Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
DESTESSITURA-"Hidra Inofensiva para Heroísmo..."
Publicado por: Zuleika dos Reis
Data: 12/01/2018
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Título - DESTESSITURA (de "Hidra Inofensiva para Heroísmo Nenhum", que está como e-livro no Recanto
Autor - ZULEIKA DOS REIS
Voz - ZULEIKA DOS REIS

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto



                 
                      DESTESSITURA

                   Para Jorge, pela tessitura do texto, não pelo tema 


                Texto escrito em 1994 - Republicação
                                               



 
     Parecem galos tecendo a manhã. De galos que tecem manhãs só conheço os exemplares do poema de João Cabral. Se, para nascer, minha manhã  dependesse  de  galos, tudo aqui  seria  uma  perpétua
Noruega no inverno porque o único habitante de crista, morador no último quintal dos arredores, só mantém um fiapo de fôlego. Ao contrário dos velhos, dia a dia desaprende, mais e mais, as cantigas da infância.

     Não, não se parecem com o cantor decadente, tampouco com os tecelões de Cabral. Assim, nada sobra da primeira afirmação. Nada, sequer a palavra tecendo teiatecidotela... tela evoca retrato e eles, no momento incomparáveis, de modo algum se deixam aprisionar mais que no ensaio de um esboço.
     Talvez não surja tal pedra no caminho, com este recomeço: Parecem andorinhas fazendo verão. Mas, é preciso negar, imediatamente, que se pareçam com andorinhas fazendo verão, negação a trazer de volta o branco inicial onde se havia tecido a imperfeita sequência de tês, que apenas conduzira o texto a intrigas mínimas e não a um tête-à-tête com os que não se parecem com galos. Forçosa se torna a fuga efetiva do tititi sem sentido, que continua a lembrar mais o trabalho de um pica-pau do que o de um tecelão.
     Eles não urdem manhãs, não parecem andorinhas nem galos. Às vezes proferem monólogos e aí se assemelham ao exemplar quase afônico ou àqueles que se acham plenos de veredas perdidas. Não alcanço que nome lhes dar, sei apenas suas vozes se erguendo, coro de pouca afinação que acorda o insone do sono de segundos, com habilidade não comparável à dos galos cabralinos nem à das andorinhas fazendo verão. Não, não se assemelham, deveras, a um coro de querubins.
 

 
Do livro inédito HIDRA INOFENSIVA PARA HEROÍSMO NENHUM.
Nota. Postado como e-livro no Recanto.
 
 



 
Zuleika dos Reis
Enviado por Zuleika dos Reis em 19/08/2014
Reeditado em 19/08/2014
Código do texto: T4928641
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Imagem da Internet). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Zuleika dos Reis
São Paulo - São Paulo - Brasil
7126 textos (212199 leituras)
970 áudios (60064 audições)
3 e-livros (227 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/01/18 20:42)
Zuleika dos Reis
Rádio Poética