Deus Requer Santificação aos Cristãos 69

Publicado por: Silvio Dutra
Data: 20/03/2022
Classificação de conteúdo: seguro

Créditos

Texto: Silvio Dutra
Voz: Silvio Dutra

 

"Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus".
"Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões";
"nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça".
"Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça".
"E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum"!
"Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para a morte ou da obediência para a justiça"?
"Mas graças a Deus porque, outrora, escravos do pecado, contudo, viestes a obedecer de coração à forma de doutrina a que fostes entregues"; 

"e, uma vez libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça". [Romanos 6: 11-18]

Como a lei não pode nos justificar do pecado, antes nos condena por sermos pecadores, Cristo se fez maldição em nosso lugar para nos resgatar, ou seja, para nos tirar de debaixo da condenação da lei, de modo que identificados com Sua morte, somos considerados por Deus como tendo morrido juntamente com Ele, de modo que a lei já não possui qualquer poder para amaldiçoar e condenar o crente, caso ele venha a transgredir eventualmente os seus mandamentos.

A graça do evangelho alcançou o crente e passou a reinar em seu coração, de modo que pelo poder da graça, o domínio antigo do pecado é quebrado e o crente não necessita e não deve permanecer na prática do pecado, uma vez que é convocado por Deus a mortificar o pecado pelo poder do Espírito Santo.

 

Na santificação dos crentes, o Espírito Santo opera neles, em sua alma inteira; sua mente, vontade e afeições - um hábito gracioso e sobrenatural, princípio e disposição de viver para Deus, em que a substância ou essência, a vida e o ser da santidade consistem.

Este é aquele espírito que nasce do Espírito Santo; aquela nova criatura, aquela nova natureza divina que é trabalhada neles, da qual são feitos participantes.

Nisto consiste a imagem de Deus, para a qual nossa natureza é restaurada pela graça de nosso Senhor Jesus Cristo, pelo qual nos tornamos conforme a Deus, firmemente aderindo a Ele através da fé e do amor.

É, portanto reconhecido que, a primeira infusão sobrenatural ou comunicação deste princípio de luz espiritual e vida – de preparar, ajustar e habilitar todas as faculdades de nossa alma para os deveres de santidade, de acordo com a mente de Deus pertence ao trabalho de nossa primeira CONVERSÃO.

Mas a preservação, valorização e aumento deste princípio pertencem à nossa SANTIFICAÇÃO, pois tanto sua infusão quanto sua preservação são necessariamente imprescindíveis para a santidade.

Assim a árvore fica boa, para que seus frutos sejam bons, pois sem santificação  os frutos não serão bons. Esta é nossa nova natureza. Não surge de ações precedentes de santidade, ao cont rário, é a raiz de todas elas.  

 

Hábitos adquiridos por uma infinidade de atos, sejam em coisas morais ou artificiais, não são uma "nova natureza", nem podem ser chamados assim; tais hábitos são uma prontidão para agir apenas por uso ou costume, mas essa nova natureza vem de Deus, seu Pai; é o que é nascido em nós de Deus.

É comum, ou o mesmo em todos os crentes quanto à sua espécie e ser, mesmo que não quanto aos seus graus e exercício. É o que não podemos aprender, que não pode ser ensinado a nós exceto por Deus, assim como Ele ensina outras criaturas nas quais planta um instinto natural.

Conformidade com Deus, semelhança com Cristo, conformidade com o Espírito Santo, ingresso na família de Deus, comunhão com anjos, separação das trevas e o mundo, tudo consiste nisso.

 

Em segundo lugar, a questão da nossa santidade consiste em nossa obediência real a Deus, de acordo com o teor da aliança da graça, pois Deus promete escrever Sua lei em nossos corações, para que O temamos e andemos nos Seus estatutos.

 

A respeito disso, em geral, podemos observar duas coisas:

1. Esta é a vontade revelada de Deus na Escritura, Mq 6: 8

A vontade de Deus, eu digo, conforme revelada a nós na Palavra, é a regra de nossa obediência. A obediência tem uma regra, que nada mais pode pretender ser a mesma.

A vontade secreta ou os propósitos ocultos de Deus não são a regra de nossa obediência [Dt 29: 29], muito menos nossas próprias imaginações, inclinações ou razão. Nem faz qualquer coisa pertencer a esta regra, o que fazemos em conformidade com essas coisas, ou por sua direção, por mais plausível que seja, [Cl 2: 18-23], mas a palavra de Deus é a regra adequada de toda a santa obediência:

(1) É assim materialmente.

Tudo o que é ordenado na Palavra de Deus pertence à nossa obediência, e nada mais o faz, portanto somos estritamente obrigados a não adicionar a ela, nem diminuir ou tirar nada da Palavra, [Dt 4: 2, 12: 32], [Js 1: 7], [Pv 30: 6], [Ap 22: 18,19]

 

(2) É assim formalmente; tudo o que fazemos, devemos fazê-lo porque é comandado, ou então não faz parte da nossa obediência ou santidade.

[Dt 6: 24, 25], [29: 29], [Sl 119: 9]

Eu sei que existe uma luz inata da natureza que ainda permanece em nós, o que nos dá grande direção quanto ao bem e ao mal moral, comandando o primeiro e proibindo o outro [Rm 2: 14, 15], mas esta luz, por mais que se torne subserviente e subordinada à Palavra de Deus, não é a regra da santidade do evangelho como tal, nem é qualquer parte dela.

A lei que Deus escreve em nossos corações por Sua graça, corresponde à lei que está escrita na Palavra que nos é dada. E,  como o Espírito Santo é o único princípio de nossa obediência evangélica, então a Palavra é nossa única regra.

Para este fim, Deus prometeu que seu Espírito e Sua palavra irão sempre acompanhar um ao outro - um para vivificar nossa alma, e o outro para guiar nossa vida. [Is 59: 21]

A palavra de Deus pode ser considerada nossa regra em um aspecto triplo:

(1) Uma vez que requer a imagem de Deus em nós.

A retidão habitual de nossa natureza com respeito a Deus e nosso viver para Ele, é ordenado a nós na Palavra; sim, e é trabalhado em nós pela Palavra.

Toda a renovação da nossa natureza, o ato do princípio de santidade descrito antes, nada mais é do que a Palavra mudada em graça em nossos corações, pois nascemos de novo pela semente incorruptível da Palavra de Deus.

O Espírito não opera nada em nós, exceto o que a Palavra primeiro exige de nós. A Palavra é, portanto a regra do princípio interno da espiritualidade de vida; e o crescimento deste princípio nada mais é do que seu aumento na conformidade a essa Palavra.

 

Silvio Dutra
Enviado por Silvio Dutra em 28/01/2022
Reeditado em 16/06/2022
Código do texto: T7439233
Classificação de conteúdo: seguro