Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

História de Jacó - parte 1

HISTÓRIAS DE PERSONAGENS BIBLICOS DO ANTIGO TESTAMENTO

JACÓ – DE ENGANADOR A PRINCIPE (Gn. 25 – 49)

DESCENDENTE DE ISAQUE (25.19-26)

Vimos anteriormente que Isaque foi o filho de Abraão com Sara. Quando Isaque tinha 40 anos, casou-se com Rebeca.
Isaque orou ao Senhor em favor de sua mulher, pois ela não podia ter filhos. O Senhor ouviu a oração de Isaque, e Rebeca ficou grávida de gêmeos. Os dois bebês lutavam um com o outro no ventre da mãe.
O Senhor respondeu que os filhos no ventre se tornarão duas nações. Desde o começo, elas serão rivais. Uma nação será mais forte que a outra, e seu filho mais velho servirá a seu filho mais novo. Note que Jacó foi escolhido desde o ventre materno. Na sua imensa sabedoria, Deus nos escolhe. As duas criaturas já são dois povos no embrião.
O primeiro a nascer era ruivo e coberto de pelos; por isso o chamaram de Esaú. Depois, nasceu o outro, com a mão agarrada ao calcanhar de Esaú; por isso o chamaram de Jacó (suplantador).

ESAÚ VENDE O SEU DIREITO DE PRIMOGENITURA (25.27–34)
2.006 a. C. Os meninos cresceram. Como os irmãos são diferentes! Esaú se tornou um caçador habilidoso que vivia ao ar livre, era impulsivo, enquanto Jacó era mais pacato e preferia ficar em casa.
Isaque amava Esaú porque gostava de comer a carne de caça que ele trazia, mas Rebeca amava Jacó. Aqui aparece o primeiro problema. Os pais tendo preferência pelos filhos. Ainda hoje isso é presente em nossa sociedade, sempre tendo alguma consequência.
Certo dia, quando Jacó preparava um ensopado de lentilhas, Esaú chegou do deserto, exausto e faminto. Ele pediu pouco desse ensopado vermelho. Jacó concordou, mas propôs uma troca. Pediu, os direitos de primogenitura do irmão. Veja a esperteza de Jacó. O primogênito ficava com o dobro da herança. Era uma escolha muito arriscada para Esaú.
Esaú disse a Jacó que estava morrendo de fome e argumentou de que servia para ele os direitos de filho mais velho. Aparece aqui sua visão de curto prazo. Ele preferiria matar a fome por algumas horas e perder esse importante direito, do que fazer outra alternativa. Às vezes poucos momentos de prazer, de satisfação, custam muito caro mais adiante. Esaú fez um juramento e, desse modo, vendeu todos os seus direitos de primogenitura a Jacó. Então deu a Esaú um pedaço de pão e o ensopado de lentilhas. Esaú comeu e, assim, ele desprezou seu direito de primogenitura. Essa foi a refeição mais cara do mundo.
Veja o exemplo de Moises. Na carta aos Hebreus lemos que “Pela fé Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus, a usufruir prazeres transitórios do pecado;” (Hebreus 11.24-25).
Em que circunstâncias temos feito o mesmo gesto de Esaú? quantas vezes temos sido intempestivos, compradores compulsivos, tomamos decisões precipitadas, não controlamos nossas emoções?

