Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Áudio
O velho de chapéu
Publicado por: Sr Arcano
Data: 01/03/2018
Classificação de conteúdo: seguro
Créditos:
Crônica: "O velho de chapéu"
Do livro: Algum amanhã de merda que para sempre já morreu
Autor: Sr. Arcano
Voz: Sr. Arcano

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Texto
O velho de chapéu

 
Um dia tudo acaba. E nós mesmos somos os responsáveis por essa eterna vida de dor em que vivemos.
 
O sorriso de centenas de ricos é uma máscara que esconde o triste vazio de suas futilidades. Objetos de ostentação material ou drogas que os entretenham são, na verdade, pequenos aprestos contra a paz de espírito: sempre geram desconforto, insegurança e perdularismo. Conseqüências do mau uso da riqueza.
 
As luzes ofuscantes das festas trazem consigo a ressaca de um defrontamento amargo com a realidade, e é no dia seguinte que você dá valor à paz, mas logo se esquece e volta a cometer os mesmos erros.
 
Foi nessa atmosfera que, numa manhã nublada e vazia, eu me defrontei com o velho de chapéu.

Sim, o velho de chapéu...

Ele trabalhava por anos como carroceiro naquela cidade de mudanças. Transportando cargas diversas dos pacatos vizinhos em sua carroça puxada por seu simpático e bonito cavalo marrom, o velho garantia o seu sustento diário, passeando pela verdejante cidade cortada por um rio cheio de peixes.
 
A carroça, ele mesmo fez, e tinha orgulho de sua obra. Não que precisasse trabalhar, mas sim porque apreciava a liberdade de andar em sua carroça, sem ter um patrão para servir. Além disso, o velho de chapéu tinha sua própria terra, um sítio onde cultivava sua vida saudável.
 
Mas naquela manhã ele não parecia saudável. De um dia para o outro, perdeu todos os seus clientes. Amigos que, com o passar do tempo, sumiram misteriosamente.
 
A cidade provinciana evoluiu muito rápido. Centenas de árvores foram derrubadas, e no lugar delas, prédios e grandes casas brotaram do solo como um milagre da urbanização. O rio já não tem mais peixes: nele desembocam esgotos (solução política de porcos cidadãos). E o velho de chapéu, agora, está sentado na calçada (onde foi parar sua pedra?), esperando por um cliente que nunca mais virá, acompanhado de seu cavalo já surrado pelo tédio e pela poluição.
 
Um caminhão de garis passa recolhendo o lixo, e as pessoas arrumadas para o trabalho passam pelo velho apressadas, correndo para os ônibus lotados em direção ao centro da cidade, estressadas com o trânsito caótico e a falta de tempo livre. E também com o chefe de seus empregos. Chefe... palavra que por si só já é uma agressão contra o trabalhador, que abre mão de seu tempo, conforto e liberdade. Três coisas inteiramente suas que passarão a ter um novo dono: o seu chefe!
 
A impressão causada pelo velho de chapéu, daquele jeito, sentado na calçada, para essas pessoas que se comportam como animais mecânicos, é a de que ele não passa de um simples mendigo.
 
O velho olha para o céu na esperança de conversar com Deus e obter uma resposta, e um helicóptero passa trazendo o típico barulho que contribuiu para o assassinato da paz da cidade.
 
Ele pergunta para si mesmo: "O que aconteceu?"
 
Foi até uma loja ali perto e pediu água.

De repente, ouviu homens gritando e gargalhando como se fossem ogros imbecis, enquanto jogavam latas vazias de cerveja na rua como se o lugar fosse um lixo a céu aberto.
 
Eram vândalos da casta nobre, que estacionavam seus carros de luxo próximo ao bar. Mais latas de cerveja gelada nas mãos, e o som alto do carro tocando: "Que tiro foi esse!".
 
E o velho pensou... "Essa cidade era tão rica. E agora está tão vazia quanto o cérebro de seus novos habitantes".
Sr Arcano
Enviado por Sr Arcano em 19/09/2012
Reeditado em 01/03/2018
Código do texto: T3890508
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Sr Arcano
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 38 anos
146 textos (15891 leituras)
11 áudios (268 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/11/18 22:35)
Sr Arcano
Rádio Poética