Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"A décima quinta do amor".

Porquê você faz assim quando penso que está por perto?
Talvez seja eu o culpado por tal ilusão,
é que as pedras castigam meus pés e é preciso pensar
em ti para alçar vôo.
Porquê você sorri assim? Você não sabe  que eu gosto?
Talvez seja eu o culpado por continuar sentindo,
é que o sangue não basta para meu coração, ele precisa
passar dos 180 por você.
Minhas idéias são tão claras, mas por quê não me entende?
Talvez seja eu o culpado por não admitir que o seu objetivo
comigo é outro. Sabe o que é? É que o tempo passou, mas ainda existe "um Visigodo em mim" e entre alimentos e guerras,restou apenas
isso, um coração, um verme coração ao seu dispor.
Continuamente ouço sua voz a chamar-me nos versos do Veloso, do Mariano, da Lee ou ainda da Eller, então por quê você não vem?
Não percebe que os meus braços estão secos e estáticos
esperando o fechar do olhar de um abraço?
Depois da adaptação de uma das criações dos Fenícios você se tornou
a décima quinta, e consequentemente a razão de meu pensar, agir,e
sem saber o porque, de meu ser, completo e apaixonadamente louco,
a espera da "tri-atômica" capaz de saciar meu deserto de amor, você.
Sei que o labirinto  pode te conduzir à outros braços e abraços,
mas ao sair dele, quem sabe ainda estarei lá, esperando,do outro lado,
a chegada do seu calor.
Contudo, se por acaso lá não estiver, é porque o amor foi eterno,
enquanto durou.
P
Enviado por P em 27/08/2007
Reeditado em 21/09/2007
Código do texto: T626613

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Diem Carpe). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
P
Itaparica - Bahia - Brasil, 32 anos
51 textos (3095 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/12/17 08:19)
P