em companhia dos participantes do Programa.

Registre seu progresso

A ‘mãozinha’ mais certa com a qual você poderá contar está mais perto do que imagina... Na verdade, está bem aí, grudada no seu braço!

Me refiro ao hábito de iniciar seu diário pessoal. Ao estabelecer este hábito em 21 dias, você terá a chance de se conhecer melhor. Além de ampliar sua percepção dos fatos do dia-a-dia e da utilização do tempo, se tornará mais consciente de seus relacionamentos.

Sua gratidão pelas pessoas que te cercam, assim como o sentido de valorização de sua própria vida aumentarão de forma significativa. Comecei o meu em 1985, e foi um dos melhores hábitos que adquiri. E para concluir...

Não exija que todos ajam como você

Quando consideramos um determinado comportamento como o mais correto ou proveitoso, podemos nos inclinar à arrogância ao tentar submeter os outros aos nossos padrões.

Este caso talvez ilustre o assunto de forma mais clara:

Minha esposa e eu sempre procuramos fazer amizades com os vizinhos. Até hoje, apenas uma pessoa não nos cumprimentava. No início, embora fizéssemos nossa parte acenando à distância sempre que a encontrávamos, ela nunca nos acenava de volta.

Com o passar do tempo, achando que fosse um caso de timidez excessiva, fomos deixando aos poucos de cumprimentá-la.

Quase uma década depois, estava na casa de um amigo, quando a vizinha surgiu no início da rua. Como sempre, acompanhada de um de seus filhos.

Minha esposa fez menção de comentar, e eu pensei comigo mesmo: “Ah, não! Já vai criticar a timidez da mulher de novo...”

Mas seu comentário me pegou no contrapé:

“Amor, sabia que eu descobri que aquela nossa vizinha é cega? Por isso que ela só anda acompanhada de um dos filhos...”

Engoli em seco.

Agora é sua vez. Não conheço suas aspirações, nem tampouco suas circunstâncias. Mas sei que há espaço para progredir e crescer em alguma área de sua vida.

Por isso, torço para que você encontre uma maneira inteligente de aplicar os princípios aqui abordados.

Ao menos... por mais este restinho de ano!

Charlles Nunes
Enviado por Charlles Nunes em 03/11/2007
Código do texto: T722277
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Charlles Nunes
Volta Redonda - Rio de Janeiro - Brasil, 48 anos
99 textos (242327 leituras)
17 áudios (3466 audições)
5 e-livros (58063 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 11:12)
Charlles Nunes