JACÓ ROUBA A BENÇÃO DE ESAÚ (27.1-46)
Certo dia, quando Isaque era idoso e estava ficando cego, chamou Esaú e lhe disse que estava ficando velho e não sabia quando iria morrer. Pediu que ele pegasse suas armas e fosse ao campo caçar um animal para ele se alimentar. Depois ele deveria preparar o seu prato favorito para ele comer. Então ele pronunciaria a bênção que pertencia a Esau, antes de morrer.
Rebeca, protetora de Jacó, ouviu o que Isaque tinha dito a Esaú. Quando Esaú saiu para caçar, ela disse a seu filho Jacó que tinha ouvido a conversa do pai com o outro filho.
Lembre-se que Rebeca já sabia desde a gravidez, o que Deus faria, mas resolveu a questão como se Deus não existisse. Deus aprovaria os métodos que você está utilizando para atingir seus objetivos?
Ela pediu que Esaú trouxesse dois dos melhores cabritos para fazer a comida e que depois, levasse esse almoço para Isaque, para que ele a comesse e o abençoasse.
Jacó argumentou com a mãe que seu irmão Esaú é peludo, enquanto ele tem a pele lisa. A preocupação dele era se o pai o tocasse, descobrisse a farsa e o amaldiçoasse. Rebeca lhe disse que essa maldição caísse sobre ela.
Jacó trouxe os cabritos e Rebeca os usou para preparar uma refeição saborosa, do jeito que Isaque gostava. Também pegou uma roupa de Esaú e a entregou a Jacó. Com a pele dos cabritos, cobriu-lhe os braços e a parte lisa do pescoço.
Depois, entregou-lhe a saborosa refeição.  Jacó levou a comida para o pai dizendo que era Esaú e que trouxera a carne da caça. Pediu que o pai comesse e lhe desse a esperada bênção. Isaque ficou desconfiado com a rapidez em trazer o prato e Jacó, mentindo, disse que o Senhor, havia colocado ela no seu caminho. Jacó usa aqui da mentira por duas vezes, para enganar o pai e roubar o irmão.
Isaque pediu para Jacó chegar mais perto, para que pudesse tocá-lo e ter certeza de que ele era mesmo Esaú. Jacó se aproximou do pai, e Isaque o tocou e disse que a voz é de Jacó, mas as mãos são de Esaú. O pai não o reconheceu, porém, sentiu que as mãos de Jacó estavam peludas, como as de Esaú. Assim, Isaque se preparou para abençoar Jacó. Insistiu perguntando se aquele era mesmo Esaú. Jacó confirmou, mentindo mais uma vez.
Isaque disse que trouxessem o almoço e que depois que comesse, lhe daria a bênção. Jacó trouxe a comida e Isaque comeu e bebeu vinho. Isaque pediu um beijo. Jacó se aproximou e o beijou. Quando Isaque sentiu o cheiro das roupas, finalmente abençoou o filho. Disse que o cheiro de seu filho é como o cheiro do campo que o Senhor abençoou!
Assim que Isaque terminou de abençoar Jacó, e logo depois de Jacó ter saído da presença de seu pai, Esaú voltou da caçada. Preparou uma refeição saborosa, levou-a para seu pai para que ele comesse da refeição solicitada, para o abençoar. Isaque lhe perguntou quem era ele e Esaú disse que era Esaú.
Isaque começou a tremer e disse de que acabou de comê-la, pouco antes de dele chegar, e abençoou quem a trouxe e que essa bênção deve permanecer! Quando Esaú ouviu as palavras do pai, ficou desesperado e suplicou ao pai que o abençoasse também, mas Isaque disse que Jacó esteve lá e o enganou. Levou embora a bênção que pertencia a você, disse Isaque.
Esaú exclamou ainda que não é de admirar que ele se chame Jacó, pois é a segunda vez que o enganava. Primeiro, tomou seus direitos de filho mais velho e, agora, roubou sua bênção. Perguntou ao pai se ele não havia guardado uma bênção sequer para ele.
Isaque disse a Esaú que fez de Jacó o seu senhor e declarou que todos os irmãos dele o servirão. Tinha garantido a ele fartura de cereais e vinho. Por fim, seu pai, Isaque, lhe disse ainda que ele viverá longe das riquezas da terra e longe do orvalho do alto céu. Viverá por sua espada e servirá a seu irmão. Palavras duras demais para um pai enganado ter que dizer ao filho.
Daquele dia em diante, Esaú passou a odiar Jacó porque seu pai o havia abençoado. Começou a tramar que quando o pai morresse, ele mataria seu irmão.
Quando Rebeca soube das intenções de Esaú, chamou Jacó e lhe disse que Esaú tinha planos para matá-lo. Portanto, apronte-se e fuja para a casa do irmão dela chamado Labão, e que ele ficasse lá até que diminuísse a fúria do irmão.

