Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DE QUANDO O SUPREMO LAVA O ROSTO

- agradecendo o texto “FELIZ ANIVERSÁRIO, JOAQUIM MONCKS!”, de autoria de Mariadeonice Sampaio Costa, do Ceará, publicado em 29Set2007 neste Recanto: http://www.recantodasletras.com.br/prosapoetica/673341

Tenho em mim que é incerta a senda por onde percorre o espírito do Grande Arquiteto.

Por isso, por esta incerteza tão própria dos que não se bastam, fico tentando descobrir Suas mais singelas manifestações. Quando a situação ocorre sempre digo aos que me cercam: é o dedinho de Deus!

Nesta alegria das descobertas vou vivendo, sempre condenado a pensar. Este é o meu bom madeiro de experimentações e descobertas.

Quanto mais vivido vou ficando, menos de mim é a vida e suas seqüelas amorosas de corpo e sedutoras artérias. Porque o coletivo, o solidarismo é a minha praia de imersão.

Quando encontro alguém na estrada com a sua túnica de bondades e carinhos, derreto-me...

O que dizer aos que simplesmente amam? Aos que fazem de si o bálsamo para a inaudita hora da reflexão?

Sento no colo do Mestre e peço forças pra merecer ser o Seu instrumento de paz e de profundo amor às criaturas. Sento no Seu regaço e choro...

É isto o que faço agora, mareando os meus dedos tensos de esperança de que todos - tudo em matéria de engenhocas humanas - possam receber mensagens como a de que fui alvo. Pela louvação desbragada do fato de estar vivo e completando tempo para a passagem.

Tão bela, tão direta, tão nominal. Não sei se a mereço, mas isto não é juízo pra quem recebe o mimo. O meu Senhor de amor sabe que recebi o Seu cajado de voz e palavra.

Somente me resta prostração frente ao inusitado, ao inesperado.

Tu, amada confreira de condenação ao Verbo e ao Belo, remetes ao Cristo crucificado. Amo em tuas palavras o amor que devemos ter por Ele e bebo a força de teu verbo, a nossa aliança de condenações. Adoro ser pecador. Preciso de confissões. Deus te guarde em comunhão.

Minha mão está mais forte do que nunca para a garatuja do verso e da prosa pelo mimoso gesto, pela alegoria de tua gestação.

Nesta hora a palavra expia o que somos. Nem o ponto final se basta.

A idéia fica batendo como uma sineta que chama os estudantes para o encontro em si mesmos.

- Tomai e bebei, este é o corpo da Palavra!

Este poço profundo é o doloroso mistério de estar vivo, ajoelhado, abrindo a casa ao Futuro...

- especial para o livro, inédito, CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006 / 2007.
http://www.recantodasletras.com.br/cartas/676138
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 01/10/2007
Reeditado em 01/10/2007
Código do texto: T676138
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 71 anos
2911 textos (776783 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 15/12/17 12:52)
Joaquim Moncks