Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
O Vale das Sombras
Publicado por: Wilde Green
Data: 01/01/2021
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Texto: Welington Pinheiro (Wilde Green)

Vozes, trilha sonora e efeitos especiais: Guto Russel
https://www.recantodasletras.com.br/autores/gutorussel

Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Texto

Vale das Sombras


Há muito tempo, o vale era fértil, um lugar verde. A luz dourada do sol produzia gotas douradas com o orvalho deixado pela noite. O vento brincava com a folhagem da vegetação e os pássaros cantavam pelos bosques e pelos campos. Não havia doenças no vale, não havia pobreza, não havia guerra. Era o tempo que os homens acreditavam que podiam falar com os animais e que no bosque, as árvores eram espíritos sábios e antigos.

Mas eles nunca entenderam a felicidade que tinham. Então fizeram o ritual. Xavier, o bruxo, foi quem o executou. Queriam mais. Não queriam a paz, o amor e a alegria, desprezevam estes tesouros porque nunca deles sentiram falta. Então desejaram os metais brilhantes do coração das montanhas para preencher o vazio de suas almas sem fundo; as vastidões territoriais para seus olhos gananciosos; o controle sobre as almas para satisfazer seus egos deformados. Xavier os encheu de vazios, devastando o interior das pessoas. E depois espalhou vazio e sombras pelo mundo.

E pouco a pouco o verde foi deixando as terras dos nuvares. Os grandes vales viraram lamaçais tóxicos onde a ganância produziu crateras enormes em busca de minérios. Tempestades funestas de gases asfixiantes e água ácida estrangulavam as antigas florestas sagradas, quais criaturas monstruosas e sombrias a marcharem pelos céus. Uma lama preta e densa se estendeu pelo chão, as árvores se converteram em madeira podre, a gente dos vilarejos tornou-se lúgubre e fantasmas rasgavam o silêncio dos campos com gargalhadas maléficas todas as noites sob a densa e fétida neblina que emanava dos pântanos.

E todos se acostumaram. Em pouco tempo não lembravam mais dos fios dourados do amanhecer ou do sorriso das crianças. Seu mundo tornou-se uma triste canção de silêncio e dor.

Xavier, contudo, realizava sua cobiça. Tornara-se rei. Um soberano insano de um mundo de fantasmas. E seu povo ainda achava que com ele o mundo era melhor.
Wilde Green
Enviado por Wilde Green em 02/10/2020
Reeditado em 21/10/2020
Código do texto: T7077425
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Wilde Green
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 36 anos
2 textos (596 leituras)
16 áudios (466 audições)
2 e-livros (55 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/01/21 00:10)
Wilde Green
Rádio Poética