Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O SINISTRO DE UMA RELAÇÃO I




Em meras circunstâncias acredito que devemos memorizar mais nossa eficiência, pois devido à vida tudo está contido em um relacionamento obstinado que nos compromete em vários propósitos de simplificar a luta pela vida que certamente existe um fator catatônico que é a forma da esquizofrenia que apresenta uma alternância entre períodos de passividade e negatividade e períodos de excitação repentina que nos envolvem na vida entre vários pretextos como o amor que simplifica o amor ter coragem que significa superar algo específico ou comum sobre vários fatores socialistas que surpreendem nossos pontos de vista a sabedoria como significando entender os aspectos de consciência e sentimentos sobre as relações da vida permanecendo como compreensão humana o pensamento como algo superior que temos e que podemos favorecer tudo sobre todos e que em tudo será feito como devemos conquistar algo de valor, o sentimento a essência do pensamento que permanece como evidência da reconstituição da alma, caráter do ser humano nas realidades que deprimem o ser humano e suas relatividades que supomos redimir-nos de certas coisas que não admitimos como existência que brotam como um fluxo na vida nos explorando de certos efeitos contraditórios as exigências da vida que nos fazem perder ou ganhar algo substancial que devemos suportar como dependências, valor, disposição, jogo socialista que supostamente nos enfatiza pela moralidade de conhecer vários aspectos sobre certas origens que o ser humano tenta socializar como um luta de valores ou uma religião política que talvez possa mostrar seus valores sob uma referência de que resiliência é a capacidade do indivíduo de lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou suportar a pressão de situações adversas choque, estresse, algum tipo de evento traumático  entre outros nos quais qualquer coisa pode dar a você algo de valor sobre quaisquer perdas testemunhadas e relacionadas às realidades de com um efeito que a vida nos propõe de certos meios e obstáculos nos quais processamos todos os valores e que está sob vários pretextos como o amor que simplifica o amor tendo coragem que significa superar algo próprio ou comum em vários fatores socialistas que surpreendem nossos pontos de vista, sabedoria como significado para entender os aspectos da consciência e sentimentos sobre as relações da vida que permanecem como compreensão humana o pensamento como algo superior que temos e que podemos favorecer tudo sobre todos e que tudo será feito como deveríamos alcançar algo de valor, o sentimento da essência do pensamento que permanece como evidência da reconstituição da alma, do caráter do ser humano sobre as realidades que deprimem o ser humano e suas relatividades que supomos nos redimir sobre certas coisas que não fazemos, admitimos como existência que brota como um fluxo sobre a vida que nos explora de certos efeitos contraditórios as exigências da vida que realmente não pode faltar porque seriam sinistras as boas intenções que comparamos com belas formalidades que tratam das relações de vida e que talvez possamos alcançar com sorte porque a vida é um objetivo de substâncias que valem a pena como evidência de certas capacidades e probabilidades que é o grau de segurança com que um evento pode ser esperado, determinado pela frequência relativa de eventos do mesmo tipo em uma série de tentativas em que tiramos a vida e seus decalques como um efeito de não perdermos nosso valor porque a vida é simplesmente sinistra e o que acontece com as pessoas não se junta à alma de outra porque podemos nos prescrever como certos efeitos colaterais que a sociedade não pode compreender que o que mais precisamos é vencer porque a vida é como um jogo mágico que sempre podemos duelar com ela. Prazeres que podemos levar ao infortúnio ou ganho por nossa natureza, estamos apenas fazendo a coisa certa sobre a vida e seus decalques.
Quero favorecer certas frações que podemos definir em vários aspectos que voltamos à vida como algo simplificado maior e melhor como em tudo e por tudo que somos favorecidos como talvez conquistadores nos quais teremos algo relativamente superior ao sinistro como talvez um prodígio. Emanação de certos artefatos nos quais o homem pode ser realmente muito favorecido sob certas circunstâncias da vida.
