Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Uma Decepção das Arábias.

       
        Por esse tempo, eu ainda trabalhava no Exército Brasileiro, na Sala Técnica do 2º Batalhão de Engenharia de Construção.  Cap. Ferreira era, até então, o chefe desse departamento e depositava em mim uma grande confiança, por conta de plenos sucessos em trabalhos que fizemos juntos na BR-316 no Maranhão.
        Chegou o tempo em que ele fora promovido ao posto de Major e por força do regulamento militar transferido para São Gabriel da cachoeira-AM. Tudo indica que na nova missão, ele tivera alguns problemas na área de topografia e por isso eu fiquei muito conhecido por lá, pelas referências elogiosas que fizera a mim, possivelmente muito além dos meus merecimentos. Era como se eu fosse o novo Euclides ou Descartes da topografia. De tanto falar em meu nome, um oficial em férias, indo para Fortaleza, resolvera descer do avião em Teresina apenas para me conhecer. Isso tudo sem que eu soubesse, sem prévio aviso.
        Uma tarde, ao iniciar o segundo expediente, eu fui informado desse acontecimento, para mim inusitado. O problema era que eu estava de saída, para resolver uma demanda urgentíssima e não daria para receber nem o Governador, se fosse o caso. Demorei perto de uma hora, procurando ser diligente, resolver as encrencas e retornar para receber a quem me procurava.
        Ele era um Tenente, muito bem apessoado. Quando me apresentaram aquele que me dera tão expressada honra, fiquei pelo menos uns cinco segundos com a mão estirada para cumprimentá-lo, sem que ele esboçasse reação mínima. O homem estava marmóreo, desfigurado. Senti que maneava a cabeça de forma quase imperceptível, com a mais evidente decepção, como se questionasse de si para si: foi para ver isso que perdi meu tempo?
        Se a primeira impressão é a que fica, segundo a crença popular, a minha apresentação teria sido desastrosa. Não era evidentemente, a primeira vez que me acontecia tal desgraça. Também eu já andava preparado para acontecimentos assim e disparei: Tenente... , compreendo seu desapontamento e culpo a boa fé do Major Ferreira por ter exagerado na dose. Certamente o senhor esperava encontrar em mim uma figura helênica, com o tórax de Tarzan, pernas do goleiro Émerson Leão, o rosto de Errol Flynn, desempenho de John Travolta e a doçura de um diplomata e voz do Pavarotti. Encontra, em contra partida, um cara oblongo, fora de esquadro, magrelo como espeto de assar minhoca, esconso, sem atrativos. Mas para minha profissão não se exigem os primeiros critérios e menos ainda os segundos, o que posso lhe garantir é que eu fui muito bem adestrado e não mordo, ainda! Prometo-lhe igualmente que no final de nosso encontro terei dissipado metade dessa desconfiança.
        As pessoas que vieram com ele e ele próprio desataram na gargalhada e isso foi minha salvação. Desse ponto em diante a conversa fluiu...
        Não é nada confortável viver de aparências e a aparência física é por si só, traiçoeira. Uma personalidade já dissera que mulher muito bonita impressiona nos primeiros quinze minutos, depois disso terá que mostrar outros atributos. Para o homem é ainda muito pior. A beleza física impressiona tanto quando peixe na feira.
        Para me safar desses inconvenientes, vou escapando como Armengador de Versos.
        São coisas que só acontecem comigo.

----------------------------------------------------------------------------------

    Agradeço a partiicipação inteligente desse comentário da Poetisa Raquel Ordone, que sempre me causa alegria.

    São coisas que só acontecem comigo.
      Piora se não tenho conteúdo.
        Arranco se estou barbudo.
          Posso ser bastante amigo.
            E se só olho pro meu umbigo?
              O melhor mesmo é não fingir,
                Seja o que for e se abrir...
                  Aparência é claro que engana.
                    Mas se de repente vai em cana?
                      Não deixe o artificial te cobrir...
                        Abraços poeta dos causos interessantes!

                                           ! Palmas! Xêro!
Um Piauiense Armengador de Versos
Enviado por Um Piauiense Armengador de Versos em 14/02/2020
Reeditado em 19/02/2020
Código do texto: T6865903
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Sobre o autor
Um Piauiense Armengador de Versos
Aracaju - Sergipe - Brasil, 73 anos
600 textos (39774 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 27/02/20 08:12)
Um Piauiense Armengador de Versos