A FUGA DE JACÓ (28.1-9)
1.929 a. C. Isaque mandou chamar Jacó, o abençoou e lhe disse para não se casar com uma mulher dentre as filhas de Canaã. E em vez disso, ele fosse a Padã-Arã, à casa de seu avô Betuel, e se casasse com uma das filhas de seu tio Labão. Abraão havia dado essa mesma orientação para o casamento de Isaque. Os cananeus, descendentes de Cam, eram um povo que havia sido amaldiçoado por Noé (Gn. 9.25).
Orou para que o Deus Todo-poderoso o abençoasse e lhe desse muitos filhos, e que eles se multiplicassem e viessem a ser muitas nações. Que ele viesse a possuir esta terra na qual vivia agora como estrangeiro, pois Deus havia entregado esta terra a Abraão. Assim, Isaque se despediu de Jacó, que foi a Padã-Arã morar com seu tio Labão.
Quando ficou evidente que seu pai não aprovava as mulheres cananitas, Esaú fez exatamente o contrário. Foi visitar a família de seu tio Ismael e, além das duas mulheres cananitas com as quais havia se casado, tomou para si uma das filhas de Ismael (filho de Abraão com Agar).

A VISÃO DA ESCADA (28.10-17)
Jacó rumou então para Harã. Achou um local para acampar e ali passou a noite. Encontrou uma pedra para descansar a cabeça e se deitou para dormir. Sonhou com uma escada (rampa) que ia da terra ao céu e viu os anjos de Deus, que subiam e desciam pela escada.
No topo da escada estava o Senhor, que lhe disse que era o Senhor, o Deus de seu avô, Abraão, e o Deus de seu pai, Isaque. A terra na qual você está deitado lhe pertence. Eu a darei a você e a seus descendentes.  E ainda que seus descendentes serão tão numerosos quanto o pó da terra! Eles se espalharão por todas as direções. E todas as famílias da terra serão abençoadas por seu intermédio e de sua descendência. Essa palavra do Senhor inclui depois todos os que creem em Jesus Cristo e, pela fé, são também filhos de Abraão.
Então Jacó acordou e disse: “Certamente o Senhor está neste lugar, e eu não havia percebido!”. Contudo, também teve medo e disse: “Como é temível este lugar! Não é outro, senão a casa de Deus; é a porta para os céus!”.
A escada prefigura Jesus fazendo a ligação entre Deus e os homens. porquanto há um só mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo.... (1Tm. 2.5).
Jesus afirmou no evangelho de João: “Eu lhes digo a verdade: vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem” (João 1:51).

A COLUNA DE BETEL (28.18-22)
Na manhã seguinte, Jacó pegou a pedra na qual havia descansado a cabeça, colocou-a em pé, como coluna memorial, e derramou azeite sobre ela, consagrando-a.
Então Jacó fez o seguinte voto: “Se, de fato, Deus for comigo e me proteger nesta jornada, se ele me providenciar alimento e roupa, e se eu voltar são e salvo à casa de meu pai, então o Senhor certamente será o meu Deus. ... e eu entregarei a Deus a décima parte de tudo que ele me der”. Apesar de ter sido escolhido por Deus antes do nascimento, Jacó aqui promete seguir a Deus, se tudo ocorrer conforme ele diz.
“O rico de bençãos celestes anda com um bastão na mão (32.21) e pedirá à Deus somente pão e roupa (v. 20). Jacó estava fugindo do irmão? ou sem saber, caminhava atraído por Deus? O encontro com Deus marca o homem”. Bíblia do Peregrino p. 53.

