Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Autores

Sobre o autor
Carlos Cabalini
Vila Velha - Espírito Santo - Brasil
364 textos (24387 leituras)
1 áudios (266 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 12/08/20 12:12)
Carlos Cabalini

Textos do autor
Áudios do autor
Perfil
Não sei porque nunca consigo escrever nada sobre
mim...talvez porque sinto não merecer meus próprios
elogios, que poderão parecer "suspeitos", ou pela auto-
critica de não reconhecer predicados que mereçam ser
citados.
Por outro lado, não me encorajo em citar meus defeitos,
talvez por serem tantos que não sobrarão caracteres, ou
porque, intimamente, sempre acabo me perdoando e jogando
alguns panos quentes para classificá-los como aceitáveis,
o que para mim acaba sendo, neste auto-paternalismo.
Mas, diferentemente de Sarney, sou uma pessoa comum, um
brasileiro sonhador, amante da vida, da música, da
poesia, da amizade e do amor. Um ser humano, enfim,  que
conta moedinhas no final do mês para não ficar no escuro,  
poder lavar as louças e as cuecas e, principalmente, garantir o
arroz com feijão de cada dia.
Acredito em Deus... católico, apostólico, romântico...
Libriano, (12 de outubro), nascido em Alegre (ES).
Tenho 22 anos de idade e mais 40 de experiência, bem
vividos, na paz e no amor.. Chamo isso de juventude acumulada...
Casado, pai de três filhos e vovô duas vezes...
Cursei Ciências Contábeis e por azar sou funcionário
público, onde ganho pouco e trabalho muito. Aliás, sou
marajão: fama de marajá e salário de pião...
Meu nome é trabalho, sobrenome hora extra -
Adoro tocar violão... toco pro gasto e prá bêbados...sou
uma espécie de Chico Buarque dos pobres ou Reginaldo
Rossi dos "chics"...
Pareço-me bastante com meu carro, às vezes na contra-mão,  
um tanto enferrujado, lataria amssada, descarga poluente, dificuldades
na hora de subir, farois embaçados,  consumimos álcool, roncamos, empatamos o trânsito, às vezes somos rebocados, e ambos temos pneus e carecas...
Mas, apenas o carro dá marcha à ré...
Antes de morrer ainda tenho que dar um bom prêmio à minha
mulher que vem me aturando há 32 anos ouvindo eu tocar e
cantar quase sempre as mesmas músicas e aplaudindo. Penso
que ela deve gostar muito de música, ou de mim. Prefiro
acreditar na segunda opção...
Deixo um abraço a todos e agradeço aos que visitarem
minha página...


Última atualização em 12/08/20 12:12