O amor é uma emoção ou sentimento que leva uma pessoa a desejar outra pessoa ou algo de bom. O uso da palavra no entanto empresta tantos outros significados tanto comuns quanto em termos de apreciação como nas religiões, na filosofia e nas humanidades. O amor tem um mecanismo biológico determinado pelo sistema límbico, o centro das emoções presente apenas nos mamíferos e talvez também nos pássaros - a ponto de Carl Sagan dizer que o amor parece ser uma invenção dos mamíferos.
Para o psicólogo Erich Fromm ao contrário da crença comum de que o amor é "fácil de acontecer" ou espontâneo, deve ser aprendido; em vez de um mero sentimento de que acontece é uma faculdade que deve ser estudada para que possa se desenvolver - porque é uma "arte", assim como a própria vida. Ele diz: "Se queremos aprender a amar a nós mesmos devemos proceder da mesma maneira que faríamos se quiséssemos aprender qualquer outra arte, seja música, pintura, carpintaria ou arte da medicina ou engenharia". O sociólogo Anthony Giddens diz que os estudos mais notáveis sobre sexualidade quase que inteiramente realizados por homens não mencionam amor e ambos os autores revelam que há uma omissão científica sobre o assunto.
A percepção, conceituação e idealização do objeto amado e do amor variam de acordo com os tempos, costumes, cultura. O amor é um ponto central de algumas religiões como no cristianismo onde a expressão Deus é amor tem o direito de uma encíclica papal ao nome de uma Igreja no Brasil derivada da máxima de João Evangelista contida em sua primeira epístola. Embora a máxima "amor não seja definido, o amor seja vivido" seja comum, existem várias definições para o amor, como: "a dedicação absoluta de um ser a outro", o "carinho ditado pelos laços familiares", o "sentimento de ternura ou ardente de uma pessoa para outra "e aquelas nas quais a atração física também está incluída tornando-a aplicável também aos animais um mero" capricho ", aventuras amorosas, o sentimento transcendental e religioso de adoração, passando pelo sinônimo de amizade, apego, afeto, etc. Diante desse leque variado de conceitos, os teóricos são divididos na possibilidade de uma conceituação única, que reúne essas muitas definições e representações de amor. Outros, como André Lázaro, afirmam que "não há dois amores iguais". Leandro Konder diz que o termo amor tem uma "elasticidade impressionante". Erich Fromm ressalta ainda que “o amor é uma atividade, não uma afeição passiva; é uma "ascensão" e não uma "queda". Geralmente, o caráter ativo do amor pode ser descrito afirmando que o amor, antes de tudo, consiste em dar, não receber. Como sentimento individual e muito pessoal, traz complexidade ao envolver componentes emocionais, cognitivos e comportamentais difíceis - ou quase impossíveis - de separar e, no caso do amor romântico, os componentes eróticos também são inseridos.
O amor romântico, celebrado ao longo do tempo como um dos estados afetivos mais esmagadores, serviu de inspiração para algumas das realizações mais nobres da humanidade; tem o poder de despertar, estimular, perturbar e influenciar o comportamento do indivíduo. Dos mitos à psicologia, das artes às relações pessoais, da filosofia à religião, o amor é objeto das mais variadas abordagens, na compreensão de seu verdadeiro significado, cujos principais aspectos são retratados abaixo.
Coragem é a capacidade (muitas vezes vista como uma virtude) de agir apesar do medo, medo e intimidação. Note-se que coragem não significa ausência de medo, mas ação, apesar disso. O oposto da coragem é geralmente visto como covardia.
O homem sem medo se motiva a ir mais longe. Enfrente os desafios com confiança e não se preocupe com o pior. O medo pode ser constante, mas o impulso leva você adiante. Coragem é a confiança que uma pessoa tem em momentos de medo ou situações difíceis, é o que a faz viver lutando e enfrentando os problemas e barreiras que causam medo, é a força positiva para combater momentos sombrios da vida.