JACÓ ENCONTRA-SE COM RAQUEL (29.1-20)
Jacó seguiu viagem e, por fim, chegou àquela terra. Viu um poço ao longe e, junto a ele, rebanhos de ovelhas, à espera de que lhes dessem água. Uma pedra pesada cobria a boca do poço. Era costume naquele lugar esperar que todos os rebanhos chegassem, para então, dar água aos animais.
Jacó se aproximou dos pastores e lhes fez algumas perguntas: de onde eles eram, se conheciam um homem chamado Labão. Eles responderam que eram de Harã e que conhecia Labão.
Jacó ainda conversava com eles quando Raquel chegou com o rebanho de seu pai. Jacó foi até o poço e deu de beber ao rebanho de seu tio. Então Jacó beijou Raquel e chorou em alta voz. Explicou para Raquel que eram parentes. Após um mês, Labão disse a Jacó que ele não deveria trabalhar de graça para ele, só porque eram parentes e perguntou qual o salário que ele queria.
Labão tinha duas filhas. A mais velha se chamava Lia, e a mais nova, Raquel. Os olhos de Lia eram sem brilho, mas Raquel tinha bela aparência e rosto atraente. Lia quer dizer “vaca selvagem” e Raquel, “ovelha”.
Visto que Jacó estava apaixonado por Raquel, disse a Labão que trabalharia para o futuro sogro por sete anos se ele desse Raquel, como esposa. Labão achou uma boa ideia.
Então Jacó trabalhou sete anos por Raquel. Ele a amava tanto que lhe pareceram apenas alguns dias. Isso é o que se chama motivação. Ele estava focado em casar-se com a bela prima. O dote era pago em dinheiro, mas como Jacó não tinha, resolveu pagar por sete anos de trabalho. Paciência e trabalho são as chaves para alcançarmos nossos objetivos.

LIA E RAQUEL (29.21-30)
Após os sete anos, Jacó disse a Labão que havia cumprido sua parte do acordo e que agora, queria sua esposa, para que ele se deitasse com ela. Labão convidou toda a vizinhança e preparou uma grande festa de casamento.
À noite, quando estava escuro, Labão tomou Lia e a entregou a Jacó, e Jacó se deitou com ela (Labão deu sua serva Zilpa a Lia para servi-la.)
Na manhã seguinte, Jacó viu que era Lia. Então Jacó perguntou a Labão o que tinha acontecido. Ele havia trabalhado sete anos por Raquel e agora se sentiu enganado. Labão respondeu que lá naquela terra não é costume casar a filha mais nova antes da mais velha. Aqui vemos que o enganador Jacó agora foi enganado pelo sogro. Na escuridão da cegueira do pai, Jacó o enganou. Agora foi enganado pelo sogro. Labão não explicou esse “pequeno detalhe” do costume local.
Labão pediu para ele esperar até terminar a semana de núpcias, e que também lhe entregaria Raquel, desde que Jacó prometesse trabalhar mais sete anos para ele.
Jacó concordou. Depois de uma semana, Labão lhe entregou Raquel (Labão deu sua serva Bila a Raquel para servi-la). Jacó se deitou também com Raquel, a quem ele amava muito mais que a Lia. Então permaneceu ali e trabalhou mais sete anos para Labão.

OS FILHOS DE JACÓ (29.31-30.26)
Jacó teve filhos de Raquel, de sua serva Bia, de Lia e de sua serva Zilpa, conforme a seguir (era costume da época se colocar o nome do filho, que tivesse algum significado com o momento):

Lia – mãe de Rúben - O Senhor viu minha infelicidade, e agora meu marido me amará; de Simeão - O Senhor ouviu que eu não era amada e me deu outro filho; de Levi - Certamente, desta vez meu marido terá afeição por mim, pois lhe dei três filhos!; de Judá - Agora louvarei ao Senhor! de Issacar - Deus me recompensou porque entreguei minha serva por mulher a meu marido; de Zebulom - Deus me deu uma boa recompensa. Agora meu marido me tratará com respeito, porque lhe dei seis filhos; de Diná – aquela que foi julgada; (total 7).

