Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SONHO DE “BOLAS DE SABÃO” (Parte 1)

           SONHO DE “BOLAS DE SABÃO”

                     (Parte 1)
 

Um sonho lindo demais!
Sim, tudo que lhe acontecia era semelhante a uma miragem há muito desejada, e agora realizada... Feliz, a mocinha sorria.

Ali estavam os dois, sozinhos em uma mesa, alheios à euforia do baile que já chegara à sua segunda etapa, o momento carnavalesco.
Festa de formatura de colegas que com eles entraram na Universidade, após as noites perdidas para a conquista de uma vaga, de um lugar no Curso desejado.
A festa deles já se realizara alguns meses antes.
Agora, dois jovens adultos, de posse de um diploma que começavam a valorizar com o início de seus trabalhos, congratulavam-se com os recém-formados.

Não sabiam exatamente como, entre as danças momescas se encontraram... Isolaram-se sentados na escada de uma das portas daquele grande e tradicional Clube Social.

Logo ela se surpreendeu ao ouvir:
- Lembra-se das aulas que assistíamos juntos? Desde aquele tempo que eu gosto de você. Só assistia às aulas para ver você, e me chateava quando, desejando levá-la até a sua casa, ouvia sempre a resposta: “Vou com a minha colega.” Tentei, uma vez, dizer o que sentia, mas você, julgando ser brincadeira, esquivou-se. Assim, hoje eu digo tudo que sinto e não quero ser mal interpretado, pois falo uma verdade.
Ela os foi acordada da sua surpresa quando ele perguntou:
-Você nunca se interessou por mim?
A resposta foi:
- Não; eu gostava de brincar com você. Não, não como um boneco; gostava de estar com você, mais nada...
Quantas verdades esta resposta escondia!

Sim, ela se lembrava de tantos momentos, muitos desejos que considerava impossíveis!
Era adorável vê-lo chegar... Alto, cabelos castanhos desalinhados elegantemente, um espesso bigode, camisas de mangas curtas (normalmente) e certa predileção por uma calça jeans azul claro. Sim, era engraçado o seu andar, levemente desengonçado, como se a qualquer instante pudesse perder o equilíbrio, e aquele esbelto rapaz, com rosto de garotão, assustado levasse um pequeno tombo.
No decorrer da aula, sentavam-se no fim da sala – ele, a colega e ela – e pouco devem ter captado dos conhecimentos ministrados por aquele Mestre pacato, de fisionomia humilde e muitos  anos de experiência na Universidade.
O tempo passava enquanto eles buscavam algum divertimento que os ajudasse a fugir da monotonia da aula.

Certo dia, uma surpresa...
                                                         (Continua na Parte 2, a publicação seguinte)

        Dalva da Trindade S. Oliveira
               (Dalva Trindade)
                   26.10 2017
Dalva da Trindade S Oliveira (Dalva Trindade)
Enviado por Dalva da Trindade S Oliveira (Dalva Trindade) em 26/10/2017
Reeditado em 28/10/2017
Código do texto: T6153365
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite a autoria de Dalva da Trindade S Oliveira e o site da publicação). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dalva da Trindade S Oliveira (Dalva Trindade)
Salvador - Bahia - Brasil
315 textos (16344 leituras)
54 áudios (2455 audições)
2 e-livros (65 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/06/18 22:40)
Dalva da Trindade S Oliveira (Dalva Trindade)