Platão correlaciona coragem, razão e dor. Coragem é o uso da razão, apesar do prazer. Coragem é ser consistente com seus princípios, apesar do prazer e da dor. Os animais (mesmo os irracionais) mostram coragem principalmente devido a seus instintos primitivos e à necessidade de sobrevivência. Por exemplo, um pássaro que sai do ninho sabe que pode morrer, mas a necessidade de sobrevivência fala mais alto e, portanto, surge coragem.
Os seres humanos (diferentemente dos animais irracionais) têm uma psique muito influente em suas atitudes; portanto, seus medos e coragem variam amplamente de um para o outro, dependendo do ambiente em que vivem (e em que viviam quando eram mais jovens), o educação que receberam, suas crenças, com quem socializam e assim por diante.
Sabedoria é a condição para quem tem conhecimento, erudição. O equivalente grego "Sofia" é o termo que é equivalente ao conhecimento (presente na formação de palavras como teosofia, também significando habilidade manual, ciência e sabedoria).
O termo encontra diferentes definições de acordo com a perspectiva filosófica, teológica ou psicológica. No senso comum, sabedoria é a qualidade que dá senso comum, prudência e moderação à pessoa, enquanto que para a religião é "conhecimento inspirado pelas coisas divinas e humanas"
A sabedoria está associada a atributos como julgamento sem preconceito, compaixão, autoconhecimento experiencial, autotranscendência e desapego e virtudes como ética e benevolência.
A educação é que era simplesmente a maneira racional de os seres humanos melhorarem e abrangerem os processos de ensino e aprendizagem.
Em um sistema educacional, o ser humano a ser educado deve ser colocado dentro de um horizonte de plenitude. A tarefa educativa consiste de fato na capacidade de identificar e acompanhar essa preocupação atual do homem mantendo vivo o amor ao conhecimento, despertando o coração e pondo em movimento sua razão e sua liberdade, essa liberdade construída pelos tijolos da autonomia do homem. O indivíduo.
Esse é um fenômeno observado em qualquer sociedade e em seus grupos constituintes, responsável por sua manutenção, perpetuação, transformação e evolução da sociedade, desde a instrução ou condução do conhecimento, disciplinas (educar a ação), doutrinação até as gerações seguintes, modos culturais de ser, ser e agir necessários para a coexistência e ajuste de um membro em seu grupo ou sociedade. Em outras palavras, é um processo de socialização que visa a uma melhor integração do indivíduo na sociedade ou em seu próprio grupo.
Como processo de socialização, a educação é realizada nos diversos espaços de interação social, seja para adaptar o indivíduo à sociedade, do indivíduo ao grupo ou dos grupos à sociedade. Nesse sentido, a educação coincide com os conceitos de socialização e endocultura, mas não se limita a eles. A prática educacional formal - que ocorre nos espaços escolares, variando da Educação Infantil à Educação de Pós-Graduação - ocorre intencionalmente e com objetivos determinados, como no caso das escolas. No caso específico da educação formal realizada na escola, ela pode ser definida como Educação Escolar.
Segundo a UNESCO, a educação também é realizada além do ambiente formal das escolas e entra em outras perspectivas caracterizadas como: educação não formal e educação informal. De acordo com a organização, das Conferências Internacionais de Educação de Adultos - CONFINTEA e educação não formal, entende-se todo o processo de ensino e aprendizagem que ocorreu a partir de uma intenção educacional sem obtenção de títulos ou títulos, sendo comum em organizações sociais com vistas à democratização participação. E educação informal como a que ocorreu nos processos sociais cotidianos, como com a família, no trabalho, nos círculos sociais e afetivos.
No caso específico da educação exercida para o uso de recursos técnicos e tecnológicos e dos instrumentos e ferramentas de uma determinada comunidade, chama-se Educação Tecnológica. Outra prática seria a do ensino de ciências, que se dedica a compartilhar informações relacionadas à ciência (em termos de conteúdo e processos) com indivíduos que não são tradicionalmente considerados parte da comunidade científica. Os indivíduos-alvo podem ser crianças, estudantes universitários ou adultos no público em geral. A educação sofre mudanças, da mais simples à mais radical, de acordo com o grupo ao qual se aplica, e se ajusta à forma considerada padrão na sociedade.
