Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Inferno na Torre - Parte IV - Um Improvável Salvador

Todo esse inferno que passamos na torre foi por causa de 1000 peças de ouro.
   
Ao invés disso, tudo o que conseguimos foi outra batalha crucial travada contra as formas demoníacas de Alexander e Ivana que não estavam sozinhos.

Logo Alexander invocou vários monstros e criaturas de todos os tipos e tamanhos e fez surgir poças de sangue no fosso com o objetivo de nos enfraquecer na batalha e trucidar todos nós com mais facilidade.

Corinna e eu fomos com a cara e a coragem pra cima de Alexander, porém ele nos atingiu em cheio com seu raio mágico e jogou-nos dentro da poça de sangue que limitava nossos movimentos.

Cassandra tentou abrir caminho atirando por todos os lados. Embora tenha conseguido chegar perto da porta, ela deu de cara com três criaturas que a jogaram na parede e deixaram-na estonteada com o impacto.

Myrymia lutava valentemente contra uma horda de demônios atacando com tudo o que tinha e segurando o quanto podia as investidas das criaturas.

Foi então que a meia-elfa teve uma brilhante ideia.

Concentrou toda a energia para atirar uma bola de fogo nas costas de Ivana e acertá-la violentamente fazendo com que Albert despertasse do transe e dando tempo suficiente para que Corinna e eu saíssemos da poça de sangue.

Assim que despertou, Albert fez um verdadeiro ataque suicida desferindo socos e pontapés nos monstros e abrindo caminho mesmo nu e desarmado.

Contudo, pagou o preço pela sua coragem. Começou a perder muito sangue devido aos ferimentos e com muitas dificuldades, conseguiu chegar a uma pequena sala onde tinha uma estátua.

E eu tentando protege-lo de todas as formas ficando na frente da entrada usando meu escudo.

Que foi inútil.

Duas criaturas me atacaram e eu estava perto da morte.

Era o fim.

Já estava vendo as virgens prontas para levar-me ao paraíso, quando uma flecha passou zunindo a milímetros do meu pescoço atravessando o peito das duas criaturas e matando-as na hora.

Era Albert que havia atirado aquela flecha com uma besta que encontrou dentro da sala salvando-me mais uma vez da morte.

No entanto, a batalha seguia cada vez mais desesperadora. Cassandra estava desnorteada e cercada por monstros, Corinna inutilizada pelo poço e cercada por monstros, Myrymia exausta e cercada por monstros e eu entre a vida e a morte protegendo um enfraquecido Albert e cercado por monstros.

De repente, veio um forte clarão na sala e um misterioso guerreiro surgiu do nada e liquidou Alexander e Ivana de um só golpe salvando-nos de uma morte certa.

Depois, usou uma passagem secreta que havia embaixo da estátua e nos levou até a um rio abaixo onde a correnteza nos levou para longe daquela torre infernal onde caímos inconscientes.

Passaram–se três dias daquele incidente e nós despertamos em camas de campanha com as sacerdotisas locais curando nossos ferimentos.

Foi então que apareceu o misterioso guerreiro que salvou nossas vidas identificando-se como Gaudrus, um dos líderes de um grupo de resistência que protegia nosso mundo do ataque dos monstros.

Ele nos contou que houve uma quebra do equilíbrio que garantia a segurança do mundo contra monstros e criaturas de outras dimensões e explicou que aquela torre, na verdade, era uma armadilha que atraía os gananciosos e os amantes da luxúria para a morte, fato esse comprovado pelas pilhas de ossos que Cassandra encontrou nos baús.

Disse também que para saber mais sobre essa quebra do equilíbrio, deveríamos ir ao leste procurar o grande comandante dessa resistência, alertando-nos ainda que mais monstros e criaturas chegarão para aniquilar o mundo.

Ele, sem dizer mais nada, pegou seu cavalo e partiu.

O leste seria nosso próximo passo.

O Imperio Romano do Oriente e mais além, os desertos do Oriente Médio.

Sem perceber, estava voltando para casa ao lado dos meus companheiros.

Porém, havia pendências a tratar.

Vencemos a batalha, é verdade, vivemos para lutar outro dia, também é verdade, mas obtivemos uma “vitória de Pirro” devido a perda de nossos equipamentos.

E tínhamos uma decisão a tomar.
MarioGayer
Enviado por MarioGayer em 25/01/2018
Código do texto: T6235594
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
MarioGayer
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 44 anos
266 textos (4119 leituras)
4 e-livros (27 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/09/20 02:12)
MarioGayer