Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

The love between us: 24- Sorvete e um favor

Havia se passado algumas semanas desde a decisão de continuar com a gravidez. Eu vinha descobrindo um lado bem divertido de se estar nesse estado biologicamente estranho. Levantei para abrir a porta do quintal para o Slash e fui para a geladeira decidir algo para comer.

-Então, útero, o que acha? Sorvete? Nós concordamos nessa.

Coloquei um pouco de sorvete pra mim e comecei a comer sentada na bancada da cozinha quando a Ray apareceu.

-Você não está tomando sorvete no café da manhã, não é?

-N-não?! – Ela tomou a vasilha de mim – Hey! Já havia terminado de qualquer forma. E em minha defesa foi o útero quem pediu.

-Eu vou fazer um suco verde pra você.

-Eca! Você é totalmente sem graça. Você perdeu um ponto na corrida pra vê quem será madrinha do útero. Bom do que está lá dentro.

-Você devia começar a chama-lo de filho.

-Até saber se é menino ou menina vou continuar chamando de útero. Vai que se ofende por um tratamento equivocado?

-Pode chamar de feto.

-Feto me lembra de afeto. Prefiro útero mesmo.

-Você é muito esquisita. - Eu sorri mostrando que já tinha noção disso. - Aliás, pensei que a Viola fosse a madrinha.

-A Lisa, a Grace e você são tão importantes para mim quanto a Viola. E assim é mais divertido.

-E quanto as irmãs do Tom?

-Elas estão no páreo também, mas começaram com ponto negativo, enquanto minhas amigas começaram com ponto positivo.

-Não parece justo.

-Bem, a vida não é justa.

-Você realmente é estranha.

-É, eu sei.

No trabalho era bizarro!

Pessoas desconhecidas vinham me parabenizar, nunca entendi o motivo, talvez seja por deixar o meu corpo seguir o seu curso natural após um esperma fujão conseguir entrar no óvulo.

As notícias corriam soltas, já estava tudo nos tabloides também. Acabei deixando meus amigos tirarem uma foto minha com a barriga mais saliente para ganharem dos outros. Ainda me pergunto como conseguiram me convencer a fazer isso. No entanto, Tom planejava algum tipo de anúncio sobre a gravidez e nossa relação, eu só não tinha certeza o que seria.

Colin resmungava na baia ao lado da minha. Ele tinha de fazer um artigo enorme sobre um teatro novo que acabara de abrir, porém ainda não teve a oportunidade de ir até lá para conferir. No momento, ele estava apenas fazendo pesquisas na internet a respeito, pouco depois o celular dele começou a tocar.

Era a mãe dele ou algo do tipo. Ele a chamava por um apelido engraçado: Drasta. Parece que o meu amigo teria de comparecer a um jantar de família essa noite. Devia sem bem engraçado assistir o Colin ser bombardeado de perguntas por alguma tia já velhinha.

Quando eu estava concentrada no meu artigo um copo cheio de café surgiu na minha frente.

-Gatinha, você pode me fazer um favor?

-O café é um agrado para me convencer a fazer o que você quer?

-Quase isso. É pra ir te amansando. Assim não mostra suas lindas garras quando eu te pedir o favor.

Eu sorri tomando um gole de café.

-O que é?

-Se não tiver planos essa noite. Venha a um jantar comigo e minha família.

-O que?

ALANY ROSE
Enviado por ALANY ROSE em 15/01/2019
Código do texto: T6551962
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ALANY ROSE
Teresina - Piauí - Brasil, 33 anos
209 textos (5989 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/06/19 00:24)
ALANY ROSE