Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lembranças de Inverno

                                            I
         Chovera  o  dia  inteiro. Final  de  tarde, A  chuva  dera  uma  trégua. O  sol,  acanhado, desaparecia  atrás  dos  montes. Um  friozinho gostoso fazia  tilintar  os  dentes. Vesti-me  da  cabeça  aos  pés, pus  um   casaco. Saí.  Fui  dar  uma  volta,  estava  meio macambúzio  de  estar  há    tantas  horas  dentro  de  casa.
         Avistei  a  praça. Estava  vazia !  Mesmo  assim,  aproximei-me.  Sentei-me  no  banco  ainda  molhado  debaixo  de  frondosas  árvores, que salpicavam  gotas  d’água.  Encostei-me,  cruzei  as  pernas, coloquei  o  cotovelo  no  colo,  uma  das  mãos  apertava  o queixo. Então comecei a  pensar,  ou  melhor,  a  recordar,  recordar,  recordar...
        Lembrei-me  da  juventude,  quase  adolescência. A  lembrança  de  A  veio-me  à  mente.  Centrei  nela  o  meu  pensar. Quantos  anos !  Quanto tempo !  Foi  umas  das  mais  relevantes  paixões  de  minha  vida... Como ela  era  linda !  Embora  me  lembre  de  suas  feições,  impossível  descrevê-la  com  perfeição  agora...
 
                                         II

         Resta-me  tão  somente  uma  lembrança  de  sua  beleza,  a  mais bela  mulher  que  tive  a  oportunidade  de  conhecer. Linda !  meiga ! Que sorriso !  Tinha  a  minha  idade.  Como  nos  conhecemos ? Num baile de carnaval ! A   fora  dormir  na  casa  de  uma  amiga  para  poder  ir  ao  baile.  A  família  era  evangélica,  o  pai, pastor.  Que  dificuldade !  Lá  estava  A  sentada  numa  cadeira  perto  do  salão,  observando  a  dança  que  rola-               va  solta,  alegre...  Ao  avistá-la,  meu  coração  disparou.  Não  mais retirei os  olhos  daquela  princesa...
         Aproximei-me.  Ela  olhou  para  mim. Sorri.  A  retribuiu    o  sorriso. Pronto !  Fácil  chegar  até  lá.  Pedi  licença   e  sentei-me   ao seu lado. Apresentei-me.  Ela  deu  a  mão  educadamente, apresentando-se, também.

                                          III

          Havia  em  seu  olhar  um  brilho  de  satisfação.  Enamorou-se de mim  à  primeira  vista.  Eu,  idem !
          Não  perdi  tempo. Tomei-a  nos  braços e... beijei-a. Senti que ela tremia. Era o primeiro  beijo  de  A.  Acho  que  o “milésimo”  meu. Entabulamos  namoro,  sério !  Mas  havia  um  grande  obstáculo : seu  pai ! a  igreja !  Tornei-me,  então,  evangélico,  só  para  estar  sempre ao seu lado.  Sendo  evangélico,  B,  seu  pai,  consentiu  que  namorássemos,  porém  éramos  bastante  vigiados,  controlados...
          De  nada  valeu  tanta  vigilância.  Seis  meses   depois,  A  engravidara. Foi  um  deslize.  Aconteceu...

                                          IV

          Quando  soube  que  estava  grávida, A  mudou-se... inventou uma história e, com  o  apoio  da  mãe, C,  foi passar  uns  tempos  na  casa de uma  tia,  no  interior. Seu  pai  nem  desconfiara... B, o  genitor, só viria  a  saber  tempos  depois,  muito  tempo  depois...
          Eu  desejava  casar-me,  assumir  o  “pecado”, todavia A  não  quis. Seu  pai  era  pastor,  seria  um  escândalo !  Uma  imensa  vergonha !
          A  criança  nasceu,  contudo  foi  deixada  num orfanato, até  hoje não  sei  com  quem  estar  meu  filho. Perdi-o !  Nem  mesmo  tive o direito  de  saber  em  que  orfanato  ele  fora  deixado,  apesar de ter lutado  bastante  para  desvendar  esse  segredo.

                                        V


           Após  um  período  de  um  ano  em  casa  da  tia,  A voltou para casa. Estava  diferente, já não era a mesma. Mudou totalmente.
Rompeu  definitivamente  comigo,  tinha  receio  de  engravidar   outra vez...  Não  houve  jeito.  Tentei  de  tudo. Em  vão ! Ela  estava  decidida.  Embora  me  amasse,  renegava-me...
           Tudo  por  causa  de  uma  religião !  Por causa  de  uma  igreja ! Por  causa  de  um  pai  pastor !
           C,  sua  mãe,  de  tudo  soube,  entretanto  apoiou  a  decisão da filha,  para  o  meu  desgosto.  Sem  jeito  a  dar,  afastei-me. Meu  coração  doía...  eu  a  amava !

                                        VI

            Não  suportando a  separação, plenamente  inconformado, num  ato  tresloucado,  procurei  por  seu  pai, na  igreja. Contei  tudo ! Aspirava  à  sua  compreensão...
            Quanta  ingenuidade !  O  pastor  revoltou-se.  Expulsou  A  de casa,  separou-se  da  esposa,  perdeu  seu  posto  na  igreja.    Foi um escândalo !
            Que  fiz  eu ?  Senti-me  culpado.  Trago  até  hoje  esse  sentimento  de  culpa  comigo.

                                       VII

            Os  anos  se  passaram. O  amor  esfriou.    Continuava   sendo rejeitado,  agora  mais  do  que  nunca !
            Dez anos  mais  tarde,  tive notícias  de A.  Seus  pais  reataram.B, seu  pai, tornara-se  pastor  de outra  congregação.Tudo se acalmara.  Perdoou  a  filha,  no entanto  o  destino  foi  cruel.   Seus pais  viriam  a  falecer  vitimados  por  um  acidente  automobilístico. A  casou-se  com  um  americano.  Se  era  feliz ?    Não  sei  dizer... E  eu ?  E  o  nosso  passado ?  E  o  nosso  filho ? ...

                                     VIII

              Nem  ela  mesma  sabia  do  seu  paradeiro. Perdeu-o,  para
sempre!Certamente  fora  adotado  por  alguma  família  e  não  ti- vemos  mais  notícias  dele.  Nem  ela,  nem  eu...
              Tudo  isso  veio-me  à  mente  naquele  final de  tarde   chuvosa  de  julho.
              A  noite  caiu. Ventava  forte. Voltara  a  chover...
              E  eu,  com  os  olhos  marejados  de  lágrimas,  despedi-me  desse  assunto.
              Havia  um  futuro,  uma  vida  inteira  pela  frente !



                                       FIM



Ivan Melo
Enviado por Ivan Melo em 19/01/2010
Código do texto: T2039022

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ivan Melo
Carpina - Pernambuco - Brasil, 66 anos
2004 textos (24620 leituras)
5 e-livros (121 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/19 16:10)
Ivan Melo