Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Autores

Sobre a autora
Nice Macedo
Tobias Barreto - Sergipe - Brasil, 61 anos
268 textos (12138 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/05/21 19:49)
Nice Macedo

Textos do autor
Perfil
 
     Ressurreição e Vida! Busco-as incessantemente!                                                 
        Estou como os Discípulos de Emacs,
           a Caminho, com Jesus! (Lc 24, 13-15).
        
Jesus Misericordioso,"Eu Confio em Vós!"


DESERTO DA ALMA

       Senti-me impelida a partilhar o “Deserto da Alma,” em que me encontrara, quando  fui apresentada ao Recanto das Letras, por minha comadre Élia Couto Macedo. Sabedora da necessidade que tenho de escrever, interagir, de expressar meus sentimentos, diante do revés que a vida me impôs, incentivou-me a estar aqui, finalmente criei coragem de  compartilhar tamanha dor.
    Quando o Transtorno da Depressão Maior (TDM) e Transtorno do Pânico (TP) se me abateram, em junho de 2011, lutei de todas as formas, buscando em leituras de vários autores, testemunhos nas redes sócias, nos canais católicos, além do suporte de profissionais da área, que me acompanham: psiquiatra e terapeutas, não somente a explicação para o que sentia mas, o conhecimento destes  dois males da alma, eu precisava saber o que eu tinha!
Quem tinha me roubado de MIM!!??
     Difícil Dicotomia: conhecer e explicar tais mazelas! Pedi, às pessoas que tinham de lidar comigo, que não usassem os tais jargões: levante dessa cama, abra a janela, acenda a luz, você tem tudo, é só querer, arrume-se, ajude-se, você precisa reagir! É TUDO que você não quer e nem precisa ouvir é ISTO, posto que, esta luta ferrenha, você já trava consigo mesma, diuturnamente!
     Um dos vários terapeutas que frequentei, me apresentou um vídeo da OMS, sobre depressão: “Eu tinha um Cachorro preto e seu nome era Depressão”. Encontrei nele, como mostrar de forma palpável, para meu Esposo e meus filhos, que tinham de lidar comigo, o que eu pensava se abstrato: A DOR DA ALMA, 
mostrar, concretamente, este estado lúgubre e letárgico, até então indizível!
     Quanto ao Transtorno do Pânico, meu terapeuta indicou-me a música MEDO de Lenine. Expressão que se DEFINE como a somação de todas as fobias(agorafobia, claustrofobbia, aerofobia, etc.), privando-me do convívio social, familiar, espiritual... Tornei-me uma refém do medo.
     O pânico é o medo exacerbado de tudo e de todos. É quando se quebra a tênue linha, que divide o medo normal, inerente a todos nós e que pode ser denominado de prudência, do medo causado pelo Pânico. 
A Síndrome do Pânico foi conceituada, ainda no século XVI. Atualmente ela é definida como Transtorno de Ansiedade, com causas objetivas e subjetivas, que propiciam uma resposta inadequada do corpo, para lutar ou fugir de situações totalmente inofensivas.
     Quem sofre deste transtorno sente: falta de ar, tontura, sensações de desmaio e tremor, pensa que está saindo de si mesma, aceleração das batidas cardíacas, suor e medo de morrer, de enlouquecer ou fazer algum mal. Tudo isso acontece, com gatilhos disparados pelo cérebro, de forma repentina e sua duração varia muito de pessoa para pessoa. 
      Ao final de cada crise, as consequências são impiedosas, fibromialgia(dores por todo corpo, inflação dos músculos, desenvolvida, no decorrer do tempo, devido à recorrência dos músculos tensionados), frustração, sentimento de exposição total, constrangimento, choro convulsivo, etc.
"Medo, que dá medo, do medo que dá." Medo de sentir que estou sempre em rota de colisão e a qualquer momento, vou colidir com algo, que disparará o gatilho do Pânico e sentirei tudo de novo, e de novo, e de novo...
     Costumo descrever minha atual condição como: Cárcere Privado, pois sinto-me prisioneira de mim mesma, exilada num campo esfíngico aonde ninguém vai, emparedada de modo invisível e impenetrável. Encastelada numa torre fúnebre, somente visitada, por pessoas bem próximas, alguns familiares, além de meu Esposo e meus filhos.
      O medo, impede-me de sair, ver gente, conviver socialmente, de ficar só, andar de elevador, ir à feira, supermercado... Desde a ação mais banal à mais complexa! Cura?! Não alimento mais, vivo em "manutenção", como diz minha Psiquiátra.                          No presente momento, as coisas só pioraram, desde que meu amado Esposo, fora morar no Céu! Estou sem minha metade sã, alegre, vivaz, meu esteio, meu porto seguro... Ficou somente a metade doente!

Todo mundo é capaz de dominar uma dor, exceto quem a sente.(William Shakespeare) 

Medo - Lenine

Tenho medo de gente e de solidão
Tenho medo da vida e medo de morrer
Tenho medo de ficar e medo de escapulir
Medo que dá medo do medo que dá
Tenho medo de acender e medo de apagar
Tenho medo de esperar e medo de partir
Tenho medo de correr e medo de cair
Medo que dá medo do medo que dá
O medo é uma linha que separa o mundo
O medo é uma casa aonde ninguém vai
O medo é como um laço que se aperta em nós
O medo é uma força que não me deixa andar
Tenho medo de parar e medo de avançar
Tenho medo de amarrar e medo de quebrar
Tenho medo de exigir e medo de deixar
Medo que dá medo do medo que dá
O medo é uma sombra que o temor não desvia
O medo é uma armadilha que pegou o amor
O medo é uma chave, que apagou a vida
O medo é uma brecha que fez crescer a dor
Medo de olhar no fundo
Medo de dobrar a esquina
Medo de ficar no escuro
De passar em branco, de cruzar a linha
Medo de se achar sozinho
De perder a rédea, a pose e o prumo
Medo de pedir arrego, medo de vagar sem rumo
Medo estampado na cara ou escondido no porão
O medo circulando nas veias
Ou em rota de colisão
O medo é do Deus ou do demo
É ordem ou é confusão
O medo é medonho, o medo domina
O medo é a medida da indecisão
Medo de fechar a cara
Medo de encarar
Medo de calar a boca
Medo de escutar
Medo de passar a perna
Medo de cair
Medo de fazer de conta
Medo de dormir
Medo de se arrepender
Medo de deixar por fazer
Medo de se amargurar pelo que não se fez
Medo de perder a vez
Medo de fugir da raia na hora H
Medo de morrer na praia depois de beber o mar
Medo… que dá medo do medo que dá
Medo… que dá medo do medo que dá











 
 


Última atualização em 09/05/21 19:49