Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Possessão
Publicado por: Laura Lucy Dias
Data: 12/09/2016
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Possessão, lido e escrito por Laura Lucy Dias

Texto

Possessão

Guilherme ouvia a voz da mãe rezando, a voz estava longe e ele não distinguia de onde vinha. Ela sempre rezava, então não se preocupou muito. O que o pegou foi o fato de estar tudo tão escuro. Não só estava escuro, como estava muito frio. Estava tão quente quando se lembrava da sua casa, mas ali o seu hálito saia esfumaçando no ar.
Ele arriscou chamar pela mãe, para quem sabe obter uma resposta aquela esquisitice toda:
- Mãe?! - gritou para frente.
Teve como retorno:
-MÃE MÃE MÃe mãe mã...
Um eco.
Ela continuou sua reza sem parar e ele sentiu medo. O medo subiu pela espinha e tomou conta da mente e então Guilherme colocou-se a rezar o pai nosso, pois sabia isso de cor. Rezou rápido, repetida e fervorosamente até que sentiu um baque e seu corpo foi projetado para o nada, no sentido de uma luz avermelhada e bruxuleante. Lá ele conseguiu ver vultos que passavam por ele e o arranhavam, ele sentia sangue escorrer pelos machucados, e gritava desesperado. A reza de sua mãe ficou mais forte, e ele com mais medo. Gritou mais vezes por ela:
- Mãe, me ajuda! Mãe!
- Cale-se! - uma voz cavernosa e pegajosa se apossou dele, chacoalhando- o no ar, fazendo aqueles vultos abrirem espaço em torno dele e daquelas mão ferventes que o agarravam.
Guilherme pôs-se a chorar desesperadamente enquanto gritava e sentia as carnes queimarem.
- Senhor, salva meu filhinho!
Ouviu a mãe dizendo claramente. Ela sabia! Ela sabia! Mãe! Guilherme começou a gritar para ela e então ela começou a rezar novamente. Em pânico o garoto quicou no chão enquanto aquele ser em brasa infernal lhe largou gritando furioso:
- Ele é meu!
Nada mais passou por sua cabeça que não fosse o pai nosso e a sua mãe. Guilherme rezou e rezou por horas, e sua mãe também.
Ele achou que não conseguiria, quando ouviu outras vozes se juntando às vozes dele e de sua mãe, aquela escuridão cheia de vultos se remexeu e ele não sentia mais tanto frio. Houve sons de rosnar e relinchos infernais. Ele não parou de rezar e nem sua mãe.
Aos poucos Guilherme sentiu que estava muito úmido, com dores lancinantes pela pele, e seu rosto queimava como se tivesse caído água fervendo.
Sons mais fortes de trovões e explosões, muita fumaça, as dores aumentavam, o cheiro de sangue e enxofre diminuiu e o cheiro de urina e fezes marcou sua memória. Sentia dores de espasmos musculares mais duras que câimbras da natação.
Vislumbrou sua mãe diante dele, sobre ele, muito rápido, mas nada que o tirasse dali. Ouviu mais forte as vozes que se juntavam ao coro de suas preces, conseguiu entender o que sua mãe pedia em suas preces:
- Senhor, livra meu filhinho desse demônio!
Ele estava possuído! Ele tinha um demônio em si! Ele ... rezou mais, fez força, chamou pela mãe.
Por muito tempo a coisas ficaram assim, até que Guilherme despertou para nossa realidade ao receber uma carga de água fria na cara quente e rachada, sangrenta. Viu e observou vizinhos e um padre, o padre Jorge, fumando no canto, todos suados, todos em pânico, todos aliviado.

Ele resfolegava quando sua mãe o levantou e abraçou, e ele pode se olhar no espelho da parede em frente: era uma criança inchada, cortada, rachada, acinzentada e arroxeada, seus olhos tinham sangue, sua boca e sua pele, ele parecia um cadáver, um morto vivo.

Sinopse do livro Obra perturbadora
“Sempre do ponto de vista de crianças, suas protagonistas, os contos da Obra Perturbadora pretendem mexer com seu leitor, trazendo experiências de leitura com finais abertos e incongruências propositais, que podem até parecer em primeiro momento uma falha da autora, porém, o resultado no leitor é, em geral, atingido e previsto durante a produção deles.
Prepare-se para sentir estranheza, insegurança, suspense, violência, e principalmente a expectativa que traz a melhor sensação do suspense. A autora busca em alguns contos contextualizar o seu leitor para depois apresentar um desfecho incongruente ou violento, ou de uma forma muito distinta não contextualiza o leitor e dá toda a situação ocorrida e o que se espera é que a experiência do leitor trabalhe com as questões que surgem, de forma a trazer a tona a própria personalidade do leitor, seja instigando-o a buscar respostas que não terá, a se revoltar com a falta de informação desejada ou a lidar com o prazer da sensação atingida na leitura. Que tipo de leitor é você? Um detetive, que quanto mais instigado mais busca saber? Um frustrado que para a leitura por não aceitar o jogo da autora? Um imaginativo que complementa as histórias com as possibilidades e se delicia seja com o contexto que lhe é cobrado ou com o desfecho que é incongruente?
Descubra-se lendo a Obra Perturbadora, contos curtos e rápido de terror e suspense que trazem desde os mais clássicos terrores psicológicos até os mais modernos, influenciados pelo Edgar Alan Poe, Stephen King, Lovercraft, entre outro e o cinema do século XX e XXI.”
http://inquietacoesdelauralucy.blogspot.com.br/search/label/Obra%20Perturbadora
Laura Lucy Dias
Enviado por Laura Lucy Dias em 15/08/2016
Reeditado em 24/01/2017
Código do texto: T5729521
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Laura Lucy Dias
São Paulo - São Paulo - Brasil, 37 anos
87 textos (3526 leituras)
10 áudios (559 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/12/19 16:44)
Laura Lucy Dias
Rádio Poética