Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Por onde anda você ?

Depois de anos afins, nunca mais falei contigo ...

Mas para minha surpresa, heis que aquele(a) amigo(a), ou parente, aparece sem que eu estivesse esperando, me surpreendeu, e me encheu de gratidão e emoção. E como foi bom !!! ...
Porque nada é por caso, se Deus, é ciência e espiritualidade em tudo está presente, e dentro de nós, essa condição é indescritível ...
Não fique por aí deduzindo ou colocando coisas na sua cabeça, criando regras, por que não se trata disso ou daquilo a vida continua, e tudo é muito dinâmico ...
Saiba de uma coisa, se você for a pessoa mais importante
do mundo, para mim o mais importante são as essências que envolve o seu ser, juntamente com os corpos sutis, e não aquilo que seja apenas do âmbito material ao mostrar fotos em coluna social, não quer dizer nada sem o contato humano. Não se valorize em cima disso, p.f, não é essa história de super ocupado, não justifica a falta da tempo, "isso chama-se desculpa", o que vale mais é a sinceridade. As pessoas só mudam, de uma posição para outra em seu comportamento - para ela cresce em seu status ... Dê um cargo a ela, e aí verá como se comporta, o Ego tomou conta e pronto, perdeu o seu Eu, ficou sem a base e não mais amadureceu. Vai cumprir etapas de amadurecimento, a arrogância no trabalhar com o orgulho é alcançar as mudanças internas e isso de certa forma envolverá todo um trabalho de aperfeiçoamento nas relações humanas, junto com um trabalho mental e de reflexão espiritual. A ocupação não se justifica, pelo poder social, profissional, pela raça ou cor, pela língua ou linguagem, pela beleza aparente, pelo preconceito, pois nada disso justifica. Creio que uma das maiores ferramentas de contato hoje ainda é a Internet, mas em seguida, tão logo, virá a comunicação pela similaridade telepática, afetiva, intuitiva, esbarrando nos padrões culturais e crenças limitantes preconceituosas, autoritárias, manipuladas pelo poder financeiro, politica e de tecnologia e agora ainda mais com inteligência artificial, na supremacia dos capitalismo ou comunismo, atinge as camadas mais inofensivas do nosso planeta, porém é a camada que trabalha e produz ao bem de toda a humanidade mas o poder é manipulador e formulou os seus descaminhos pela força instintiva e bélica do poder autoritário, e quando estamos afastados de todos, chamamos alguém que não conhecemos para tomar um café com gente tão grande é o nosso desespero. Mas que saibamos transformar essas ferramentas corporativas em desenvolvimento humano, intelectual e moral, onde a vontade e o sentimento são primordiais, e que dessa forma e pelo comportamento sentiremos o porque das mudanças, Onde os ofensores sentirão uma sensação interna por isso não há como negar, não requer ciência, pois a ciência somos nós mesmos, a ponto de nos auto corromper, se ignorarmos essas tendências. Pensamento, gera emoções, vontade, interesse, curiosidade, maldade, enfim para possamos refletir, não devemos chamar a atenção com táticas intimidativas de auto grau intelectual., pois sem condição moral o amor não estará presente. Onde a ignorância e o egoismo, faz com que nós nos afastamos para depois ficarmos remetidos e encapsulados pela carência, em décadas de estágios probatórios. O isolamento, gera a tristeza, a doença, a somatização de problemas. Não existe remédios químicos e nem naturais, onde nenhuma cura ocorre, se não houver as mudanças internas decorrentes de vícios, nos nossos padrões de comportamentos ainda muito tímidos e solidificados. Onde a solução paliativa hoje ainda é cortar um órgãos e eliminar algo afetado e sintomatizado pelo nosso emocional, mas sempre existe um ponto de características energéticas e emocional, que já minha gerando aquela enfermidade, se temos uma corrente de eletricidade interna, voltaremos a ter e a sentir os sintomas e até uma nova moléstia, que venha aflorar, não basta dizer que o tempo mudou, e a temperatura esfriou, pois a questão é terapêutica e cientifica. Enfim isso é a ausência de uma maior proximidade, é a paz que nos falta a nível interno, engolido pela insatisfação, ansiedade e desequilíbrios, se tornando uma cristalização de imaturidades reptilianas.
Aquele que desaparece do nada, um dia aparecerá, pode ser que esse afastamento, seja meu, ou do meu próximo, se por aqui não falo só por mim, mas espero que seja objeto de análise de cada um, ao seu bem maior. Analise se você tiver 5 mil amigos no Face, acaba não falando com todos, ou então qual seria o sentido que isso estaria gerando para você ? Mas não é só com você, é comigo, é com nós, e com todos, se somos todos um, nessa mesma massa de manobra. Mas a análise é individual, por isso, e isso se mantenha arrojado sem ter uma busca flexível, ou um feedy's, perderá as suas referências, para análises de se desgastar com o desnecessário. Mas não é tão fácil perceber esse tipo de condição. Refletir sempre é uma forma de reencontro, conosco mesmo, para esquecer um pouco da beleza plástica senão você se adoece, se não poder se ajudar. Evite polêmicas com discussões sem fim, sobre diversos assuntos para reforçar a sua condição de não absorve-se com um maior estresse. Embora em algumas situações gera um despertamento, para depois começar a se desenvolver, já pensando em uma nova condição, uma busca de vida com mais restaurações. Palavra apenas é material seja ela do maior livro da humanidade é você precisa pensar, assim como eu, nós, vós eles, para querermos permitir mudanças...(Pedro Rombola)
Pedro Rombola
Enviado por Pedro Rombola em 03/06/2019
Reeditado em 05/06/2019
Código do texto: T6663533
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Rombola
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil, 67 anos
138 textos (1124 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/06/19 19:34)
Pedro Rombola

Site do Escritor