Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Confronto em Lugduno

[Continuação de "Um ritual em Lugduno"]

- Isso não prova absolutamente nada - falei ao telefono para o meu sócio em Ebora Cerealis. - A minha chegada em Lugduno não foi exatamente em segredo. Sabendo disso, quem armou pra cima de Canutia Proba, pode ter decidido fazer o mesmo comigo. Só que resolveu fazer de conta que a minha oferenda havia sido aceita: as sementes de feijão sumiram praticamente todas.

- Tenho que concordar com você, embora me arrisque a perder a aposta - acedeu Tertius Acilius. - Longe vai o tempo em que espíritos vingativos se contentavam com caroços de feijão...

- O que você sugere?

- Acho que está na hora de fazer uma visita ao nosso colega, Octavianus Decumius e descobrir qual é o papel dele nessa história. Mas, peço-lhe que tome cuidado - estamos lidando com gente perigosa.

- Nem precisava pedir - respondi.

Não muito surpreendentemente, Octavianus Decumius concordou em me receber em seu escritório, num prédio comercial com vista para o rio Arar.

- De onde você veio mesmo? - Indagou ele, quando nos pusemos frente a frente.

- Ebora Cerealis, Lusitânia.

- Longe, hein? Colegas e curiosos têm aparecido na cidade desde que o caso do espectro de Amulius Probus foi parar na mídia... há muita gente querendo os seus minutos de exposição televisiva.

- Confesso que não é esse o meu caso - declarei. - Mas como ambos somos de cidades de porte médio, não de grandes centros, gostaria de saber como pretende resolver o problema do espírito infeliz, para que a legítima herdeira possa tomar posse do palacete ou vendê-lo, pelo preço justo.

Octavianus entrelaçou os dedos das mãos, cotovelos apoiados na escrivaninha.

- Desculpe, mas... o que você tem a ver com isso... colega?

- Deixe-me revelar o que estou fazendo aqui em Lugduno, colega - retruquei. - Sou representante de Canutia Proba, e portanto, estou autorizado por ela a tomar qualquer providência no sentido de mandar esse espectro para os Campos Elíseos. Claro, se eu tiver sucesso, creio que isso lhe dará uma tremenda exposição televisiva. Negativa, infelizmente.

Octavianus Decumius mordeu o lábio inferior.

- Mas eu fui contratado por Vopiscus Probus, filho do falecido...

- Vopiscus Probus não é o herdeiro do palacete; Canutia Proba é - atalhei. - Portanto, a partir de agora as coisas serão feitas do meu jeito, não do seu.

Vendo que o colega parecia atordoado, ergui-me para me despedir.

- À meia-noite de hoje, farei meu exorcismo - avisei.

- Como queira - respondeu Octavianus Decumius, sem me encarar.

[Finaliza em "O segredo de Lugduno"]

- [30-12-2018]
Alex Raymundo
Enviado por Alex Raymundo em 30/12/2018
Reeditado em 31/12/2018
Código do texto: T6539106
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Texto original do site http://recantodasletras.com.br/autores/raymundo.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Alex Raymundo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
1503 textos (80313 leituras)
1 áudios (31 audições)
1 e-livros (7 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/07/19 14:42)
Alex Raymundo