Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um rei simples


 A vida é assim, como a porta que se fecha quando se tem pressa,                                                      como o pão guardado no armário, que fica ali esquecido;                                                                  opostos desse circuito de coisas, que o homem vivência na esfera do cotidiano,como a flor que nunca se fere com seus espinhos,                                                                              ou o maestro que não esquece a nota, e o iniciante que acerta de primeira;
 A vida vai seguir mais, e estaremos juntos, as oportunidades, as marés,                                         os mares estarão lá pra nos confirmar tudo o que vivemos,                                                                           haverá dias bons e dias,                                                                                                                                       noites gostosas de se reviver e de lembrar e simples noites,                                                                                     pessoas que  marcam épocas e tempos da vida, amigos , aventureiros,                                                               viajantes de outros mundos,                                                                                                                                                 e na decadência das extremidades vamos nos transformando;                                                                                  isso é bom, mas interessante de tudo é , ter a riqueza espirituosa,                                                                               como ter o amor ainda que  por momento, feito um prazer mesmo;
Existem  dias em que as madrugadas não deviam acabar, e  que os amantes pudessem ser personagens de livros, e, em quanto tempo se lê uma boa leitura?
Um dia ? Um mês? Um ano?
Tenho livros que ainda não li todos,                                                                                                                                            tenho sonhos que sonho um pouquinho cada dia,                                                                                                 tenho amores por aí distribuídos por folhas de papel,                                                                                                                     tenho amores que se desconstituíram, mas continuam em algum lugar planetário;
 e outros que nascem simultaneamente,
importante mesmo é saber, que feito a porta do metrô,                                                                                    naquele dia da presa,
 ou tão solitário feito a flor em meio aos seus próprios  espinhos,
não podemos desistir de nada.

Depois veio a vida de novo, e trouxe o barulho de todas as estações, em formas de vida de beleza e de encantamento, me ensinou a ser mais suave e positivo, deu up, embora tudo, aquele último amor,  ele fazia tão bem quanto amantes que se descobrem  coexistentes,
 como se aquele dia,  eu já tivesse saído pronto,                                                                                                 e o destino,  deus  daquela tarde, se comportou perfeito, pra encontrá-la , e ela também, feito dois vampiros da pele morena e com seus cheiros, sua boca azul, foi a deixa que encantou, eu vestia branco pelas cidades, ela era lilás até aos pés;
seus negros olhos, apertados pelos detalhes interessantes, que refletiam frente a frente, metade desejo e novo, mais fogo e paixão, a música era boa animada a tarde fluiu;

o vento batia e  sua roupa colava, naquela hora eu tropecei, o chão subiu um pouquinho, só me lembro disso, e ficamos a sós em meio a tudo, entre olhares.
 Ela acendeu um Black de hortelã , quando cheguei perto combinava com Carolina Herrera, eu Empire da cabeça aos pés,: Loucura,  perguntei seu nome e se bebia, ela já tinha pedido ,perfeita iniciativa, tinha um céu azul em seus lábios...
 Daí em diante foram as  mais lindas  fotos e as  melhores músicas também; e a  sorte veio bem mais de pertinho;
Desfilamos pela noite, um pelo outro, o ponto mais alto, a noite desta vez, parecia  que nunca acabava, escolhemos música, fomos a  vários lugares, não nos tocamos mas ficamos ali entendendo aquilo tudo;

Acordamos frente a frente, eu beijando a cintura dela  e as  suas costas, acariciando suas pernas, desejo!  Num pulo, passei por seu corpo e atravessei minha perna entre a dela, pelas costas e falei de acordar assim.

Dalí, bem  mais atraídos, roubei- lhe uns beijos rápidos e escondidos, a vida seguiu mais depois...

Andamos pela praia, celebramos uma paixão de verão bem calma bem gostosa, vinho e taças, areia branca  da Barra, madrugada, dezembro de novo em minha vida, mar fogo cheiro beijo pele toques intimidade, depois pedimos um uber, e viemos pro meu colchão, o que era perfeito tornou fascinante, por um momento fui feliz ali completamente, e dessa vez tudo foi rápido sim , mas eteno, pleno, tinha horário, tinha  tudo ao mesmo tempo, o dia nasceu, nos amamos sem parar, os corpos no limite de suas mentes, ousadia, tesão forte, alegria, no  sofá da sala, roupas jogadas, tudo que aquele momento pode proporcionar, tivemos um do outro, um vulcão doce e, encantadora, suas fotos, sua voz, sua cintura, seu corpo, seus cabelos, seu jeito de amar, seus gemidos ,banho a dois, tatuagem, óleo...enfim adormecemos pernas entrelaçadas, um ao outro...

Deixou em mim seu amor, por todos os meus lugares, na flor da mesa, em meu cochão, por dentro, levou os traços perfeitos da paixão fulgás, meu brilho melhor, levou de mim, também, meu amor.
Edmilson Cunha
Enviado por Edmilson Cunha em 06/01/2018
Código do texto: T6218610
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edmilson Cunha
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 42 anos
70 textos (1994 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/04/18 11:45)
Edmilson Cunha