Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O MEU BREVE DIÁLOGO COM A UTÓPICA PEDRA

O MEU BREVE DIÁLOGO COM A UTÓPICA PEDRA

Eu costumava a tropeçar muito no meu próprio ego, coitada. Era sempre assim, e toda vez que tombava, eu reclamava ou culpava um outro alguém, coitada. Até que uma pedra feia e antiga que chutei longe quando vinha caminhando em um dia qualquer,chamou-me para uma prosa bem diferente.
Ela perguntou-me o porquê de lançá-la para bem longe, já que ela estava ali quieta apenas cumprindo o seu papel de "pedra".

Eu, mesquinha, disse que nem me dei conta de sua existência simples e por isso chutei ela para bem longe. Estava no meu caminho, foi um ato involuntário.

A pedra, então, de língua afiada( perceba que eu disse que uma pedra tem língua com muito naturalidade), respondeu-me:
-Então, a madame anda por aí descontando os problemas em qualquer um? Então,seu ego anda lhe dando tapas e você desconta em mim como se eu fosse um simples objeto inanimado que não possui nenhuma serventia? Pois saiba, que eu que fui tão desprezada por você, levantei castelos,muralhas e grandes propriedades. Eu estive em presença de pessoas ilustres que você nem sequer teve o prazer de se aproximar. E você me trata assim, por que hoje me viu esfarrapada num chão qualquer? Logo você que é tão medíocre e simples como tantas outras pessoas?

Fiquei sem resposta,juro. Nunca fui tão afrontada. Uma pedra, uma simples pedra me disse algo que meu ego não permitiu que eu me desse conta. Que coisa mais utópica. Pois saibam, leitores,que a pedra me mostrou que eu sou só mais uma garota de quase 17 anos, entre tantos outras pessoas de 17 anos,com uma vida de alguém de 17 anos. Que pedra mais conveniente.





É isso que o conto mostra, leitor. É algo fictício mas que reflete a realidade. Você é uma ameba,como eu, como tantos de nós. Às vezes desprezamos e nos sentimos superiores a muitas pessoas que tiveram histórias surpreendentes que nosso ego não nos permitiu enxergar ou ouvir. Fica aqui um conselho talvez maduro, de alguém muito imatura.
Dona Isabele
Enviado por Dona Isabele em 12/01/2018
Código do texto: T6224472
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre a autora
Dona Isabele
Picos - Piauí - Brasil, 19 anos
210 textos (8625 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/20 21:52)
Dona Isabele