No entanto, Educar não pode se limitar a instruir, transmitir informações nem transmitir habilidades; integra não apenas questões de autonomia, mas também problemas de autoridade, tradição e transmissão da cultura
Pensar e pensar são respectivamente uma forma de processo mental ou faculdade do sistema mental. O pensamento permite que os seres modelem sua percepção do mundo ao seu redor e, assim, lidem com ele de forma eficaz e de acordo com seus objetivos, planos e desejos. Palavras que se referem a conceitos e processos semelhantes incluem cognição, consciência, idéia e imaginação. O pensamento é considerado a expressão mais "palpável" do espírito humano, porque através de imagens e idéias revela precisamente a vontade dele.
O pensamento é fundamental no processo de aprendizagem (ver Piaget). O pensamento é construtivo e construtivo do conhecimento.
O principal veículo do processo de conscientização é o pensamento. A atividade de pensar dá ao homem "asas" para se mover no mundo e "raízes" para se aprofundar na realidade.
Etimologicamente, pensar significa avaliar o peso de alguma coisa. Em um sentido amplo, podemos dizer que o pensamento tem a missão de se tornar um avaliador da realidade.
Segundo Descartes (1596-1650), filósofo de grande importância na história do pensamento:
"A essência do homem é pensar". (Foi por isso que ele disse): "Eu sou uma coisa que pensa, isto é, que duvida que afirme, que ignore muitos, que ame, que odeie, que queira e que não queira, que também imagine e que parece ". (Logo o pensador está ciente de sua existência) "Penso, logo existo."
Sentir é o que os seres biológicos são capazes de sentir nas situações que experimentam. Por exemplo, o medo é a informação de que existe um risco, ameaça ou perigo direto para si ou para os interesses relacionados.
Empatia é informação sobre os sentimentos dos outros. Esta informação não resulta necessariamente na mesma reação entre os receptores, mais
varia de acordo com a competência em lidar com a situação e como ela se relaciona com experiências passadas e outros fatos.
O sistema límbico é a parte do cérebro que processa sentimentos e emoções. Os sentimentos humanos podem ser estudados por vários métodos, como via biologia, fisiologia, filosofia, matemática ou psicologia.
Os valores inatos:
Abraham Maslow, professor de Harvard, comentou que todos os seres humanos nascem com um senso inato de valores pessoais positivos e negativos. Somos atraídos por valores pessoais positivos, como justiça, honestidade, verdade, beleza, humor, vigor, poder (mas não poder abusivo), ordem (mas não preciosidade ou perfeccionismo), inteligência (mas não convencimento ou arrogância). Da mesma forma, somos repelidos por injustiça, morbidade, feiúra, fraqueza, falsidade, engano, caos, etc. Maslow também afirma que valores pessoais positivos são definíveis apenas em termos de todos os outros valores pessoais positivos - em outras palavras, não podemos maximizar nenhuma virtude e deixe que ele contenha valores pessoais negativos sem nojo.
Por exemplo, a beleza associada ao engano se torna nojenta. A justiça associada à crueldade é nojenta. Essa capacidade inata de sentir atração ou repulsa é a base da moralidade - em outras palavras, sentimentos bem compreendidos formam a capacidade interna com a qual nascemos para chegar ao que pensamos ser bom / ruim e certo / errado.
Esse ponto de vista contrasta fortemente com alguns ensinamentos extremistas de algumas religiões e ideais políticos, que desejam estabelecer o que é moral - que os humanos nascem em um vácuo moral e que é apenas a autoridade que pode dizer aos seres humanos o que é certo e errado. A exploração extremista dos sentimentos aumenta à medida que os sentimentos não são apenas distinguidos, mas até separados do pensamento crítico.
Algumas religiões, no entanto (algumas correntes atuais do cristianismo), acreditam que o ser humano nasce com princípios morais inatos e colocados nele por Deus. E que a "imagem e semelhança" ao Deus criador, mencionada no livro de Gênesis da Bíblia cristã, na verdade se referiria à imagem e semelhança moral com esse Deus criador, e não à aparência física do Deus cristão. Chegando a uma conclusão próxima à de Abraham Maslow, mas não científica.
