Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Já que é guerra...

Nas notícias diárias do Rio de Janeiro o assunto recorrente é a guerra entre traficantes e a polícia. E para a população, a maior vítima deste conflito sem fim, refém de bandidos e, impotente, só lhe resta lamentar seus mortos, pegos nos constantes tiroteios. E entra governo, sai governo e a violência continua.  E a guerra continua. E o pior é que não se vislumbram soluções para o problema. Recentemente o filme Tropa de Elite pôs à mostra as vísceras da problemática. Policiais corruptos, políticos coniventes, justiça complacente e advogados “muito competentes” e consumidores... Bom...  talvez, ou com certeza, esteja aí a moeda corrente que alimenta e financia tudo isso.

 Tenho uma idéia radical que poderia acabar com essa guerra:
   Pobre não tem dinheiro para comprar droga. Entra no tráfico para isso. Ora, se é a classe alta   a que mora em condomínios de luxo da zona sul – que consome e paga altos preços por isso, por que não liberar geral? A partir daí, consuma drogas quem queira, ou que tenha dinheiro para isto. Certo?  Ora, liberando-se a venda, com a droga sendo vendida, por exemplo, no boteco da esquina, cairiam os preços, gerar-se-iam impostos, os traficantes mudariam de profissão, os policiais corruptos não teriam mais quem lhes pagasse propinas e os advogados “muito competentes” teriam que rever seus conceitos, e a paz voltaria aos lares.

Agora, se você está me perguntando: – Como ficaria o problema dos consumidores?  E eu responderia: eles continuariam consumindo em grandes quantidades. E morrendo nas mesmas proporções, de overdoses. Porém só eles, e não as vítimas inocentes que pagam com a vida sem não  ter nada a ver com isso.

 A  polícia teria  mais condições  físicas,  e morais, para  se dedicar à segurança do cidadão. E a partir daí, Fernandinho Beira Mar poderia ser anistiado, pois  ele não teria mais atividade no tráfico, passando a ser apenas um bem sucedido comerciante de cocaína, craque, maconha e afins, pagando religiosamente os impostos:  ICMS,  Pis, Pasep, Cofins, Renda e até a CPMF de Lula.

(Artigo publicado no Jornal Nova Fronteira ,de Barreiras - Bahia 30-11-2007)

 

Vinícius Lena
Enviado por Vinícius Lena em 01/12/2007
Reeditado em 01/12/2007
Código do texto: T760792
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vinícius Lena
Barreiras - Bahia - Brasil, 87 anos
467 textos (28221 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 19:43)
Vinícius Lena