Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
Sem pegada não rola!
Publicado por: Rosa Pena
Data: 10/12/2008
Créditos:
texto e voz: rosa pena

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto

Sem pegada não rola!
               Rosa Pena



 
Chutaria quarenta, talvez um pouco mais. Se ele afirmasse que tinha menos eu desconfiaria um bocadinho, mas sem invalidar o charme um tantinho enrugado no canto dos olhos e ligeiramente careca, que quase me atropelou. Não na vida, mas na via. A idiota aqui corria cheia de sacolas de natal para pegar um táxi e por pouco não se atirou debaixo da moto dele, uma bela Honda, que fique registrado. Ele, o motorista, freou cambaleando para evitar o choque. Saltou, segurou o meu braço com a força exata e me deu uma bronca pela desatenção, mas com a voz baixa e suave como se pedisse um vinho para dois.
 
Eu não ouvia mais o que ele dizia, pois só conseguia me lembrar das meninas que sempre falam:
—  Sem pegada não rola.
Ele não era atraente demais, nem de menos, muito menos um homem mais ou menos. Era atraente o suficiente e tinha pegada! Fiquei sorrindo e me senti lisonjeada de ter sido quase atropelada por um homem feio-bonito, perfumado e que vestia uma  Ralph Lauren com um jeans desbotado de forma bem displicente. Ele certamente percebeu minha cara de "ai, caramba!" e perguntou de um jeito quase infantil se o espelho da moto tinha batido na minha cabeça. Dei uma gargalhada. E foi assim que se quebrou a garrafa do gênio da menopausa. Os três desejos ficaram ao meu dispor:
Que não solte jamais o meu braço!Quero outras broncas dessas, ditas bem baixinho! Que fique para sempre com esse rostinho de querubim vadio!

O juízo, um eterno mal-amado, voltou apressado e eu ergui minha cabeça educadamente. Pedi desculpas pela distração, sorri, dei tchau, ganhei a rua e o dia. Agora eu sabia que o conjunto de barba por fazer, carinha de menino carente, um gesto brusco mesclado com um meigo, um olhar masculino bem dado que faz uma mulher se sentir linda desde a escova progressiva até o mindinho do pé é o que atualmente se chama de pegada. Afê Maria! Pegada é o sinônimo do velho e conhecido borogodó acrescido de um ligeiro ou intenso contato físico!

Peguei o celular e liguei pra minha filha. 
—  Querida quase fui atropelada por um cara que tem pegada!
Mãe, você não acha melhor parar de fazer essa progressiva mensalmente? É muita quentura na cabeça. 
—  Tem razão boneca. Esqueci que o mundo só começou depois que você nasceu para me ensinar.
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 10/12/2008
Reeditado em 10/01/2009
Código do texto: T1328542
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
987 textos (1584484 leituras)
48 áudios (24852 audições)
33 e-livros (31245 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/09/19 06:57)
Rosa Pena

Site do Escritor
Rádio Poética