Em meras circunstâncias acredito que devemos memorizar mais nossa eficiência, pois devido à vida tudo está contido em um relacionamento obstinado que nos compromete em vários propósitos de simplificar a luta pela vida que certamente existe um fator catatônico que é a forma da esquizofrenia que apresenta um alternância entre períodos de passividade e negatividade e períodos de excitação repentina que nos envolvem na vida entre vários pretextos como o amor que simplifica o amor ter coragem que significa superar algo específico ou comum sobre vários fatores socialistas que surpreendem nossos pontos de vista á sabedoria como significando entender os aspectos de consciência e sentimentos sobre as relações da vida permanecendo como compreensão humana o pensamento como algo superior que temos e que podemos favorecer tudo sobre todos e que em tudo será feito como devemos conquistar algo de valor, o sentimento a essência do pensamento que permanece como evidência da reconstituição da alma, caráter do ser humano nas realidades que deprimem o ser humano e suas relatividades que supomos redimir-nos de certas coisas que não admitimos como existência que brotam como um fluxo na vida nos explorando de certos efeitos contraditórios as exigências da vida que nos fazem perder ou ganhar algo substancial que devemos suportar como dependências, valor, disposição, jogo socialista que supostamente nos enfatiza pela moralidade de conhecer vários aspectos sobre certas origens que o ser humano tenta socializar como um luta de valores ou uma religião política que talvez possa mostrar seus valores sob uma referência de que resiliência é a capacidade do indivíduo de lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou suportar a pressão de situações adversas choque, estresse, algum tipo de evento traumático entre outros nos quais qualquer coisa pode dar a você algo de valor sobre quaisquer perdas testemunhadas e relacionadas às realidades de com um efeito que a vida nos propõe de certos meios e obstáculos em que processamos todos os valores e que está sob vários pretextos como o amor que simplifica o amor, ter coragem que significa ganhar algo próprio ou comum em vários fatores socialistas que surpreendem nosso pontos de vista, sabedoria como significado para entender os aspectos da consciência e sentimentos sobre as relações da vida que permanecem como compreensão humana, o pensamento como algo superior que temos e que podemos favorecer tudo sobre todos e que tudo será feito como deveríamos alcançar algo de valor sentindo a essência do pensamento que permanece como evidência de reconstituição da alma, do caráter do ser humano sobre as realidades que deprimem o ser humano e suas relatividades que supomos nos redimir sobre certas coisas que não admitimos como existência que fluem como um fluxo sobre a vida, explorando-nos de certos efeitos contraditórios as demandas da vida que realmente não podemos perder porque as boas intenções que comparamos com belas formalidades relacionadas às relações de vida seriam sinistro e que talvez possamos alcançar com sorte porque a vida é um objetivo de substâncias que valem a pena como evidência de certas capacidades e probabilidades que é o grau de segurança com o qual um evento pode ser esperado, determinado pela frequência relativa de eventos do mesmo digitar uma série de tentativas em que tomamos a vida e seus decalques como um efeito de não perdermos o valor de sermos simplesmente sinistros e o que vem das pessoas não se junta à alma do outro porque podemos nos prescrever como certos efeitos colaterais que A sociedade e a idade não pode compreender que o que mais precisamos é vencer porque a vida é como um jogo mágico que sempre podemos duelar com ela sobre seus prazeres que nos levam ao infortúnio ou ganho por nossa natureza de que estamos apenas fazendo a coisa certa sobre a vida e seus decalques.

Por: Roberto Barros
ROBERTO BARROS XXI
Enviado por ROBERTO BARROS XXI em 30/06/2020
Código do texto: T6992194
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
ROBERTO BARROS XXI
Olinda - Pernambuco - Brasil
641 textos (51705 leituras)
197 áudios (3496 audições)
49 e-livros (847 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/07/20 15:43)
ROBERTO BARROS XXI