Bila – mãe de Dã - Deus me fez justiça! Ouviu meu pedido e me deu um filho! de Naftali – com grandes lutas tenho competido com minha irmã e logrei prevalecer (total 2).

Zilpa – mãe de Gade - Como sou afortunada; de Aser - Como estou alegre! Agora as outras mulheres celebrarão comigo (total 2).

Raquel – mãe de José - Que o Senhor me acrescente ainda outro filho; de Benjamim – Filho da felicidade (total 2).
Paradoxo divino – Deus usa a filha e esposa desprezada (Lia) para gerar Levi e Judá. Jesus é descendente de Lia... Judá... Davi... Jesus.
Total – doze filhos homens e uma mulher.

DESCENDENTES DE JACÓ QUE SÃO BASTANTE CONHECIDOS:
Ruben (Eliseu)
Levi (Arão, Moisés, Mirian, Eli, João Batista);
Judá (Calebe, Neemias, Isaías, Amós, Habacuque, Joel, Miqueias, Obadias, Zacarias, Sofonias, Davi, Salomão, Jesus);
Dã (Sansão);
Naftali (Baruque, Elias);
Gade (Jefté);
José (Josué, Gideão, Samuel);
Benjamim (Saul, Ester, Paulo)
Efraim (Josué)

LABÃO FAZ NOVO PACTO COM JACÓ (30.27-36)
Logo depois que Raquel deu à luz José, Jacó pediu a Labão que o liberasse para ele voltar à sua terra natal. Labão pediu que Jacó dissesse qual seria o salário, para permanecer trabalhando para ele, que ele o pagaria. Jacó propôs que o seu salário seria todas as ovelhas e cabras salpicadas e malhadas, além das pretas.
Naquele mesmo dia, porém, Labão saiu e tirou do rebanho todos os bodes listrados e malhados, todas as cabras salpicadas e malhadas ou com manchas brancas, e todas as ovelhas pretas. Colocou os animais sob os cuidados de seus filhos, longe de onde Jacó estava. Assim, Jacó ficou e tomou conta do resto do rebanho de Labão.

JACÓ SE ENRIQUECE (30.37-43)
Então Jacó pegou alguns galhos verdes de plantas da região e removeu tiras das cascas, formando listras brancas nos galhos. Em seguida, colocou os galhos descascados junto aos bebedouros onde os rebanhos iam beber água, pois era ali que se acasalavam.
Quando se acasalavam diante desses galhos descascados com listras brancas, davam crias listradas, salpicadas e malhadas. Jacó separava esses cordeiros do rebanho de Labão. Na época do cio, colocava o rebanho de frente para os animais listrados e pretos de Labão. Assim, Jacó foi formando seu próprio rebanho, que mantinha separado do de Labão.
Sempre que as fêmeas mais fortes estavam no cio, Jacó colocava os galhos descascados nos bebedouros em frente delas, para que se acasalassem diante dos galhos. Não fazia o mesmo, porém, com as fêmeas mais fracas, de modo que as crias mais fracas ficavam com Labão, e as mais fortes, com Jacó. O resultado foi que Jacó se tornou muito rico, dono de grandes rebanhos. Não havia esse poder nas cores que o rebanho via, mas era a graça de Deus operando em seu favor.

REFERENCIAS:
Bíblia de estudo cronológica – aplicação pessoal – CPAD
Bíblia de estudo de Genebra - SBB
Bíblia do Peregrino – Ed. Paulus
Bíblia Jovem - Ed. Vida
Bíblia Sagrada – Nova versão transformadora – NVT
BROWN, Raymond – Novo Comentário Bíblico São Jerônimo – Antigo Testamento

Carlos Alfredo, setembro/2020


Carlos Alfredo Melo
Enviado por Carlos Alfredo Melo em 03/09/2020
Código do texto: T7053488
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Carlos Alfredo Melo
Recife - Pernambuco - Brasil, 71 anos
35 textos (2532 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/09/20 21:21)